Rede na Praia ao pôr do sol

Vimos na lição I, que o sétimo dia é diferente dos outros sábados por efeito de um ato específico de Deus e que nunca se perdeu através dos tempos.

Jesus Cristo teria mudado o dia semanal de repouso e de adoração? Ele tinha o direito de fazer isso, porquanto, não somente declarou ser o "Senhor do sábado" (Marcos 2:28), como também foi efetivamante o seu Criador (João 1:3; Hebreus 1:2).

Sendo ele o fundador do cristianismo, a sua atitude em assuntos de conduta cristã é muito importante. Ele é nossa "sanção final para o sábado", porque os seus ensinamentos, tanto em preceitos quanto em exemplo, são a mais alta autoridade.

A) Observância e interpretação do Sábado por Jesus

  1. Marcos 1:21; 3.1,2; 6.2; Lucas 4:16-31; 13.10; 14.1. Por estas passagens, além de outras, vemos que Jesus tinha o costume de ir à sinagoga aos sábados. Não consta que ele tivesse ido em qualquer outro dia.
  2. Mateus 12:9-13; Lucas 13:10-17; 14.1-5; João 5:1-18; 9.1-16. Estas referências relatam cinco milagres de curas feitos por Jesus no sábado. Jesus considerava os atos de caridade compatíveis com a santidade do sábado. Evidentemente estes atos de caridade não "tua obra" proibida pelos dez mandamentos, nem eram contrários à ordem "para o santificar" do quarto mandamento. (Êxodo 20:8-11). Ele estava usando o seu poder divino para remover as conseqüências do pecado.
  3. Mateus 12:1-8; Marcos 2:23-28; Lucas 6:1-5. Por aqui vemos que é permissível realizar qualquer coisa que seja necessária ao conforto físico, desde que não diminua, mas aumente, o bem-estar espiritual.
  4. Mateus 12:7-12; Marcos 2:27. O sábado não é uma carga para ser carregada, mas um dia de bênção, de elevação espiritual e de boas obras. Compare-se com Isaías 58:13: "se chamares ao sábado deleitoso".
  5. Os ensinos de Jesus visavam libertar o sábado das restrições rabínicas, das "tradições dos homens", dos detalhes sem importância - livrá-lo de todas as implicações cerimoniais e elevá-lo à sua legitima posição, como um dia de felicidade, de alegria e de serviço dedicado à causa de Deus. Disse alguém que Jesus fez pelo sábado o que o capitão faz para o navio, quando chega ao porto com dificuldade para manobrá-lo por causa dos crustáceos que aderiram ao seu casco - ele coloca o navio no estaleiro e raspa o casco, deixando-o limpo e pronto para navegar novamente.
    • Jesus não revogou ou anulou o sábado quando o despojou das cargas insuportáveis com que os cerimonialistas tinham-no acumulado.
    • Isto é paralelo a Mateus 5:21-32, onde Jesus vai além da mera observância formal dos mandamentos e volta à essência dos princípios envolvidos.
  6. Mateus 12:8; Marcos 2:28; Lucas 6:5. Estas passagens mostram a autoridade de Jesus para proceder assim, ele era não somente o Criador do sábado, mas, também, seu Senhor.
  7. Acaso a observância do sábado e o ensino de Jesus quanto ao real significado do sábado não são uma confirmação prática do quarto mandamento?

B) Jesus Aboliu o Sábado?

  1. Mateus 5:17 - "Eu não vim destruir, mas cumprir". "Cumprir" não significa abolir. Veja Mateus 3:15; Gálatas 6:2.
  2. Colossenses 2:13-17. Cristo aboliu a "cédula que era contra nós nas suas ordenanças". Porém, o sábado não era uma "ordenança" e não era contra nós, pois ele foi feito para nós, para o nosso bem-estar (Marcos 2:27). Os "sábados" a que se refere o texto, sendo mencionado com as "luas novas" e outras sombras do cerimonial, necessariamente são dias cerimoniais e rituais, baseados nas fases da lua e não o sábado semanal que é baseado no ciclo semanal. Isto é idêntico à "parede de separação que estava no meio", referida em Efésios 2:13-16.
  3. Mateus 24:20. Evidentemente, ele esperava que os seus seguidores continuassem a observar o sábado no futuro, quer o texto se refira à destruição de Jerusalém ou ao fim dos tempos.

Conclusão do capítulo

Jesus e os seus discípulos observavam o sábado. Ele ensinou como o sábado deve ser guardado, de modo a não ser uma carga, mas, uma bênção.

O verdadeiro "Dia do Senhor" é o dia que ele mesmo declarou ser o Senhor, ou seja, o sábado.

Desde que ele é a nossa "sanção final" e que pelo seu exemplo e nos seus ensinos exaltou o santo dia de Deus, o sábado, não devemos nós, neste particular, "andar como ele andou"? (1 João 2:6)

Artigos Relacionados

Como o sábado se tornou uma doutrina Adventista? Como o sábado se tornou uma doutrina Adventista?
Quem primeiro guardou o Sábado depois da Reforma Protestante?  Adventistas ou Batistas do Sétimo Dia? Muitos ficariam surpresos ao descobrirem que...

Graça Maior - Rev. Lester G. Osborn, . Disponível em: https://gracamaior.com.br/estudos/sabado/138-sabado-santo-dia-de-deus.html. Acesso em 24 Junho 2017.