Igreja Católica Apostólica Romana

No Compêndio do Vaticano II, lê-se o seguinte: "Não é através da Escritura apenas que a Igreja deriva sua certeza a respeito de tudo que foi revelado. Por isso ambas (Escritura e Tradição) devem ser aceitas e veneradas com igual sentido de piedade e reverência" (p.127). No 3º Catecismo (p. 152 a p. 154), lemos que a "tradição é a palavra de Deus, mas comunicada de viva voz por Jesus Cristo e pelos seus apóstolos e transmitida inalterada de século em século até nós... à tradição deve dar-se o valor que se da à Palavra de Deus revelada, contida nas Sagradas Escrituras". Este ensino anula a suficiência da Bíblia como a Palavra de Deus.

A história mostra que em 1546 a Igreja Católica colocou a tradição eclesiástica em pé de igualdade com as Escrituras. Por diversos fatores, dificultou-se a livre leitura da Bíblia. Muitos ficaram sem conhecer a palavra de Deus por séculos. Deste modo, milhares de pessoas nasceram, viveram e morreram mergulhadas na superstição, sem terem conhecido o plano de salvação. Jesus condenou duramente tal prática (Mateus 15:3 e Marcos 7:3-13).

A história mostra que a Igreja Católica nasceu somente em 325 d.C. com o Concílio de Nilcéia, promovido por Constantino. Ela recebeu este nome somente em 381 com o imperador Teodósio. Conclusão: a Igreja Católica não é mais antiga. A bíblia responde que o início da Igreja Cristã foi trezentos anos antes em Jerusalém, e não em Roma. Leia 1 Coríntios 16 e Atos dos Apóstolos 2:37-47.

O papa Pio XII coroou Maria como a rainha do céu em 1954. Analise com atenção o que Deus disse da devoção à rainha do céu em tempos passados.

Para muitos os irmãos de Jesus eram os filhos de uma tia chamada Maria de Cleofas, (mulher de  Cléopas) irmã de sua mãe (João 19:25 - Bíblia de Jerusalém). A Bíblia responde que Mateus 27:56 e Marcos 15:40 indicam, porém, que a tia de Jesus era Salomé, mulher de Zebedeu. Examine Mateus 4:21; Mateus 10:2Marcos 1:19; Marcos 3:17Marcos 10 35 e Lucas 5:10. Estes textos comprovam que Zebedeu tinha dois filhos, Tiago e João. Constate como a Bíblia difere entre eles e os irmãos de Jesus em Atos dos Apóstolos 1:13-14: diz que Tiago e João foram orar com Pedro, sendo seguidos pelos irmãos de Jesus. Como poderiam ter acompanhado a si mesmos? (Jeremias 23:36-40)

Afirma-se que quando a Bíblia fala dos irmãos e irmãs de Jesus, estão se referindo a graus de parentesco próximos (primos, tios), porque o hebraico e o aramaico não diferenciam um do outro.

A Bíblia responde que Maria teve mais filhos (Mateus 1:24-25; Marcos 3:33). Confira seus nomes em Mateus 13:54-56. Jesus foi o primogênito (primeiro filho - Lucas 2:7 Lucas 1:21-24). Se Jesus tivesse sido o filho único, Ele seria chamado de unigênito (João 3:6).

A Bíblia responde que o anjo Gabriel saudou Maria apenas como a serva do Senhor (Lucas 1:28) e após a anunciação ele apresentou-se apenas a José, o cabeça do lar (Mateus 2:13 Mateus 2:19-22). Maria só foi chamada de “bendita entre as mulheres” por causa de Jesus, Contudo, usam a saudação para torná-la santíssima. Na Bíblia, porém, o termo bendito é usado 170 vezes para designar as pessoas que
temem a Deus. Somente em Deuteronômio 28:1-6 é usado 6 vezes para referir-se àqueles que guardam a Palavra de Deus.

Conceder a Maria a função de mediadora implicaria conferir-lhe atributos que pertencem somente a Deus. Analise bem: Como ela atenderia a todos ao mesmo tempo, já que ela não é onipresente nem onisciente (atributos de Deus: onipresente capaz de estar em todos os lugares ao mesmo tempo; onisciente aquele que sabe todas as coisas)? Nem os anjos, nem Satanás têm tais atributos, quanto mais uma mulher na condição de serva, mesmo sendo Maria! Colocá-la nesta posição é igualá-la a Deus.

Subcategorias

100 Respostas Bíblicas para o Catolicismo é um livro de Édino Melo (Editora Ferramenta) que traz respostas bíblicas ao catolicismo.