Apologéticos

Os Pais da Igreja e a Doutrina da Criação

O que a igreja primitiva acreditava sobre a criação?

Em seus primeiros 16 séculos, a igreja ensinou uma Terra jovem. A Terra tinha vários milhares de anos, foi criada rapidamente em seis dias de 24 horas e mais tarde foi submersa por um dilúvio mundial.

Uma Terra jovem de acordo com...

Os Pais da Igreja

Os Pais da Igreja (100-600 d.C.) foram os teólogos depois dos apóstolos. Com base nas Escrituras, eles se opuseram às teorias naturalistas das origens. Alguns, incluindo Clemente de Alexandria (c. 152–217), Orígenes (c. 185–254) e Agostinho (c. 354–430), interpretaram Gênesis 1 alegoricamente. Para eles, os seis dias eram uma apresentação simbólica da criação de Deus em um instante.

Os “criacionistas progressivos”, como Hugh Ross no livro “The Genesis Debate: Three Views on the Days of Creation”, citam Agostinho como um precedente para interpretar a referência da Bíblia a “seis dias” como um símbolo para eras de atividade criativa (o que é conhecido como “hipótese da estrutura”). [1] Mas é injusto os criacionistas progressivos defenderem sua posição usando Agostinho. Agostinho acreditava que a Terra foi criada instantaneamente, não progressivamente, e tinha, de acordo com as Escrituras, menos de 6.000 anos de idade.

A maioria dos Pais da Igreja interpretou Gênesis 1 de uma maneira simples e direta, como história real. Os seis dias foram dias de 24 horas. Efraim (Efrém), o Sírio (306-373) e Basílio de Cesaréia (329-379) defenderam o sentido literal da Escritura contra as distorções da alegoria. Basílio disse que vinte e quatro horas ocupam o espaço de um dia. Mesmo Ambrósio de Milão (330-397), mentor de Agostinho, acreditava que cada dia da criação consistiu em vinte e quatro horas, incluindo dia e noite. Além disso, os Pais acreditavam que a Terra tinha menos de 6.000 anos.

 

Teólogos Medievais

Teólogos medievais (600-1517 d.C.), até anos posteriores, seguiram Agostinho. Eles viram a criação como instantânea, e os seis dias como uma estrutura literária. Um exemplo é Anselmo de Canterbury (c. 1033–1109).

Beda (c. 673-735) moderou a opinião de Agostinho. Ele acreditava que a criação ocorreu instantaneamente, mas foi formada ao longo de seis dias de 24 horas. Outros, como André de St. Victor (c. 1110-1175), rejeitaram a visão de Agostinho e interpretaram Gênesis 1 literalmente.

A igreja medieval continuou a acreditar que a criação foi repentina, não gradual, e ocorreu menos de 6.000 anos no passado. À medida que os intérpretes começaram a retornar a uma leitura literal das Escrituras, eles começaram a restaurar a visão literal dos dias da criação.

 

Líderes da Reforma

Os líderes da Reforma (1517–1700 d.C.) acreditavam que a Bíblia é a autoridade final (Sola Scriptura). Os Reformadores rejeitaram a alegorização e voltaram para uma interpretação literal e histórico-gramatical. Martinho Lutero (1483–1546) e João Calvino (1509–1564) argumentaram que a Terra foi criada em seis dias de 24 horas, menos de 6.000 anos no passado.

Lutero disse: “Sabemos por Moisés que o mundo não existia antes de 6.000 anos atrás.” Ele também rejeitou a opinião de Agostinho e disse que “A tarde e a manhã tornaram-se um dia” significava que Moisés estava “falando do dia natural, que consiste em vinte e quatro horas”.

Calvino acreditava que a criação de Deus não foi concluída em um momento, mas em seis dias. Ele concluiu, baseado em Gênesis 1:5, que o próprio Deus levou seis dias para acomodar Suas obras à capacidade dos homens. A criação ocorreu pouco mais de cinco mil anos no passado, não em inúmeras eras.

A Confissão de Westminster (1647) afirmou claramente que Deus criou o mundo e todas as coisas nele “no espaço de seis dias” (capítulo 4, parágrafo 1). “No espaço de seis dias” foi baseado no comentário de Calvino em Gênesis 1:5 . Em “Anotações sobre todos os livros do Antigo e do Novo Testamento” (as Anotações de Westminster, 1645), os autores de Westminster especificaram a respeito de Gênesis 1:5 que na última parte do versículo, a palavra dia é o dia natural, consistindo de vinte quatro horas. Esta Confissão Presbiteriana, com sua visão tradicional da criação, também foi adotada por denominações Congregacionais e Batistas britânicas e americanas.

 

Um Dilúvio Global de acordo com...

Os Pais da Igreja

Os Pais acreditavam que o dilúvio submergiu toda a Terra. Por exemplo, Justino Mártir (c. 100/110–159/165) e Agostinho disseram que o dilúvio subiu 15 côvados acima das montanhas mais altas. Teófilo de Antioquia (c. 115-168,181) argumentou, contra as teorias gregas do dilúvio local, que a água cobriu cada colina alta em pelo menos 15 côvados.

Líderes Medievais e da Reforma

A crença de que o dilúvio foi mundial continuou na era medieval. Seu teólogo principal, Tomás de Aquino (c. 1225-c.1274), disse que “as águas do dilúvio” subiram “15 côvados mais altos do que os cumes das montanhas”. E na Reforma, Calvino disse: “E o dilúvio durou quarenta dias, etc. Moisés insiste copiosamente neste fato, a fim de mostrar que o mundo inteiro foi imerso na água.”

Após o Iluminismo, o dilúvio e a geologia foram ligados no debate sobre a idade do planeta. Mas, muito cedo, Tertuliano (c. 150–225) disse que o dilúvio global explicava por que, em seus dias, conchas marinhas e trombetas de tritões (ambas criaturas de concha) eram encontradas no alto das montanhas.

 

Conclusão

O conceito de criação cristão tradicional da Terra jovem se opõe aos criacionistas progressivos, que argumentam que a Terra foi criada em estágios ao longo de eras de tempo. Os Padres Gregos e Latinos e os Reformadores mantiveram a autoridade bíblica contra os teóricos da Terra velha de seus tempos. A Ortodoxia Oriental baseava seus pontos de vista nos Padres Gregos e, portanto, também sustentava o criacionismo bíblico tradicional da Terra jovem. [2]

Não foi até o Iluminismo que os cristãos professos começaram a reinterpretar Gênesis para se adequar às alegadas provas científicas de uma Terra antiga. Mas Gênesis significa o que significava quando foi escrito, e seu significado foi discernido por Jesus e os apóstolos - e a igreja que eles fundaram. Portanto, devemos retornar a um entendimento claro e direto do relato de Gênesis e acreditar que Deus criou rapidamente, vários milhares de anos atrás, em seis dias de 24 horas.

 

Referências

[1] Hugh Ross, A Matter of Days: Resolving a Creation Controversy (Colorado Springs: NavPress, 2004), pp. 45–46.

[2] Veja Terry Mortenson, “Orthodoxy and Genesis: A Review of Genesis, Creation and Early Man” (um livro de Fr. Seraphim Rose, publicado por Saint Heman of Alaska Brotherhood, Platina, California, 2000).

Traduzido a partir de "The Early Church on Creation" <https://answersingenesis.org/church/the-early-church-on-creation>.

Cinco Problemas Científicos com as Teorias da Evolução Química e Biológica

O Discovery Institute identifica cinco áreas da ciência que apresentam sérios problemas para o neodarwinismo:

 

Diferenças entre os Homens e Mulheres Apoiadas pelas Escrituras e pela Ciência

As questões de gênero são um tópico de notícias frequentes. Qual é a posição do cristão sobre esse assunto e o que a Ciência documenta? Ecoando Gênesis 1:27 e 2:24, Jesus disse: “Desde o início da criação, Deus os fez homem e mulher. Por esta razão, o homem ... se unirá à sua esposa, e os dois se tornarão uma só carne.” [1]

A partir desta e de outras passagens, a igreja cristã sempre ensinou o conceito de complementaridade de gênero - que Deus projetou homens e mulheres para diferentes papéis sociais correspondentes. Isso também é revelado nos papéis físicos e psicológicos compatíveis com a sexualidade de homens e mulheres. [2]

Ambos os sexos encontram seu valor no Senhor, pois foram projetados para refletir Sua imagem. 

Um dos lemas fundamentais da Reforma Protestante foi o princípio “Sola Scriptura”, “Somente as Escrituras”. Esse princípio enunciava que as declarações da Bíblia têm a primazia sobre as opiniões, tradições humanas e concílios eclesiásticos. Apenas a Palavra de Deus constitui-se em uma regra infalível para a doutrina e prática cristãs. Ao apresentar esse fundamento para as suas reivindicações, os Reformadores não estavam apresentando uma inovação, mas buscando um retorno ao padrão da Igreja dos primeiros séculos, conforme as citações apresentadas a seguir. 

Em nossa era cientificamente avançada de clonagem, biomimética, processadores Pentium e Internet, o ceticismo dos americanos sobre a inerrância bíblica parece ter alcançado um recorde histórico (ver Gallup e Lindsay, 1999, p. 36), especialmente em relação a questões sobre a Bíblia e a Ciência. Como poderia um livro, cujas partes foram escritas há 3.500 anos, ter dados científicos relevantes? Como poderiam os escritores da Bíblia ter feito declarações precisas sobre o céu muito antes da invenção de telescópios e satélites? Como poderiam ter classificado corretamente os animais antes do desenvolvimento da taxonomia de Lineu? Como suas referências à zoologia, botânica, astronomia e anatomia humana poderiam ser confiáveis?

As ideias defendidas na obra “Lost Christianities” [Cristianismos Perdidos] de Bart Ehrman minam o Cristianismo e a autoridade do Novo Testamento de uma forma fundamental, porque nos impedem de perguntar se a Bíblia é verdadeira. Ela muda a pergunta para: “Por que os cristãos são tão crédulos em acreditar em um livro que é simplesmente o resultado de jogos de poder eclesiásticos?”

Nenhum livro deu mais o que dizer, seja bom ou ruim, do que a Bíblia. Atualmente, vivemos um tempo em que muitas pessoas acreditam apaixonadamente que a Bíblia é a palavra de Deus, enquanto muitas outras criticam fortemente a Bíblia como textualmente corrompida, cientificamente ingênua, historicamente incrível e moralmente atrasada. Muitas pessoas que cresceram aceitando a Bíblia como verdadeira chegam a questionar, duvidar e até a rejeitar. No entanto, nunca houve mais evidência em apoio à confiabilidade da Bíblia do que existe hoje. Avanços recentes na ciência e nos estudos acadêmicos responderam a muitas das críticas comuns da Bíblia. Não é realista tentar provar todos os detalhes da Bíblia ou justificar todas as suas declarações. No entanto, temos muito boas razões para confiar na Bíblia e aceitar sua mensagem.

Algumas pessoas argumentam a partir da Bíblia que Deus condena as pessoas que rejeitam Sua revelação, mesmo sabendo que, se Ele tivesse revelado mais a elas, elas teriam se arrependido. Alguns dizem que isso prova que a Bíblia tem erros ou que o Deus da Bíblia é injusto. Alguns dizem que isso prova que a soberania de Deus supera qualquer outra coisa em Seu caráter ou ações - sim, Deus condena aqueles que se arrependeriam se soubessem mais (mas isso não o tornaria injusto, argumentam).

Onde está localizado hoje o túmulo que foi deixado vazio após a ressurreição de Jesus? Existem duas propostas principais, comumente aceitas: a que ele se localiza na chamada “Igreja do Santo Sepulcro”, aceita pelos católicos; e a que ele estaria no chamado “Jardim do Sepulcro” (ou “Jardim de Gordon”, devido à sua descoberta em 1883, pelo General inglês Charles Gordon), aceita por muitos protestantes. Pretendo abordar, resumidamente, os argumentos para cada uma dessas propostas e apresentar a opção mais plausível.