Na criação, a obra de Deus é selada com as palavras “Ele descansou” (Gênesis 2:3). Esta breve declaração é a chave para a compreensão de um conceito vital que nos une a Ele e à Sua criação. É o conceito do sábado. Deus não descansa da fadiga, mas em contentamento pela realização completada. Seu descanso não é inatividade, porque continua a cuidar do que cria. O Novo Testamento fala desse descanso quando Jesus “assentou-se”  após ter completado sua obra de redenção a fim de proporcionar a outros os benefícios de sua obra (Hebreus 8:1 Hebreus 10:12). Do mesmo modo, o Novo Testamento convida a todos os cristãos a fazerem esse descanso como parte de suas próprias vidas, e entrar nele pela fé em Cristo (Hebreus 4:1). Observar o sábado indica que toda a ordem criada reconheça que veio de Deus e pertence a Deus para sempre, o recipiente de Sua bênção. É por isso que as leis de Deus concernentes ao sábado jamais se confinaram a pessoas, mas incluíram explicitamente os animais e a própria terra. [...]

Hoje em dia, a ideia do sábado se perdeu. Mesmo entre os cristãos, se de alguma forma eles o observam, o sábado é apenas um símbolo de pertencer-se a Deus e uma experiência de recuperação. Podemos compreender melhor o sábado se considerarmos as ideias de David Ehrenfeld, um judeu ortodoxo que, por acaso, é também professor de Ecologia. Ehrenfeld salienta que um judeu atento observa o sábado como algo além do descanso, oração e abstenção do trabalho comum. Três outros aspectos são cuidadosamente seguidos: não criar nada, não destruir nada e apreciar a generosidade da terra. Cuidar para que nada seja criado nos lembra que Deus é o supremo Criador. Cuidar para que nada seja destruído nos lembra que o mundo é criação de Deus, e não é nosso direito arruiná-lo. Apreciar a generosidade da terra nos lembra que Deus, não a invenção humana, é a origem dessa generosidade. Esta é uma tradição muito mais rica e plena do sábado, baseada no testemunho bíblico. Que essas ideias sejam hoje tão estranhas aos cristãos deveria preocupar-nos.

Conforme notamos, a observância do sábado aplica-se ao tratamento da terra, e de nossa relação com o dono e criador dessa terra. “A terra”, diz Deus a Moisés, “guardará um sábado ao Senhor” (Levíticos 25:1). [...]

Somos convocados a guardar o sábado não somente por nós mesmos, mas também pela terra e por seus outros habitantes. Nosso motivo é mostrar amor e obediência a Deus, Criador e dono de tudo, e assim afirmar nossa permanente ligação com Ele e com Sua criação.


Extraído de: Fred Van Dyke, David C. Mahan, Joseph K. Seldon e Raymond H. Brand. “A Criação Redimida: A base bíblica para a mordomia ecológica”. São Paulo: Cultura Cristã, 1999, p. 86-88.

Artigos Relacionados

1 Coríntios 16:2 é um texto-prova para a observância do domingo? 1 Coríntios 16:2 é um texto-prova para a observância do domingo?
Quanto à coleta para os santos, fazei vós também como ordenei às igrejas da Galácia. No primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte...
Evidências da Observância do Sábado no Cristianismo Primitivo Evidências da Observância do Sábado no Cristianismo Primitivo
Tanto o Novo Testamento quanto a literatura cristã primitiva contêm indicações implícitas e explícitas da existência da guarda do Sábado. Uma...
Hebreus 4, o Sábado e o Descanso Eterno Hebreus 4, o Sábado e o Descanso Eterno
Porque em certo lugar disse assim do dia sétimo: E repousou Deus de todas as suas obras no sétimo dia. E outra vez neste lugar: Não entrarão no...
A Lei Foi Cravada na Cruz? A Lei Foi Cravada na Cruz?
Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando...

Envie suas perguntas