Um livro de um pastor contando a visita de seu filho ao céu subiu ao topo da lista de best-sellers e se tornou um grande filme. Cristãos foram rápidos em espalhar a palavra, mas essas visitas poderiam ser reais?

Nos últimos anos, os livreiros cristãos inundaram o mundo evangélico com testemunhos de pessoas que dizem que visitaram o céu em experiências de quase-morte. Suas histórias são cheias de detalhes específicos sobre como é o céu, quem está lá e o que está acontecendo no reino celestial. Mas quando comparamos suas afirmações com as Escrituras, fica claro que elas são meras criações da imaginação humana, não visões verdadeiras do céu, como é descrito na Palavra de Deus.

O mais conhecido de todos estes relatos, O Céu é de Verdade [1], foi um grande filme, lançado em abril de 2014. É a história de Colton Burpo, cujos pais acreditam que ele visitou o céu quando ele tinha apenas quatro anos durante a cirurgia depois de uma apendicite que quase tirou sua vida. As descrições de Colton do céu são cheias de características fantasiosas e detalhes peculiares que trazem todos os sinais da imaginação vívida de uma criança. Não há nada transcendente ou mesmo particularmente esclarecedor sobre o céu de Colton. É completamente desprovido da glória de tirar o fôlego que aparece em toda descrição bíblica do reino celestial.

Histórias como as de Colton são tão perigosas quanto sedutoras. Os leitores não apenas obtêm uma imagem distorcida e não-bíblica do céu; eles também absorvem uma espiritualidade superficial, supersticiosa e subjetiva. Estudar relatos místicos de supostas jornadas para a vida após a morte não produz nada além de confusão, contradição, falsa esperança, má doutrina e uma série de males semelhantes.

Vivemos em uma cultura narcisista, e isso se mostra nesses relatos de pessoas que afirmam ter estado no céu. Eles soam como se elas tivessem visto o paraíso em um espelho, mantendo-se em primeiro plano. Dizem relativamente pouco sobre Deus ou Sua glória. Mas a glória de Deus é o que a Bíblia diz que preenche, ilumina e define o céu. Em vez disso, os autores dessas histórias parecem obcecados com detalhes sobre como se sentiam bem - quão pacíficos, quão felizes, quão confortados eles estavam; como eles receberam privilégios e elogios; quão divertida e esclarecedora foi a sua experiência; e quantas coisas eles acham que agora entendem perfeitamente, que nunca poderiam ser extraídas somente das Escrituras. Em resumo, eles glorificam a si mesmos enquanto mal percebem a glória de Deus. Eles destacam tudo, menos o que é verdadeiramente importante sobre o céu.

É bem verdade que o céu é um lugar de perfeita felicidade - desprovido de toda tristeza e pecado, cheio de exultação e prazer - um lugar onde graça e paz reinam totalmente incontestadas. O céu é onde todo verdadeiro tesouro e toda recompensa eterna são depositados para os redimidos. Qualquer um cujo destino é o céu certamente experimentará mais alegria e honra do que a mente caída é capaz de compreender - infinitamente mais do que qualquer criatura caída merece. Mas se você realmente viu o céu e viveu para contar sobre isso, essas coisas não são o que capturariam seu coração e sua imaginação.

Você ficaria preocupado com a majestade e a graça de Aquele cuja glória preenche o lugar.

Infelizmente, os leitores sem discernimento são abundantes e levam a sério esses relatos pós-modernos do céu. Os números de vendas estratosféricos e influência de longo alcance desses livros devem ser uma questão de séria preocupação para quem realmente ama a Palavra de Deus.

A Bíblia e as experiências de quase-morte

Simplesmente não há razão para acreditar em alguém que afirma ter ido para o céu e retornado. João 3:13 diz: “Ninguém subiu ao céu senão aquele que desceu do céu, o Filho do homem.” E João 1:18 diz: “ Ninguém jamais viu a Deus.”

Quatro autores bíblicos tiveram visões do céu - não experiências de quase-morte. Isaías e Ezequiel (profetas do Velho Testamento) e Paulo e João (apóstolos do Novo Testamento) tiveram tais visões. Duas outras figuras bíblicas - Micaías e Estêvão - tiveram vislumbres do céu, mas o que viram é meramente mencionado, não descrito (2 Crônicas 18:18; Atos dos Apóstolos 7:55).

Somente três desses homens escreveram mais tarde sobre o que viram - e os detalhes que deram foram relativamente escassos (Isaías 6:1–4; Ezequiel 1:10; Apocalipse 4–6). Todos eles se concentraram adequadamente na glória de Deus. Eles também mencionaram seu próprio medo e vergonha na presença de tal glória. Eles não tinham nada a dizer sobre as características mundanas que são tão proeminentes nos contos modernos sobre o céu (coisas como piqueniques, jogos, atrações juvenis, rostos familiares, conversas estranhas e assim por diante). Paulo não deu uma descrição real do céu, mas simplesmente disse que o que ele não poderia descrever. Em resumo, as descrições bíblicas do céu dificilmente poderiam ser mais diferentes das histórias fantasiosas de hoje sobre o céu.

Lázaro, de Betânia, adoeceu e morreu, e seu corpo ficou decadente em um túmulo por quatro dias, até que Jesus o ressuscitou (João 11:17). Um capítulo inteiro no Evangelho de João é dedicado à história de como Jesus o trouxe de volta dos mortos. Mas não há uma sugestão ou um sussurro em qualquer lugar nas Escrituras sobre o que aconteceu com a alma de Lázaro naquele intervalo de quatro dias. A mesma coisa é verdade para todas as pessoas nas Escrituras que foram trazidas de volta dos mortos, começando com o filho da viúva que Elias criou em 1 Reis 17:17–24 e culminando com Êutico, que foi curado por Paulo em Atos dos Apóstolos 20:9–12. Nenhuma pessoa da Bíblia deu qualquer relato registrado de sua experiência pós-morte no reino das almas que partiram.

Cruzando as Fronteiras

Muito do interesse presente no céu, anjos e vida após a morte advém da curiosidade carnal. Não é uma tendência que os cristãos bíblicos devem encorajar ou celebrar. Qualquer busca que diminua a confiança das pessoas na Bíblia está repleta de graves perigos espirituais - especialmente se for algo que leve almas ingênuas à superstição, ao gnosticismo, ao ocultismo, às filosofias da Nova Era ou a qualquer tipo de confusão espiritual. Essas são inegavelmente as estradas mais percorridas por pessoas que alimentam um desejo mórbido por informações detalhadas sobre a vida após a morte, devorando histórias de pessoas que afirmam ter ido para o reino dos mortos e retornado.

A Escritura nunca satisfaz esse desejo. Na época do Antigo Testamento, toda tentativa de se comunicar com os mortos era considerada um pecado equivalente ao sacrifício de bebês a falsos deuses (Deuteronômio 18:10-12). As Escrituras Hebraicas dizem relativamente pouco sobre a disposição das almas após a morte, e o povo de Deus era estritamente proibido de inquirir mais por conta própria. A necromancia era uma característica importante da religião egípcia. Também dominava toda religião conhecida entre os cananeus. Mas, sob a lei de Moisés, era um pecado punível com a morte (Levíticos 20:27).

O Novo Testamento acrescenta muito à nossa compreensão do céu (e do inferno), mas ainda não temos permissão para acrescentar nossas próprias idéias subjetivas e conclusões baseadas na experiência ao que Deus revelou especificamente através de Sua Palavra inerrante. De fato, somos proibidos em todos os assuntos espirituais de ir além do que está escrito (1 Coríntios 4:6).

Aqueles que exigem saber mais do que as Escrituras nos dizem sobre o céu estão pecando: “As coisas secretas pertencem ao Senhor nosso Deus, mas as reveladas são para nós e para nossos filhos para sempre.” (Deuteronômio 29:29). Os limites de nossa curiosidade são assim estabelecidos pelo limite da revelação bíblica. Nas palavras de Charles Spurgeon,

“Nunca pense que a imaginação pode retratar o céu. Quando ele é mais sublime, quando é mais livre do pó da terra, quando é levado pelo maior conhecimento, e mantido firme pela mais extrema cautela, a imaginação não pode imaginar o céu. ‘Não entrou no coração do homem aquilo que Deus preparou para os que o amam.’ A imaginação é boa, mas não nos representa o céu. Seu paraíso imaginário você vai descobrir ser um erro; embora você possa ter empilhado belos castelos, você os encontrará no ar, e eles desaparecerão como nuvens finas antes do vendaval. Pois a imaginação não pode fazer um paraíso. ‘O olho não viu, nem ouviu o ouvido, nem entrou no coração do homem’ conceber aquilo.” [2]

O que Deus revelou nas Escrituras é o único lugar legítimo para obter uma compreensão clara do reino celestial. A Palavra escrita de Deus nos dá, de fato, uma imagem notavelmente completa e clara do céu e do reino espiritual. Mas a Bíblia ainda deixa muitas perguntas sem resposta.

Precisamos aceitar os limites que o próprio Deus colocou sobre o que Ele revelou. É pura tolice especular onde a Escritura é silenciosa. É pecaminosamente errado tentar investigar mistérios espirituais usando meios ocultos. E é seriamente perigoso ouvir alguém que afirme saber mais sobre Deus, céu, anjos ou vida após a morte do que o próprio Deus revelou a nós nas Escrituras.

As glórias do céu

No entanto, é correto e benéfico para os cristãos fixar seus corações no céu. As Escrituras nos ordenam a cultivar essa perspectiva: “Se então você foi ressuscitado com Cristo, busque aquelas coisas que estão acima, onde Cristo está sentado à direita de Deus. Concentre-se nas coisas acima, não nas coisas da terra.”(Colossenses 3:1–2). “Enquanto não olhamos para as coisas que são vistas, mas para as coisas que não são vistas. Porque as coisas que são vistas são temporárias, mas as que não são vistas são eternas”(2 Coríntios 4:18). “Porque a nossa cidadania está no céu, de onde também aguardamos ansiosamente o Salvador, o Senhor Jesus Cristo.” (Filipenses 3:20).

Tal perspectiva é a própria essência da fé verdadeira, de acordo com Hebreus 11 Aqueles com fé bíblica autêntica reconhecem que são estranhos e peregrinos nesta terra (v. 13). Eles estão buscando uma pátria celestial (v. 14). Eles “desejam um país melhor, isto é, celestial. Portanto, Deus não se envergonha de ser chamado seu Deus, porque Ele preparou uma cidade para eles.” (v. 16). A “cidade” a que o verso se refere é a Jerusalém celeste, um lugar inimaginável - a própria capital do céu. Será a eterna morada dos redimidos. Não é de admirar que os cristãos estejam intrigados com o assunto.

Mas não importa o quanto eles possam ficar obcecados com o que é o céu, as pessoas que enchem suas cabeças com muitas ideias fantásticas ou ilusórias das experiências de quase- morte de outras pessoas não têm realmente se concentrado nas coisas acima. Se a verdade bíblica inerrante que Deus nos deu é o único conhecimento confiável sobre o céu ao qual temos acesso (e é), então é isso que deve prender nossos corações e mentes, não os sonhos e especulações das mentes humanas.

Referências

[1] Heaven Is for Real: A Little Boy’s Astounding Story of His Trip to Heaven and Back (Nashville: Nelson, 2010).

[2] Charles H. Spurgeon, The New Park Street Pulpit, 6 vols. (London: Passmore & Alabaster, 1856), 2:18.


John MacArthur é pastor da Grace Community Church em Sun Valley, Califórnia e presidente do The Master’s College and Seminary. O Dr. MacArthur também é autor de mais de cem livros, cobrindo uma grande extensão de tópicos cristãos. Ele também é ouvido em todo o mundo em seu programa de rádio Grace to You.


Traduzido por Fabricio Luís Lovato a partir de Are Visits to Heaven for Real? <https://answersingenesis.org/reviews/books/are-visits-to-heaven-for-real>.

Artigos Relacionados

O Juízo Investigativo de 1844 É uma Doutrina Bíblica? O Juízo Investigativo de 1844 É uma Doutrina Bíblica?
Nota: LeRoy Froom, um líder adventista, escreveu que se a Igreja Adventista não tivesse a mensagem do Juízo Investigativo, “ninguém teria lugar...
Deuteronômio 5:12-15 ensina que o Sábado era apenas para Israel? Deuteronômio 5:12-15 ensina que o Sábado era apenas para Israel?
Guarda o dia de sábado, para o santificar, como te ordenou o SENHOR teu Deus. Seis dias trabalharás, e farás todo o teu trabalho. Mas o sétimo...
Os Cristãos Podem Praticar Ioga? Os Cristãos Podem Praticar Ioga?
Muitos acreditam que o Ioga trata-se apenas de uma série de exercícios físicos, de postura e/ou respiratórios, a fim de se alcançar um estado de...
Os Judeus do Tempo de Jesus Acreditavam em Reencarnação?
Existem alegações de que o historiador judeu Flávio Josefo (37-100 d.C.) disse que seu povo acreditava na reencarnação. Isso não é verdade...

Graça Maior - Dr. John MacArthur, traduzido por Fabricio Luís Lovato, . Disponível em: https://gracamaior.com.br/estudos/vida-crista/1309-experiencias-de-quase-morte-as-visitas-ao-ceu-sao-reais.html. Acesso em 20 Junho 2019.
Envie suas perguntas