Em 28 de setembro de 1976, o seguinte telegrama foi recebido na sede da Organização Mundial da Saúde em Genebra:

UMA SÉRIA EPIDEMIA DE NATUREZA AINDA DESCONHECIDA ESTÁ ACONTECENDO NA REGIÃO DE DUAS DAS NOSSAS PLANTAÇÕES NA REGIÃO DE BUMBA, NA COLUMBIA DE YAMBUKU. PENSAMOS QUE É POSSÍVEL TIFÓIDE FULMINANTE OU FEBRE AMARELA. AMOSTRAS FORAM ENVIADAS AO ITM [Instituto de Medicina Tropical] EM ANTUÉRPIA PARA SEREM ANALISADAS. NÓS ESTAMOS INTERESSADOS EM CONHECER O DIAGNÓSTICO POR TELEX O MAIS RAPIDAMENTE POSSÍVEL. DESTA MANEIRA, PODEREMOS ORGANIZAR UMA CAMPANHA DE VACINAÇÃO PARA NOSSOS FUNCIONÁRIOS.
ASSINADO /
DR. BUSQUET, KINSHASA [1]

Esta foi a primeira informação a sair do Zaire (hoje República do Congo) sobre a epidemia viral do Ebola, que matou centenas de africanos infectados que viviam dentro e nos arredores do hospital Yambuku, perto das cabeceiras do rio Ébola. [2]

As freiras do hospital missionário de Yambuku usavam cinco agulhas não esterilizadas para dar injeções a centenas de pessoas todos os dias. Epidemiologistas concluíram que isso causou o surto que ocorreu simultaneamente em 55 aldeias ao redor do hospital.

Os primeiros a morrer foram aqueles que receberam as injeções. Então a doença passou por famílias, matando principalmente aqueles que haviam preparado os mortos para o enterro. Também varreu a equipe do hospital, matando enfermeiras e parteiras que tiveram contato com sangue e vômito do paciente. Acredita-se que a doença do Ebola possa ter sido transmitida também por contato sexual.

O ebola é apenas um dos vários agentes patogênicos assassinos que estão surgindo em todo o mundo. Doenças virais como a febre de Lassa, a febre do Vale do Rift, o hantavírus e a dengue também causam pânico e alarme em todo o mundo. Doenças antigas que foram consideradas como não mais problemas de saúde estão ressurgindo em importância. O avião a jato e as crescentes viagens internacionais criaram a situação em que alguém com uma dessas doenças pode viajar pelo mundo espalhando-a antes mesmo de perceber qualquer sintoma. [3]  O que é pior, não há cura ou vacina para muitas dessas doenças mortais.

Do lado positivo, os cinco primeiros livros da Bíblia, o Pentateuco, fornecem uma tremenda percepção e alívio em relação à prevenção de doenças. Notavelmente, o Pentateuco é considerado como a evidência mais antiga que temos de saúde pública e sólidas práticas sanitárias. [4]  Esses escritos antigos, quando usados ​​em conjunto com a medicina moderna, podem quebrar o modo de transmissão de praticamente todos os flagelos conhecidos pela humanidade.

O que se segue é um breve resumo das instruções bíblicas relativas à saúde pública e ao saneamento. Tenha em mente que estes regulamentos foram praticados cerca de 3.500 anos antes do conceito de doença germinativa ter sido descoberto (principalmente pelo criacionista Louis Pasteur [5])!

Precauções para feridas, pele e emissões

As instruções registradas em Levíticos 15 são surpreendentemente semelhantes às modernas técnicas de prevenção de doenças.

Por exemplo, qualquer pessoa que tocasse outra com um “problema de emissão” (isto é, secreções corporais), ou qualquer coisa sobre a qual essa pessoa se sentou ou se deitou, ficaria “impura”. Além disso, se o ‘tocador’ tocasse alguém sem antes lavar as mãos, a impureza seria transferida para essa pessoa também.

Apenas um pouco mais de 100 anos atrás, essas precauções foram instituídas em instalações médicas modernas para evitar a disseminação de doenças. Técnicas cirúrgicas e de vestir sem toque são agora usadas. [6] As  luvas são necessárias para pessoas que tocam em áreas infectadas e uma lavagem cuidadosa das mãos é observada antes e depois do atendimento ao paciente. Além disso, as “precauções universais” exigem que todas as secreções corporais sejam tratadas como agentes potencialmente infecciosos.

Disposição de resíduos

Os israelitas foram instruídos a enterrar seus resíduos do acampamento (Deuteronômio 23:12-14). Doenças intestinais, como cólera, disenteria amébica e enterite por E. coli, continuam, até hoje, a pesar em vidas onde práticas sanitárias similares não são observadas.

Os israelitas também foram admoestados a queimar curativos usados. Roupas que continham um crescimento (talvez um fungo) deveriam ser lavadas. Se o fungo/crescimento fosse removido, a roupa deveria ser lavada novamente antes de ser usada novamente. Se não, deveria ser queimado (Levíticos 13:47-58). Note que uma primeira lavagem pode germinar esporos resistentes. O novo crescimento poderia então ser removido por re-lavagem. Objetos tocados por uma pessoa infectada deveriam ser lavados. Se o objeto era de cerâmica, no entanto, a lavagem era insuficiente (talvez devido à sua natureza porosa). Deveria ser destruído (Levíticos 11:33 15:12).

As práticas de saúde de hoje são bastante semelhantes. Objetos e curativos contaminados com emissões corporais são removidos para incineração. Sempre que possível, são usadas agulhas, seringas, talheres, pratos e outros itens descartáveis. Itens não descartáveis ​​são lavados, ensacados e esterilizados.

Isolamento

Os israelitas tomavam muito cuidado antes de diagnosticar uma pessoa com hanseníase ou condição similar. Se houvesse alguma dúvida quanto à certeza de um diagnóstico, a pessoa deveria ficar isolada para observação (Levíticos 13:1-14:57). Uma vez que uma pessoa era diagnosticada com uma condição contagiosa, ela deveria ficar em quarentena fora do campo “todos os dias em que a praga esteja nele”. Ele também era obrigado a usar uma cobertura sobre sua boca e advertir os outros gritando: “Imundo, imundo!” (Números 5:2–4  e Levíticos 13:45–46).

Os hospitais modernos também seguem procedimentos especiais de isolamento para pessoas que têm ou são suspeitas de ter infecções contagiosas. Por exemplo, “isolamento estrito” requer uma sala privada com suprimento de ar independente. A porta desta sala deve ser mantida fechada. Vestidos, luvas e máscaras devem ser usados ​​por todos que entrarem na sala. Além disso, um sinal deve ser colocado na porta do paciente para alertar os outros sobre sua condição.

Precauções de sepultamento

O contato direto com os mortos (humanos ou animais) trazia contaminação e exigia a lavagem do corpo e roupas (Números 19:11 19, 22  e Levíticos 11:24-28, 40). O contato com objetos que haviam entrado em contato direto com os mortos (como roupas, espadas, vasos e sepulturas) também resultava em “contaminação” e exigia limpeza ou destruição.

Além disso, quando alguém morria numa tenda, todos os que entravam na tenda e tudo o que estava na tenda (incluindo todos os “vasos abertos”) eram declarados impuros (Levíticos 11  e Números 19:14-16).

Até o final do século XIX, era prática comum médicos e estudantes de medicina examinarem seus pacientes vivos imediatamente após a participação em autópsias. [7]

Naturalmente, os patógenos que estavam presentes nos corpos daqueles no necrotério eram espalhados nas enfermarias do hospital. Quando os médicos começaram a praticar procedimentos semelhantes aos encontrados nos primeiros cinco livros da Bíblia, as taxas de mortalidade foram drasticamente reduzidas. [8]

Segurança de alimentos e água potável

Se a carcaça de um animal fosse encontrada na água potável, o uso da água era proibido como “imundo”'. Se, no entanto, a fonte de água tivesse um suprimento contínuo de água fresca, como uma nascente, ela permaneceria “limpa” por causa da tendência de tal água se renovar (Levíticos 11:34-36). Além disso, todo alimento e água dentro de um vaso que entrou em contato com um animal morto ou uma pessoa infectada era declarados impuros (Levíticos 11:34, Levíticos 15:12).

Hoje, sabemos que a falta de atenção a qualquer uma dessas precauções pode resultar na transmissão de microrganismos infecciosos.

Estilos de vida fora da Lei e doenças

Os israelitas eram claramente proibidos de ter quaisquer relações sexuais fora do casamento (Levíticos 18:22 Levítico 20:10-16 e Êxodo 20:14). O plano bíblico de marido e mulher constituindo uma unidade exclusiva de casamento ​​(Gênesis 1:27 Gênesis 2:23-25; Mateus 19:3–6) certamente impediu a disseminação de doenças venéreas.

Por causa do fracasso do homem em atender a essa admoestação, as doenças sexualmente transmissíveis continuam sendo as doenças contagiosas mais importantes do mundo. [9]

Prescrição de Deus

O registro bíblico indica claramente que as doenças são transmissíveis e que a melhor proteção contra elas é impedir sua disseminação. É digno de nota que esses registros antigos não contêm um único equívoco médico! Eu não afirmo que Moisés entendeu a base da medicina moderna, mas que Deus, que inspirou os escritos de Moisés (incluindo o esboço da verdadeira história do mundo dada em Gênesis), certamente o fez.

Mais importante ainda, a Bíblia lida com a doença mais mortal que já infestou a humanidade - o pecado (Gênesis 2:17; Romanos 6:23). Como todo bom médico, Deus também oferece a receita para essa doença assassina: um relacionamento pessoal de salvação, por meio da fé, com Seu Filho, o Senhor Jesus Cristo (João 3:16).

“Mas Ele foi ferido pelas nossas transgressões; Ele foi ferido por nossas iniquidades; o castigo de nossa paz estava sobre Ele; e pelas suas pisaduras, nós mesmos fomos curados… Contudo, aprouve ao SENHOR… apresentar a sua alma como oferta pela culpa” (Isaías 53:5 10a).

Referências

  1. Close, W.T., Ebola: A Documentary Novel of its First Explosion, Ballantine Books, New York, p. 181, 1995.
  2. O surto de Ebola de 1976 em Yambuku, no Zaire, matou mais de 400 dos 550 infectados. Em 1979, 22 pessoas morreram durante um surto semelhante no vizinho Sudão. O surto de maio de 1995 em Kikwit, no Zaire, matou 58 dos 76 infectados.
  3. Esta é uma das razões pelas quais há 3.000 surtos de doenças todos os anos nos Estados Unidos.
  4. Burton, G.R., Microbiology for the Health Sciences, J.B. Lippincott, Philadelphia, p. 7, 1983.
  5. Lamont, A., Louis Pasteur—outstanding scientist and opponent of evolution, Creation 14(1):16–19, 1991.
  6. O Staphylococcus aureus é responsável por infecções hospitalares com risco de vida em feridas cirúrgicas.
  7. Nenhum progresso construtivo na medicina foi possível até que a antiga doutrina Wise, A., Modern medicine, it’s not so modern, Creation 17(1):46–49, 1994.
  8. O médico judeu Ignaz Semmelweiss insistiu em que os médicos desinfectassem suas mãos depois de manusear cadáveres e sofreu intensa perseguição por sua posição.
  9. Por exemplo, os Centros de Controle de Doenças estimam que existem 42 milhões de pessoas no mundo atualmente infectadas com o HIV, o vírus que causa a AIDS, cdc.gov, acessado em 2003.

Traduzido a partir de The first book of public hygiene <https://creation.com/the-first-book-of-public-hygiene>.

Artigos Relacionados

A Bíblia Incentiva o Estupro? A Bíblia Incentiva o Estupro?
Uma ideia predominante nos círculos céticos é que o Deus do Antigo Testamento é cruel e tolera práticas que são imorais. Cada exemplo que os cé...
Joias e adornos: o que a Bíblia diz sobre seu uso? Joias e adornos: o que a Bíblia diz sobre seu uso?
Algumas denominações religiosas proíbem seus membros de utilizarem adornos como brincos, colares ou pulseiras. Acreditam que os princípios de mod...
“Pilares da Terra” – A Bíblia ensina uma Cosmologia mitológica? “Pilares da Terra” – A Bíblia ensina uma Cosmologia mitológica?
Os céticos/deístas/ateístas muitas vezes levantam a questão da Terra sendo colocada sobre pilares em 1 Samuel 2:8, como supostamente provando que...
Uma Bíblia Feminista e um Deus que não é Pai Uma Bíblia Feminista e um Deus que não é Pai
Algo comumente alegado pelo movimento feminista é o papel historicamente opressor da fé cristã sobre as mulheres. Regina Schwartz, em seu livro ‘...

Graça Maior - David Wise, traduzido por Fabricio Luís Lovato, . Disponível em: https://gracamaior.com.br/estudos/diversos/1321-biblia-o-mais-antigo-livro-de-medicina-preventiva.html. Acesso em 27 Junho 2019.
Envie suas perguntas