Como membro da Igreja Batista do Sétimo Dia eu gosto de dar a meus irmãos e irmãs cristãos respostas para perguntas comuns sobre minha igreja, o sábado sagrado e minha fé.

1. O que é a Igreja Batista do Sétimo Dia?

Apesar de não ser a maior, nem a mais conhecida Igreja que observa o sétimo dia, a Igreja Batista do Sétimo Dia é a mais antiga. A Igreja Batista do Sétimo Dia tem acima de 300 anos de história na América do Norte e mais do que este tempo na Inglaterra.

Enquanto observadores do sábado sagrado, os Batistas do Sétimo dia são primeiramente e acima de tudo uma igreja cristã com crenças e práticas muito similares dos outros crentes batistas.

2. Por que os Batistas do Sétimo Dia observam o Sábado Sagrado?

Os Batistas do Sétimo Dia observam o Sábado Sagrado pela convicção de que os dez mandamentos permanecem como ordens morais válidas para nós hoje. O quarto mandamento, o único que nos diz para nos lembrarmos, diz:

Lembra-te do dia de sábado, para o santificar.
Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra.
Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o forasteiro das tuas portas para dentro;
porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou: por isso o Senhor abençoou o dia de sábado, e o santificou.
(Êxodo 20:8-11, Deuteronômio 5:12-15)

Os Batistas do Sétimo Dia crêem que o Sábado Sagrado é um tempo sagrado, instituído na criação e afirmado ao longo da Bíblia. Porque desejamos seguir a ordens de Deus, o exemplo de Cristo e a vontade de Deus, nós observamos o Sábado Sagrado, como um tempo de descanso, adoração e celebração.

3. Os dez mandamentos não são só para os judeus?

O Sábado sagrado foi ordenado por Deus na criação da Terra (Gênesis 2:3) e dado para Adão e Eva, não Moisés, portanto milênios antes dos judeus. Mais adiante Cristo afirma todos Dez Mandamentos mencionados. Realmente ele diz em Mateus 5:17-20 que, "Não penseis que vim revogar a lei ou os profetas: não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: Até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da lei, até que tudo se cumpra. Aquele, pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus. Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus."

4. Mas não é o quarto mandamento, o único mandamento não repetido no Novo Testamento?

Enquanto está correto, que não há nenhum registro bíblico de Cristo, especificamente, afirmando o quarto mandamento, com certeza absoluta pode-se dizer que ele viveu todos os dez mandamentos. Só dois hábitos ou costumes do Senhor Jesus são registrados nas escrituras. Um deles era ensinar as pessoas(Marcos 10:1) e o outro era observar o Sábado Sagrado (Lucas 4:16).

Embora Jesus constantemente era desafiado no assunto do Sábado sagrado, Ele nunca disse,ou até mesmo implícito, que o Sábado sagrado, ou quaisquer dos Dez Mandamentos são ou seriam abolidos. Cristo declarou claramente em Mateus 5:18 que, " Até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da lei, até que tudo se cumpra". Cristo, o nosso exemplo, guardou todos os dez mandamentos toda a sua vida.

Além de tudo, temos que insistir que a Bíblia é a Palavra de Deus de Gênesis até Apocalipse. Só porque algo não é declarado no Novo Testamento não significa que não é a palavra completamente inspirada de Deus. Quando Paulo escreveu em 2 Tim 3:16 " que Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça," ele estava se referindo ao Velho Testamento. O Novo Testamento ainda não estava completo.

5. Não disse Jesus ser correto quebrar o Sábado Sagrado?

Alguns cristãos reivindicam, que em Mateus 12:1-13, e seu correspondente em Lucas 13:10-17, Cristo está dizendo poder ignorar o Sábado sagrado. Vamos ver o que em Mateus 12 diz:

  1. Por aquele tempo, em dia de sábado, passou Jesus pelas searas. Ora, estando os seus discípulos com fome entraram a colher espigas e a comer.
  2. Os fariseus, porém, vendo isso, disseram-lhe: Eis que os teus discípulos fazem o que não é lícito fazer em dia de sábado.
  3. Mas Jesus lhes disse: Não lestes o que fez Davi quando ele e seus companheiros tiveram fome?
  4. Como entrou na casa de Deus, e comeram os pães da proposição, os quais não lhe era lícito comer, nem a ele nem aos que com ele estavam, mas exclusivamente aos sacerdotes?
  5. Ou não lestes na lei que, aos sábados, os sacerdotes no templo violam o sábado e ficam sem culpa? Pois eu vos digo:
  6. Aqui está quem é maior que o templo.
  7. Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não holocaustos, não teríeis condenado a inocentes.
  8. Porque o Filho do Homem é Senhor do sábado.
  9. Tendo Jesus partido dali, entrou na sinagoga deles.
  10. Achava-se ali um homem que tinha uma das mãos ressequida; e eles então, com intuito de acusá-lo, perguntaram a Jesus: É lícito curar no sábado?
  11. Ao que lhes respondeu: Qual dentre vós será o homem que, tendo uma ovelha, e, num sábado esta cair numa cova, não fará todo o esforço, tirando-a dali?
  12. Ora, quanto mais vale um homem que uma ovelha? Logo, é lícito fazer bem, aos sábados.
  13. Então disse ao homem: Estende a tua mão. Estendeu-a, e ela ficou sã como a outra.

Os Fariseus que olhavam Jesus, procurando uma chance para o desacreditar, disseram que o ato de escolher grão era colheita, e, então, trabalho. Mas Cristo respondeu que se você tem fome no Sábado sagrado é certo comer a comida que está disponível, e recorda aos Fariseus, do rei Davi, quando ele come o pão reservado para os sacerdotes. (1 Samuel 21:1-6) Cristo mostra que também é correto fazer o trabalho de Deus no Sábado Sagrado, como os sacerdotes fizeram. Se os sacerdotes estavam inocentes quando eles trabalharam no Sábado sagrado, podem aqueles que trabalham para o Filho de Deus serem culpados? (Números 28:9-10). Finalmente, Cristo nos pergunta se nós ajudaríamos um animal em sofrimento no Sábado sagrado. Se nós ajudamos o animal, como pode ser errado ajudar outra pessoa no Sábado sagrado? É errado fazer bem no Sábado sagrado? Claro que não! Cristo nos mostra nestes versículos o exagero do legalismo em voga naquela época acerca do quarto mandamento e mostra aos seus seguidores, como devem observar o Seu sábado.

6. Se Ele não disse que era certo quebrar o Sábado Sagrado, por que Ele mudou o dia para o domingo?

Em todo o Novo Testamento, Jesus Cristo nunca mencionou o domingo ou o primeiro dia, como era chamado naquele tempo.

De fato há só oito referências para o primeiro dia da semana no Novo Testamento.(Mateus 28:1 Marcos 16:2 9, Lucas 24:1 João 20:1-19, Atos dos Apóstolos 20:7 e 1 Coríntios 16:2) Os primeiros seis se referem ao mesmo primeiro dia da semana,que houve a descoberta da tumba vazia e nada mais, e não hà próva Bíblica de que Jesus tenha ressuscitado no primeiro dia da semana. Enquanto isto era, e é, o maior evento de todos os tempos o fato permanece, que Deus abençoou o Sábado sagrado e nos ordenou que nos lembrássemos disto para mantê-lo santo. Se Cristo tivesse desejado que nós transferíssemos a santidade do Sábado sagrado para domingo ele teria dito assim. Mas ele não fez. Cristo, nosso exemplo, observou o Sábado sagrado toda sua vida.

7. Mas depois da morte de Cristo os apóstolos não se reuniram no domingo?

Se Cristo não mudou o Sábado sagrado para Domingo que autoridade teriam os Apóstolos para mudar?
Mas o fato é que eles não mudaram. No dia da ressurreição, conforme João 20:19 os discípulos estavam juntos, com medo das turbas de judeus, não para adoração. E não para comemorar a ressurreição por que segundo a Bíblia Jesus ressuscitou no final do dia de Sábado Mateus 28:1-6.

8. Paulo mudou o sábado sagrado para domingo?

Novamente, se Cristo não mudou o Sábado sagrado para domingo. Que autoridade teria Paulo para mudar? Mas ele não o fez. Ao longo do livro de Atos lemos de Paulo, Barnabé e outros adorando no Sábado sagrado.(Atos dos Apóstolos 13 16:14, 15, 17:2, 4, 18:4). Paulo seguiu o exemplo de Cristo e ia à sinagoga no sábado sagrado.(Lucas 4:16, Atos dos Apóstolos 17:2) Em Atos dos Apóstolos 17 : 2-5 lemos:

Paulo, segundo o seu costume, foi procurá-los, e por três sábados arrazoou com eles, acerca das Escrituras, expondo e demonstrando ter sido necessário que o Cristo padecesse e ressurgisse dentre os mortos; e que este é o Cristo, Jesus, que eu vos anuncio.

Alguns deles foram persuadidos e unidos a Paulo e Silas, bem como numerosa multidão de gregos piedosos e muitas distintas mulheres. Os judeus, porém, movidos de inveja, trazendo consigo alguns homens maus dentre a malandragem, ajuntando a turba, alvoroçaram a cidade e, assaltando a casa de Jasom, procuravam trazê-los para o meio do povo.

Nós vemos nestes e em outros versos que Paulo teve um ministério poderoso para Deus assistindo na sinagoga e em nenhuma outra parte está escrito que ele tenha dito que não continuassem assistindo na sinagoga.

9. Mas em Atos dos Apóstolos 20 diz que Paulo pregou no domingo. Isto não prova que a igreja primitiva guardava o domingo?

Paulo certamente pregou no primeiro dia da semana, no segundo e no terceiro e a cada outro dia.
Que só prova a devoção e a fé de Paulo, o que, não está em questão. Na referência em Atos lemos:

No primeiro dia da semana, estando nós reunidos com o fim de partir o pão, Paulo que devia seguir de viagem no dia imediato, exortava-os e prolongou o discurso até à meia-noite.

O que está registrado nestes versos é uma reunião que começou no sábado à noite e estendeu até meia-noite.
Nós sabemos isto porque os judeus começam seus dias ao pôr-do-sol. As primeiras doze horas de um dia são à noite e as próximas doze horas à luz do dia. Isto é por que em Gênesis lemos, " E a noite e a manhã foram o primeiro dia ", e assim por diante. Pôr-do-sol no sábado é, para os judeus, o começo de domingo. Enquanto a reunião referida em Atos dos Apóstolos 20:7 é certamente um ajuntamento cristão e isto parece certo porque Paulo planejava partir no próximo dia, no domingo.

A referência ao partir do pão, pode se referir à Ceia do Senhor, uma comida, ou à Ceia do Senhor como parte de uma comida.
(Veja Atos dos Apóstolos 2:46).Todas estas formas permanecem hoje nos ajuntamentos cristãos em qualquer dia da semana. Este texto não insinua nada de que os cristãos deveriam abandonar o sábado sagrado.

10. Você está dizendo que a Igreja Primitiva não se reunia no domingo?

Não. Eles celebravam reuniões todos os dias da semana. Observe uma moderna igreja observadora do domingo, eles têm homens orando em reuniões na segunda feira, mulheres reunindo na terça feira, ensaio do coro na quarta feira, estudo bíblico na quinta feira e encontro da mocidade na sexta feira, mas domingo eles têm seu dia especial de adoração. A Igreja Primitiva não tinha todos estes programas, mas se encontravam para comer, cantar e pregar, como vimos a momentos (Atos dos Apóstolos 2:42-47) e mantiveram o sábado sagrado como dia especial de adoração.

11. Se Cristo ou os Apóstolos não trocaram o sábado sagrado para o domingo, quem o fez?

No ano 66 o último Procurador romano na Judéia roubou vastas quantidades de prata do Templo em Jerusalém. Os judeus de Jerusalém se revoltaram e destruíram a guarnição romana na cidade. O Governador romano da Síria enviou uma grande força para restabelecer a ordem mas estas tropas também foram derrotadas. Estas duas vitórias convenceram as judeus que eles poderiam se livrar da ocupação romana e recuperar sua liberdade. Assim começou a revolta judia de 66-70 D.C, que conduziu a uma das grandes catástrofes da sua história. Roma enviou o General Vespasiano e sua legião para restabelecer a ordem. Vespasiano agiu de uma maneira brutal. Em 68 D.C. ele destruiu a comunidade de Qumran, mas não antes deles esconderem os rolos nas cavernas do mar morto.

Em 70 D.C. o último lugar seguro dos judeus em Jerusalém foi destruído junto com o segundo templo, com exceção do chamado "muro das lamentações"(que é uma das paredes do templo destruído). Em 73 D.C. o último remanescente de judeus livres estavam na fortaleza de Masada. Estes defensores cometeram suicídio em massa, em lugar de se renderem a Roma. Os romanos então impuseram impostos de compensação de guerra para todos os judeus. Ninguém sabe quantos judeus foram estuprados, foram torturados ou foram vendidos em escravidão, mas foi estimado que cerca de um milhão morreram na revolta.

Nesta época os cristãos eram identificados como uma seita do judaísmo. Ninguém nunca saberá como muitos cristãos que viveram na Judéia e Galiléia sofreram e morreram com os judeus.

Os judeus de Judéia foram mortos, mas não destruídos.

Em 132 D.C. Barra-Kokhba conduz uma revolta contra os romanos. Novamente os judeus foram encorajados pelas vitórias conseguidas, mas os romanos voltaram-se contra eles em vingança. O General romano Severus e sua legião começaram a sistemática destruição das fortalezas dos judeus e das cidades cercadas. Quando ele acabou 50 por cento da população da Judéia estava morta e dezenas de milhares de homens e mulheres que permaneceram vivos foram vendidos como escravos. Foi proibido aos judeus que se fixassem em Jerusalém e a província foi novamente chamada de Palestina. Era um perigo ser identificado como judeu.

Durante este período o dia predominante de adoração entre os cristãos gradualmente começou a mudar do sábado sagrado para o domingo.
O dia mudou, em parte, em virtude da necessidade por desassociar o movimento Cristão da nação judia rebelde. Domingo, o dia que Cristo ressurgiu,segundo os romanos, já era um dia pagão de adoração. Era uma escolha fácil.

Duzentos anos depois quando o Imperador romano Constantino legalizou a igreja Cristã em 313 D.C. a tradição de adoração do domingo já era bem estabelecida.

12. Mas em Efésios 2:15 Paulo diz que Cristo aboliu a Lei!

Você realmente pensa que Deus aboliu a lei, que diz: "Você não assassinará. Você não cometerá adultério, ou Você não roubará?" Será sempre errado adorar outro Deus, roubar, cometer adultério, ou assassinar, não somente porque estas leis foram repetidas no Novo Testamento!

Lembre-se que Cristo disse em Mateus 5:18: "Porque em verdade vos digo: Até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da lei, até que tudo se cumpra."

Cristo, através de sua vida, morte e ressurreição aboliu "a lei dos mandamentos, na forma de ordenanças" mencionado em Efésios 2:15.
Estas são as Leis de Moisés. Estas leis cerimoniais e rituais mantiveram Israel como uma nação separada e sinalizadora ou indicadora da vinda de Cristo. Estas ordenanças, como as concernentes a sacrifícios, rituais de limpeza, festas, foram cumpridas totalmente em Cristo e não têm mais propósito.

Os dez mandamentos não são sinalizadores ou indicadores da vinda de Cristo e ainda têm o propósito, hoje, de mostrar o que é o pecado. Os dez mandamentos só serão cumpridos completamente na segunda vinda de Cristo.

13. Sendo assim, você acredita que nós temos que obedecer todas as Leis de Moisés?

Não. A Bíblia faz uma distinção clara entre os dez mandamentos e as Leis de Moisés. O mero fato que Deus os fixou aparte do resto da lei deveria nos mostrar que eles são leis especiais. Realmente Deus não confiou os Dez Mandamentos a um mero ser humano para escrevê-los, mas desceu do céu e falou diretamente para todo o povo Hebreu e então escreveu-os e os deu a Moisés.(Deuteronômio 5:22-27), e isto não é como Hollywood (o cinema) que retratou os eventos, mas isto é como a Bíblia os registra. Até mesmo hoje quem registra algo em pedra, figurativamente, ou em realidade, é um sinal de permanência.

Quando veio o resto da lei, a Lei de Moisés, Deus passou-a para um único homem, Moisés, e o permitiu registrá-la em rolos.
Os pedaços de pedra que contêm os Dez Mandamentos foram colocados dentro da arca da aliança mas o resto da lei, o que nós chamamos a Lei de Moisés, eram mantidos fora da arca.

Estas duas ações, Deus dando os Dez Mandamentos e depois a lei mosaica, registrando os Dez Mandamentos em pedra e a lei mosaica em rolos, colocando os Dez Mandamentos na arca da aliança e a lei mosaica fora da arca, foram feitas para fazer clara distinção entre as duas. Os dez mandamentos são a lei moral eterna de Deus. As leis mosáicas são aplicações dos Dez Mandamentos, contendo instruções de calendário, festas, governo civil, cerimoniais de purificação e moralidade. A lei mosáica é que foi totalmente cumprida por Cristo na cruz.

No Novo Testamento, Cristo continuou mostrando a distinção entre os Dez Mandamentos e a Lei de Moisés quando no Sermão da Montanha afirma cada mandamento mencionado. No verso 21, Cristo afirma e amplia o mandamento sobre assassinato. No verso 27 Ele afirma e amplia o mandamento sobre adultério. Mas quando é sobre a lei de Moisés, com relação ao olho por olho (Levíticos 24:20), Cristo, em Mateus 5:38 colocou-o à parte, mandando virar a outra face. Em 5:43 Cristo mostra a lei de Moisés para amar o seu próximo e odiar seu inimigo (Deuteronômio 23:3-6) e modifica para amar seus inimigos.

14.Então você faz distinção entre lei moral e lei cerimonial?

Há só uma distinção, a que Deus fez na Bíblia, entre os Dez Mandamentos e a Lei Mosáica.

15. Cristo não nos redimiu da lei e de sua maldição?

Vamos ver o que Gálatas 3:13-14 na verdade dizem:

Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar, porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro; para que a benção de Abraão chegasse aos gentios, em Jesus Cristo, a fim de que recebêssemos pela fé o Espírito prometido.


Cristo nos redimiu da maldição da lei, a Lei de Moisés que se nós não obedecêssemos estaríamos sujeitos à maldição da morte. Você pensa realmente, que se você assassinar, cometer adultério, roubar ou adorar outro Deus, que você não sofrerá as conseqüências de seus pecados? Lembre-se:

Filhinhos, não vos deixei enganar por ninguém; aquele que pratica a justiça é justo, assim, como ele é justo.
Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Pra isto se manifestou o Filho de Deus, para destruir as obras do diabo.
  (1 João 3:7-8)

Pecado é definido na Bíblia como a quebra da lei ou transgressão da lei. (1 João 3:4). Eu lhe pergunto como pode haver transgressão da lei, sem uma lei? Que lei permanece para que possa ser transgredida? A resposta é: são os Dez Mandamentos que permanecem como a lei moral de Deus!

16. Mas Paulo diz que a lei nos serviu de aio para nos conduzir a Cristo.

A Bíblia em Gálatas 3:19-26 diz:

19 Qual, pois, a razão de ser da lei? Foi adicionada por causa das transgressões, até que viesse o descendente a quem se fez a promessa, e foi promulgada por meio de anjos, pela mão de um mediador.
20 Ora, o mediador não é de um, mas Deus é um.
21 É, porventura, a lei contrária às promessas de Deus? De modo nenhum. Porque se fosse promulgada uma lei que pudesse dar vida, a justiça, na verdade seria procedente da lei.
22 Mas a Escritura encerrou tudo sob o pecado, para que mediante a fé, em Jesus Cristo fosse a promessa concedida aos que crêem.
23 Mas, antes que viesse a fé, estávamos sob a tutela da lei, e nela encerrados, para essa fé que de futuro haveria de revelar-se.
24 De maneira que a lei nos serviu de aio para nos conduzir a Cristo, a fim de que fôssemos justificados por fé.
25 Mas, tendo vindo a fé, já não permanecemos subordinados ao aio.
26 Pois todos vós sois filhos de Deus mediante a fé em Cristo Jesus;

No verso dezenove Paulo está se referindo é que foi adicionada através de um mediador. Os Dez Mandamentos foram dados para o ser humano diretamente de Deus. Então a lei a que Paulo estava se referindo aqui só pode ser a lei de Moisés.
Estas leis foram adicionadas, como mencionado no verso dezenove, aos Dez Mandamentos, como ampliação e aplicações e serviram como um guia que nos leva a Cristo.

17. Mas os cristãos são justificados pela fé e não pela lei.

Certo, mas isto não significa que estamos livres para pecar, transgredindo a lei de Deus. Como Paulo disse em Romanos 6:23 "o salário do pecado é a morte". Como fazer para saber o que é pecado, para evitá-lo? Leia Romanos 7:7-13:

7 Que diremos pois? É a lei pecado? De modo nenhum. Mas eu não teria conhecido o pecado, senão por intermédio da lei; pois não teria eu conhecido a cobiça, se a lei não dissera: Não cobiçarás.
8 Mas o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, despertou em mim toda sorte de concupiscência; porque sem lei está morto o pecado.
9 Outrora, sem a lei, eu vivia; mas, sobrevindo o preceito, reviveu o pecado, e eu morri.
10 E o mandamento que me fora para a vida, verifiquei que este mesmo se me tornou para a morte.
11 Porque, o pecado, prevalecendo-se do mandamento, pelo mesmo mandamento me enganou e me matou.
12 Por conseguinte, a lei é santa; e o mandamento, santo, justo e bom.
13 Acaso o bom se me tornou em morte? De modo nenhum; pelo contrário, o pecado, para revelar-se como pecado, por meio de uma cousa boa causou-me a morte; a fim de que pelo mandamento se mostrasse sobremaneira maligno.

Paulo está dizendo aqui tão claramente que qualquer um pode notar que a lei permanece efetiva, santa, íntegra e boa, para nos mostrar o pecado em nossas vidas. Paulo, um estudante da Torah, um homem que conhece a Cristo cara a cara, e que se tornou um apóstolo de Deus disse, " eu não teria conhecido o pecado se não fosse a lei ". Mas ainda muitos hoje dizem que os Dez Mandamentos são nulos e que eles não servem de nenhum propósito para os cristãos. Em Tito 2:11-14 lemos:

11 Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora, a todos os homens,
12 educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos no presente século, sensata, justa e piedosamente,
13 aguardando a bendita esperança e a manifestação da gloria do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus,
14 o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniqüidade, e purificar para si mesmo um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras.

Cristo nos redimiu de nossos pecados, mas nós ainda somos humanos e nós ainda pecamos. Então como Cristãos nos é ensinado que reneguemos as paixões mundanas e vivamos sensatas, justa e piedosamente. A diferença entre o nosso modesto esforço para seguir a Cristo e a vida de perfeição que Deus nos exige é coberta pelo sangue de Cristo.

18. Colossenses 2:16-17 diz que não devemos julgar ninguém com respeito ao sábado sagrado. Por que o faz"?

Primeiro, quando é que o tenho julgado? Eu simplesmente estou declarando minhas razões por observar os Dez Mandamentos e o Sábado Sagrado. Só Deus é o juiz. Mas vejamos os versos em questão.

"Ninguém, pois, vos julgue por causa da comida e bebida, ou dia de festa, ou lua nova, ou sábados, porque tudo isso tem sido sombra das cousas que haviam de vir; porém o corpo é de Cristo."

Se você tem prestado atenção nas perguntas anteriores e nas respostas, fica claro que Paulo está se referindo às leis mosáicas. Estas leis incluem muitos regulamentos com relação a carnes, bebidas, dias santos, luas novas e sábados. O fato dos Batistas do Sétimo Dia não observarem os regulamentos com relação ao Sábado Sagrado da lei mosáica, de nenhum modo muda a necessidade de se observar o sétimo dia, ou seja, o Sábado Sagrado do quarto mandamento.

Os colossenses convertidos que permaneciam assistindo na sinagoga no sábado sagrado, entenderam isto.
Agora você tem que decidir o que é a vontade de Deus e a separar das tradições dos homens.

________________________

Kyle Pratt é um Ancião da Igreja Batista do Sétimo Dia Vida Abundante em Portsmouth, Virgínia porém, as respostas dadas aqui são dele e necessariamente não representam a visão da denominação.

Traduzido por Augusto José de Sant'ana

Artigos Relacionados

Sábado! Criação de Deus Para o Nosso Benefício Sábado! Criação de Deus Para o Nosso Benefício
Deus criou o sábado não para ele descansar, mas para os homens descansar neste dia. Na criação do sábado podemos perceber o quanto Deus ama os...

Graça Maior - Kyle D. Pratt, . Disponível em: https://gracamaior.com.br/estudos/sabado/202-perguntas-frequentes-sobre-o-sabado-sagrado.html. Acesso em 28 Junho 2017.