Evidência histórica de que os dirigentes sabiam que Ellen G. White não era inspirada, senão que sofria de problemas médicos... Apenas se esqueceram de dizer à grei!

Escreveu-se sobre Ellen G. White e seus "empréstimos" muito mais do que um pode abarcar ou digerir. Sem dúvida, se continuará escrevendo mais à medida que várias pessoas tratem de despejar suas mentes e seus corações de conceitos errôneos e dolorosos que existiram por longo tempo. Portas que permaneceram fechadas por cem anos ou mais agora estão sendo abertas dolorosamente por uma geração diferente. Pode-se ter a esperança de que um número suficiente de pés tenha sido postos firmemente no umbral para impedir que a porta se fechasse com estrépito e hermeticamente outra vez. Parece que a oposição contra alguns dos que escreveram antes da década de 1970 para protestar pelo que estava ocorrendo teve tanto sucesso que a uma geração ou duas de Adventistas se lhes ensinaram falácias.' Virá material adicional à medida que o exijam os tempos e à medida que os eruditos continuem descobrindo o que jaz sob a superfície. Muito se disse durante muitos anos a respeito da reserva do White Estate e a respeito de suas políticas extremamente rigorosas, ainda para amigos da igreja que procuram informação pertinente ao conhecimento da verdade A impossibilidade de ter acesso ao material fonte, sem escamoteá-lo, naturalmente aumenta a suspeita. Mas os tempos mudaram desde 1844 . Agora as únicas portas que permanecem realmente fechadas são as que conduzem às mentes dos comungantes, que em cega lealdade, continuam repetindo como papagaios a "linha do partido", fanáticos aos que não lhes importa nem a exatitdão nem a honestidade. Estas portas são as mais difíceis de abrir, porque foram fechadas pelas pessoas nas quais eles criam que tinham direito a confiar – cujas mentes, a sua vez, foram fechadas pelo temor a pensar ou a pesquisar, não vá ser que a maldição dos supervendedores caísse sobre eles. Ainda piores são os que temem que Deus, que está sendo sempre submetido a juízo sobre questões como estas, queira que os cegos guiem aos cegos através do ermo deserto.

Os estudos estabeleceram certos pontos irrefutáveis. Até Robert Olson, do White Estate, admitiu isto em sua carta de 4 de setembro de 1980:

Permitam-me assegurar-lhes... que estamos fazendo o melhor do que podemos para fazer o que cremos do que se deve fazer. O documento de dezenove páginas ao qual você se refere e que trata do uso de fontes não inspiradas por parte de Ellen White, foi publicado pelo jornal da União Divisional Australiana. Ademais, foi traduzido ao alemão e publicado para todos nossos ministros na Alemanha Ocidental. Uma versão algo modificada do artigo foi publicada no novo folheto da Escola Sabatina para jovens, que está circulando em Lincoln, Nebraska. Também, pusemos este artigo à disposição de nossos presidentes de conferência ao redor do mundo, e apresentamos o assunto em muitas reuniões de obreiros tanto aqui como no estrangeiro. No entanto, parece-nos que este é simplesmente um passo preliminar. O Comitê da Conferência Geral votou pedir-lhe a um dos professores da Universidade de Andrews que inicie um estudo de dois anos, no qual os escritos de Ellen White a respeito da vida de Cristo têm de ser pesquisados a fundo, especialmente a respeito da questão dos empréstimos literários.2

É possível que este seja o mesmo Robert Olson que se pôs de pé ante um auditório, em Loma Linda, faz menos de dois anos, e disse que toda esta discussão a respeito de Ellen e seus escritos não significava nada?3 Por outra parte, não se pode considerar que a afirmação de Olson signifique que há uma nova política de portas abertas no escritório do White Estate. Uma carta posterior desse mesmo ano (Outubro de 1980) revela quão fechada está ainda essa abóbada do White Estate: "O Ancião não considera estas questões como eu creio que deveria fazê-lo."4 E não foram em vão suas palavras ao grupo de casa dois anos antes, quando disse a respeito de quem tinha sido escolhido para fazer o trabalho:

... o tempo de Jim [Cox] não lhe custaria nada ao White Estate, e creio que podemos permanecer perto dele o bastante para que as conclusões às quais chegue sejam essencialmente as mesmas às quais chegaríamos se nós mesmos tivéssemos feito o trabalho. Poderíamos pedir-lhe a Jim que prepare um relatório para um comitê cada duas ou três semanas.5

Mas a imprensa é mais forte do que a espada. A espada de Olson se tem embotado no combate com a imprensa, ainda que parte dessa imprensa é só a máquina de cópias rápidas. Pelo menos em algumas partes do mundo, os membros se estão dando conta, e pela primeira vez, da magnitude do problema do uso ilegítimo por parte de Ellen do trabalho de predecessores, e do fato de que algumas perguntas devem ser contestadas. Por todo o mundo, muitos Adventistas já não estão dispostos a aceitar as respostas não éticas que lhes deram seus supervendedores.

Os problemas éticos podem resumir-se revisando a evidência de que boa parte das investigações em anos recentes revelou informação substancial a respeito da vida e dos escritos de Ellen.

1. É claro agora que os escritos de Ellen não eram originais; seus materiais foram tomados de outras fontes – a respeito de todos os temas, em todas as áreas, em todos os livros.6

2. É claro, assim mesmo, que as circunstâncias, seus sócios e os escritores religiosos dos quais extraiu material (copiando, parafraseando ou de alguma outra forma) efetivamente influíram em Ellen.7

3. A única negação que se tinha dado a conhecer de maneira geral [a das introduções às edições de 1888 e 1911 de The Great Controversy (O Grande Conflito)] em realidade não resolve o problema. Por que citaria alguém uma obra publicada por outra pessoa se não tivesse o propósito de citar a essa pessoa como autoridade?

4. Agora se aceitou que Ellen recebeu muita mais ajuda do que se lhes fez crer aos membros da Igreja Adventista, e que seus ajudantes efetivamente tinham muita liberdade para selecionar e arrumar material e para sua edição final.8 Também, além dos ajudantes editoriais, que são bastante conhecidos - Marian Davis, Clarence C. Crisler, Doures E. Robinson, Mary Steward, Fannie Bolton, Mary H. Crisler, Sarah Peck, Maggie Hare, e H. Camden Lacey - uma publicação posterior de Willie White chama o atendimento a outros menos conhecidos: "Desde 1860 em diante, alguns dos manuscritos dela destinados para serem publicados, e alguns de seus depoimentos, foram copiados por membros de sua família."9 Depois mencionou copistas como Lucinda Abbey Hall, Adelia Patten Van Horn, Anna Driscoll Loughborough, Addie Howe Cogshall, Annie Hale Royce, Emma Sturgis Prescott, Mary Clough Watson, e a Sra. J. L. Ings. Pode muito bem ter tido outros.

5. Ellen não tinha a última palavra no que se escrevia e nem sempre a tinha também no que se publicava.10 Ainda que se pudesse provar que ela estava "sempre no controle", isso não esclareceria as questões éticas.

6. Não se pode sustentar, nem em boa erudição, nem em boa consciência, que a "inspiração verbal" era o problema para os que viam e entendiam o que sucedia. Sabiam o que estava sucedendo, e não aceitavam os escritos como se fossem de Deus e dessa maneira não condenavam o que se estava fazendo.11

7. Se qualquer pessoa expressava convicções a respeito destes assuntos, quando isso ocorria, essa pessoa recebia um testemunho condenatório pessoal, ou se lhe pedia que se fosse, ou ainda pior, se lhe classificava como inimigo da igreja e a verdade.12

8. Nem todos os primeiros pais e obreiros da Igreja Adventista do Sétimo Dia aceitavam ou criam que tudo o que Ellen escrevia vinha de Deus e era sempre inspirado. Para eles, a autoridade dela não era final.13

9. Ellen mesma sabia muito bem o que se estava fazendo, participou nisso desde o princípio, e estimulava a outros que trabalhavam para ela a fazer o mesmo e a não dizer nada.14

Esta última afirmação (item 9) parece constituir o maior problema ético para a Igreja Adventista do Sétimo Dia na atualidade. Robert Olson julgou que o enfoque de certa pessoa " é levar seus ouvintes a crer que Ellen White era desonesta e enganosa."15 A causa da natureza sensitiva desta acusação, é necessário ter testemunhas informadas para que testemunhem do que viram ou disseram.

Nenhum dos que agora defendem a Ellen G. White e a suas ações era nascido no tempo em que ela estava ativa. Nem sequer seu neto Arthur pode ser uma testemunha aceitável. Sua avó tinha mais de oitenta anos de idade quando ele nasceu. Qualquer que fosse o trabalho que ela tivesse feito para a igreja, fê-lo sem a observação ou o conhecimento de Arthur. Certamente, Ronald D. Graybill e Robert W. Olson (ambos os dos escritórios do White Estate) não estavam presentes e, portanto, devem ser desqualificados como testemunhas confiáveis. Ademais, os três têm preconceitos e conflitos de interesse internos. Suas posições, reputações, e compensações monetárias os fazem inaceitáveis em qualquer tribunal de arbitragem como testemunhas de primeira mão ou confiáveis. A única vantagem que podem ter, que outros de nosso tempo não têm, é o acesso a material e informação que recusam divulgar.

Mas havia testemunhas que viram, sim, e expressaram-se. Eles precisam ter seu dia no tribunal, ainda que só seja em forma incompleta.

Quem é quem no escândalo do Plágio White:

Tenho aqui o que eles pensavam a respeito da inspiração de Ellen G. White:

1. John N. Andrews

Um dos fundadores da igreja; escritor estudioso; editor. Contemporâneo de Ellen White, era seu amigo e ajudante. Algumas de suas idéias e palavras eram incluídas no material impresso à medida que ela formulava sua teologia.

J. N. Andrews, que estava em Battle Creek nesse tempo, estava muito interessado.

Depois de uma das reuniões, disse-lhe a ela que algumas das coisas que ela tinha dito se pareciam muito a um livro que ele tinha lido. Depois lhe perguntou se tinha lido Paradise Lost (O Paraíso Perdido)... Alguns dias mais tarde, o Ancião Andrews foi à casa dela com uma cópia de Paradise Lost e se a ofereceu.16

2. Uriah Smith

Editor da Review durante o tempo de Ellen White; amigo pessoal dos White; escritor cujo material encontrou o caminho para a teologia de Ellen em vários de seus livros.

Parece-me que os depoimentos, virtualmente, adquiriram uma forma tal que é inútil tratar de defender as enormes afirmações que agora se fazem.

3. George B. Starr

Evangelista, ministro, mestre, administrador. Acompanhou Ellen White à Austrália, e sempre defendeu seus escritos e sua reputação.

Expressadas por eles "...Se todos os irmãos estivessem dispostos a pesquisar este assunto honesta e amplamente, creio que se poderia encontrar algum terreno comum consistente, sobre o qual pudessem sustentar-se todos. Mas alguns extremistas são tão dogmáticos e renitentes que suponho que qualquer esforço nesse sentido só conduziria a uma ruptura no corpo."17

Ao sair de minha habitação, passei frente à porta da habitação da Irmã White, e como a porta estava aberta, ela me viu e chamou-me a sua habitação, dizendo: "Estou em problemas, Irmão Starr, e gostaria de falar com você." Perguntei-lhe qual era a natureza de seu problema, e ela contestou: "Meus escritos, e Fannie Bolton."18

4. Fannie Bolton

Ajudante editorial de Ellen White na Austrália. Com freqüência aplaudida por sua capacidade editorial e de redação. Despedida por Ellen.

"Por anos, tratei de harmonizar o que me parecia uma inconsistência no trabalho com uma máxima literária mundana que requer que um autor reconheça a seus editores e dê crédito por todas as obras que cita. Ao argumentar que Ellen G. White não estava ciente a respeito deste assunto, cri que eu defendia um princípio de justiça ordinária e honestidade literária, e me considerei uma mártir por amor à verdade.18

5. Merritt G. Kellogg

Amigo dos White; meio irmão de John Harvey Kellogg; provavelmente o primeiro Adventista que chegou a Califórnia e celebrou reuniões evangelísticas.

Em 1894 [na Austrália], a Sra. White me disse que Marian Davis e Fanny Bolton estiveram encarregadas de escrever The Great Controversy (O Grande Conflito) e prepará-lo para ser publicado. Disse-me, ademais, que estas senhoritas eram responsáveis de certas coisas que foram incluídas nesse livro na forma em que o foram ... A Sra. White não me disse exatamente que tinha sido mau o que haviam feito as senhoritas. Suponho que a razão de que me falasse do tema era o fato de que Fanny Bolton tinha vindo ver-me... Disse-lhe só o que Fanny me tinha dito... "Agora", disse a Sra. White com algum calor, "Fanny Bolton nunca escreverá nem uma só linha mais para mim..." Desde esse dia até hoje, meus olhos permaneceram abertos.

6. John Harvey Kellogg

Cirurgião, inventor, defensor da saúde escritor, conferencista, mestre, homem de negócios. Amigo pessoal dos White por longo tempo.

"Não creio em sua infalibilidade, e nunca cri. Faz oito anos, disse-lhe cara a cara que algumas das coisas que me tinha escrito como depoimentos não eram verdadeiras, que não estavam em harmonia com os fatos, e que ela mesma o tinha averiguado. Tenho uma carta dela na qual explica como é que me enviou certas coisas... Sei que as pessoas vão ver a Sra. White com algum plano ou projeto que desejam levar adiante com sua aprovação, e levantam-se e dizem: "O Senhor falou." E sei que isso é fraude, aproveitar-se injustamente das mentes e consciências das pessoas... eu não simpatizo com isso, e disse-o a W. C. White faz muito tempo."21

7. Mary Clough

Sobrinha; filha de Caroline, uma das irmãs de Ellen White. Ainda que ela mesma não fosse Adventista, foi durante um tempo assistente literária, agente de publicidade, e ajudante nos escritos de White. Despedida por Ellen. [George B. Starr citando a Ellen White]:

"Quero contar-lhe uma visão que tive como às 2h da manhã... Apareceu sobre mim uma carruagem de ouro com cavalos de prata, e Jesus estava sentado na carruagem em sua real majestade. Eu fiquei profundamente impressionada com a glória desta visão... Depois vieram as palavras como trovões sobre as nuvens, desde a carruagem e os lábios de Jesus: "Fannie Bolton é tua adversária"!..." Tive esta mesma visão faz cerca de sete anos, quando minha sobrinha, Mary Clough, aparecia em meus escritos.22

8. George W. Amadon

Serviu por cinquenta anos em várias posições na Review and Herald Publishing Association, e na Igreja Adventista do Sétimo Dia, em três cidades. Amigo dos White.

"Eu sabia que grande parte dele ["How to Live"] tinha sido tomado emprestado.... [Em relação com "Sketches from the Life of Paul"] Disse que a Irmã White nunca escreve os prefácios a seus livros; sucede que eu sei que outras pessoas os escrevem; e disse que se tinha declarado formalmente no prefácio do livro que essas coisas tinham sido tomadas de outras obras, que o que se tinha copiado palavra por palavra deveria estar entre aspas, ou num tipo de letra menor, ou em pés de página, ou algo assim, como os impressores o fazem geralmente.... Ela nunca lê as provas.... A Irmã White nunca se sentava no Escritório para ler as provas corretamente... Você sabe tão bem como eu como se manejavam seus escritos nos dias do Ancião Tiago White."23

9. Arthur G. Daniels

Ministro, administrador; notável como um dos dirigentes mais fortes da Igreja Adventista do Sétimo Dia; presidente da Conferência Geral desde 1901 até 1922. Amigo pessoal próximo dos White na Austrália.

"Agora vocês sabem algo a respeito de esse livreto, "The Life of Paul." Conhecem a dificuldade que tivemos com isso. Nunca poderíamos alegar inspiração no pensamento inteiro e a composição do livro porque tinha sido jogado a um lado por ter sido mal armado. Não se lhes tinham dado crédito às autoridades adequadas, e um pouco disso se tinha colado em "The Great Controversy (O Grande Conflito)" – a falta de crédito... Pessoalmente, isso jamais sacudiu minha fé, mas há quem foi grandemente prejudicado por isso, e creio que é porque tinham feito demasiadas afirmações a respeito destes escritos."24

10. Benjamin L. House

Professor de religião na escola superior; esteve presente na Conferência Bíblica de 1919.

"Mas, parece-me que livros como "Sketches [from] the Life of Paul", "Desire of Ages", e Great Controversy (O Grande Conflito)" eram compostos de maneira diferente, ainda por suas secretárias, que os nove tomos dos Testemunhos."25

11. W. W. Prescott

Um dos grandes educadores do Adventismo; erudito bíblico; editor da Review; fundador de duas escolas superiores, presidente de três. Ajudou a corrigir, e contribuiu com material para os livros de Ellen G. White.

"Parece-me que uma grande responsabilidade descansa sobre aqueles de nós que sabem que há sérios erros em nossos livros autorizados e, no entanto, não fazem nenhum esforço especial para corrigi-los. O povo e a média de nossos ministros confiam em nós para que lhes proporcionemos declarações dignas de confiança, e usam nossos livros como autoridade suficiente em seus sermões, mas lhes deixamos continuar ano após ano afirmando coisas que sabemos não serem verdadeiras... Parece-me que se praticou o que equivale a um engano, ainda que provavelmente sem intenção, ao confeccionar alguns dos livros dela, e que não se fez nenhum esforço sério para desabusar as mentes das pessoas."26

12. Willard A. Colcord

Ministro, editor, secretário de liberdade religiosa na Conferência Geral.

"Este uso de tanto material escrito por outros nos livros da Irmã White, sem aspas nem crédito, colocou-os, a ela e a seus escritos, em muitos problemas. Um dos principais propósitos na mais recente revisão de "Great Controversy (O Grande Conflito)" foi o de corrigir questões desta classe; e uma das principais razões pelas quais "Sketches from the Life of Paul" (Esboços da Vida de Paulo) nunca se reimprimiu foi pelos sérios defeitos do livro sobre esta base.27

13. H. Camden Lacey

Professor de Bíblia e idiomas bíblicos em cinco escolas superiores Adventistas; ministro. Amigo pessoal dos White.

"Ellen G. White confiou a Marian Davis a preparação de "Desire of Ages" e... ela reuniu seu material de todas as fontes possíveis... Preocupou-se muito por encontrar material adequado para o primeiro capítulo (e outros capítulos também) e eu fazia o que podia para ajudar-lhe; tenho boas razões para crer que ela também apelava com freqüência ao Professor Prescott para pedir ajuda similar, e recebia-a, numa medida muito mais rica e abundante do que eu poderia explicar."

14. Associação Ministerial Healdsburg

Um relatório no jornal local do povo a respeito de seu estudo comparativo de cinco livros dos quais estabeleceram que Ellen White tinha copiado; 20 de março de 1889 . O Ancião Heale quis fazer crer aos membros do Comitê que ela não é uma mulher que lê. E também lhes pediu que cressem que os fatos históricos, e até as citações, são-lhe dadas a ela em visão sem depender de fontes ordinárias de informação... A julgar pelas citações apresentadas e uma comparação das passagens indicadas, não chegaria à conclusão qualquer crítico literário de que a Sra. White, ao escrever seu livro "The Great Controversy (O Grande Conflito)", tomo IV, tinha livros abertos diante dela e que deles tomava tanto as idéias como as palavras?"29

15. Tiago White

Um dos fundadores e organizadores da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Professor, editor, homem de negócios, publicador, ministro e administrador. Esposo de Ellen.

"Todo cristão, portanto, tem o dever de considerar à Bíblia como sua perfeita regra de fé e conduta. Deveria orar ferventemente para que o Espírito Santo lhe ajude a esquadrinhar as Escrituras em procura da plena verdade, e também para compreender seu dever. Não está em liberdade de afastar-se delas para aprender qual é seu dever através de quaisquer dos "Se" condicionais. Dizemos que, no momento em que o faça, coloca os dons no lugar errôneo, e assume uma posição extremamente perigosa. A Palavra deveria estar à testa dele e os olhos da igreja deveriam estar sobre ela, e considerá-la como a regra segundo a qual andar, bem como a fonte de sabedoria, da qual aprender o dever para "toda boa obra."38

16. Ellen Gould White

Copiadora e compiladora de todas as celebradas 25 milhões de palavras que se lhe têm atribuído. A nota que apareceu na Review de 24 de Junho de 1858 acerca de sua primeira tentativa séria de publicar um livro anunciava que este era "um esboço de suas visões do grande conflito entre Cristo e seus anjos, e o diabo e seus anjos."31 Algumas semanas mais tarde, o livro foi anunciado para a venda por "J. W.", e descrito como "não de origem e autoridade divinos, senão que é um esboço das visões da Sra. White." a respeito do tomo II, dois anos mais tarde, ela escreveu:

Tendo apresentado meu depoimento, e distribuído vários livros que continham minhas visões, nos estados do este, do centro, e do oeste, e tendo fato muitas felizes amizades, pareceu-me que era meu dever dar a meus amigos e ao mundo um bosquejo de minha experiência cristã, minhas visões, e meus trabalhos em relação com o surgimento e o progresso da mensagem do terceiro anjo.

Ao preparar as seguintes páginas, trabalhei com grande desvantagem, pois em muitos casos tive que depender da memória, sendo que não levei um diário senão até faz alguns anos. Em vários casos, enviei os manuscritos a amigos, que estavam presentes quando ocorreram as circunstâncias relatadas, para que os examinassem antes que se imprimissem. Tive grande cuidado, e passei muito tempo, tentando expressar os fatos simples tão corretamente como me fosse possível.

No entanto, recebi muita ajuda, para o estabelecimento de datas, das muitas cartas que lhe escrevi ao Hno. S. Howland e família, de Topsham, Maine. Como eles cuidaram a meu Henry por espaço de cinco anos, senti que era meu dever escrever-lhes com freqüência e contar-lhes minha experiência, as provas de meu gozo, e minhas vitórias. Em muitos casos, copiei partes destas cartas. [A cursiva é minha].

Tais são os depoimentos de alguns dos que estavam ao redor da profetisa e que viram, disseram que tinham visto, e em muitos casos foram separados depois de que o disseram.

Não se lhes solicitará depoimento aos que estão numa longa lista dos que a conheciam bem mas que foram rejeitados e expulsados da causa pelo que sabiam. Entre estes se contam a Crosier, March, a gente do "Movimento Iowa", "os fanáticos de Wisconsin", Dudley M. Canright, os Ballenger, Alonzo T. Jones, Louis R. Conradi, George B. Thompson, e tantos outros.32 Seu depoimento contra as "visões" e a "inspiração" de Ellen seria forte, mas não se lhes permite falar porque se foram, ou foram expulsos da igreja a causa de seu conhecimento e sua disposição a compartilhar esse conhecimento. Certamente, é verdade, como observou um presidente de conferência de união em Glacier View em 1980, que a maioria das "luzes brilhantes" do movimento foi jogada da igreja por autoridade de Ellen White.33

Poderiam acumular-se outros depoimentos de pessoas como William S. Peterson, Jonathan M. Butler, Ronald L. Numbers, e os outros eruditos Adventistas de nota dos tempos modernos que pesquisaram com diligência para descobrir a verdade e separá-la da fantasia. Suas vozes são quase sempre silenciadas pela histeria dos que não desejam ver ou não querem permitir que outros vejam. As descobertas dos Dom McAdams e os Roy Graybill poderiam dar preponderância à crescente evidência dos que vêem, mas seu material e seus esforços foram confiscados pelo White Estate, com um pretexto ou outro, em nome da religião. Só quando a liberdade religiosa possa por fim conseguir-se e a liberdade acadêmica possa por fim exercer-se dentro da igreja, poderão os membros ter a certeza de que a verdade não estará para sempre no patíbulo e o erro não estará para sempre no trono a favor do Adventismo.

Isto não quer dizer que todas as pessoas cujos nomes foram mencionados na lista, mais outras que não foram incluídas, crêem que Ellen foi uma fraude ou que tratava de enganar, deliberada e conscientemente, cada vez que escrevia. Quer dizer, no entanto, que a natureza humana e o método humano de sua obra estiveram sob escrutínio desde o começo, e que pessoas honestas com perguntas honestas com freqüência não receberam respostas honestas.

Os que aceitam com sensatez o fato de que Ellen G. White usava as obras alheias sem dar crédito, reconhecem em seguida a presença de um problema ético. Os que a escusam por ter usado obras alheias sem dar crédito têm explicações diferentes mas interessantes quanto ao problema ético. Só negações de plano vieram daqueles que não vêem nenhum problema ético pelo qual preocupar-se, como se o "2,6%" do estudo de Cottrell (que era só de alcance limitado quanto à obra total de Ellen se refere) fosse suficiente desculpa.

Há que fazer uma tentativa de separar, se é possível, cada atitude e cada defesa, e pôr essa defesa ao lado de algum padrão de medida de moralidade ou conduta ética para ver se Ellen e seus ajudantes dão a talha.

1. Jack W. Provonsha, professor de ética na Universidade de Loma Linda, parece estar falando, num de seus trabalhos, para os que não vêem, ou não desejam ver, que Ellen copiou algo (ou crêem que, se o fez, a cópia foi tão mínima que quase não era questionável ou não o era em absoluto):

A questão da suposta dependência literária de Ellen White já foi exposta em nossa mesa coletiva bastante bem. A maioria dos Adventistas informados agora é consciente até certo ponto do uso extenso que ela fez de citações, paralelos, e paráfrases, bem como da similitude estrutural, formal, e general entre seus livros e aqueles com os que se sabe que ela e seus ajudantes editoriais estavam familiarizados...

Os poucos que souberam do extenso do material que ela copiou aparentemente têm estado renuentes a compartilhar essa informação com os membros comuns da igreja, supostamente porque estavam preocupados de que essa informação debilitasse a posição de autoridade de Ellen White na igreja. Esta relutância continua expressando-se como uma tentativa de minimizar a extensão da dependência.

Este esforço é compreensível, mas fora de lugar, e pode ser contraproducente ao final. Se a questão em discussão tivesse sido manejada com honestidade desde o princípio, agora nos teríamos poupado o que é e continuará sendo uma dolorosa experiência para muitos sinceros membros de igreja.34

Mas sempre haverá quem não deseje ver e trate de convencer a outros de que também não deveriam ver. Aos desta classe, há que lhes aplicar as palavras atribuídas a um sábio árabe: "O que não sabe e não sabe que não sabe, é um tonto. Evita-o."

2. Os que vêem, mas não podem persuadir-se de que Deus permitisse a Ellen fazer algo pouco ético ou equivocado, justificam o que ela fez dizendo que outros antes dela fizeram o que ela fez, e que, portanto, deve ser aceitável. Quiçá Robert Brinsmead responda tão claramente como qualquer pessoa a este tipo de raciocínio:

É verdade que há evidência de empréstimo literário por parte de diferentes autores bíblicos. Mas em tais casos eles usaram material que era a herança e a propriedade comum da comunidade do pacto. Não era propriedade privada e não tinha nenhuma pretensão de originalidade. Com a Sra. White, no entanto, as circunstâncias eram muito diferentes. Sem reconhecimento, ela usou o produto literário daqueles que estavam fora de sua própria comunidade religiosa, registrou-o como propriedade intelectual sua e exigiu regalias tanto para ela mesma como para seus filhos. Até certo ponto, o correto e o incorreto estão condicionados historicamente, mas não temos que entrar em conjeturas a respeito da ética literária exigida nos dias de Ellen White. Os fatos não são ambíguos. Ela não se ajustou a uma prática literária aceitável.35

A este grupo lhe diria o sábio: "O que sabe, e não sabe que sabe, está dormido. Acorda-o."

3. Há quem argumente que a ética está determinada pelos que estão a nosso redor, que a "ética situacional" determinou a conduta de Ellen G. White e que, portanto, o que ela fez é justificável. Aos que raciocinam assim, há que lhes assinalar que, com esta maneira de pensar, vale todo o que serve um propósito. Se o lugar em que um está num momento dado é o lugar correto, e qualquer coisa que a multidão esteja fazendo é necessária e correta, então um faz só o que a outros lhes parece. Aos que seguem este extremo, este raciocínio, diz-lhes: Se outros vão para o inferno, sigamo-los até ali. A tais pessoas deveria dar-lhes vergonha argumentar que copiar material de outros sem dar-lhes crédito era uma prática aceitável nos dias de Ellen. Esse argumento simplesmente não é verdade. Em grande parte do material do qual Ellen G. White copiou, os autores deram crédito quando usavam material alheio, e alguns deles o faziam detalhadamente e com gosto. Ellen não o fez nunca. A informação que está saindo à luz revela que não podia. Porque é óbvio que se a igreja, ou Ellen, ou seus ajudantes, tivessem revelado honestamente de quem e quanto material estavam usando de outros autores, Deus, a pretendida autoridade de Ellen e os demais, ficaria exposto como de menor importância, se não inexistente, em seu programa.

Aos defensores atuais desta "ética da maioria", que está fora de lugar, o sábio lhes diria: "O que não sabe, e sabe que não sabe, é um simples. Ensina-lhe".

4. Há quem aceitam o que vêem e, goste-lhes ou não, têm a impressão de que deveria ser reconhecido. Mas raciocinam que a conduta de Ellen não é impugnada, porquanto Deus estabeleceu diferentes normas para os profetas. Esta parece ser a posição à que tende Provonsha. Alguém que critica a posição de Provonsha lhe escreve desta maneira

A observação que antecede me leva ao que o rascunho indica que é sua tese central. Ofereço uma paráfrase dessa tese, e seu positivo apoio a ela, do modo que eu sugiro se aproxima a uma paráfrase que poderia resultar aceitável ao crítico da ação do comitê autorizado [Glendale] de revisão da Conferência Geral, [que] você citação nas páginas 5 e 6 do rascunho. Ele, e muitos leitores, poderiam muito bem dizer do trabalho que "assume a posição de que os profetas (e outros escritores inspirados) são tão diferentes do resto de nós que não estão sujeitos aos conceitos tradicionais de honestidade, e não são desonestos ao copiar sem dar crédito, e ainda negar sua dependência de outros, e ainda que as 'simples pessoas ordinárias' seriam mentirosas e fraudulentas se levassem a cabo os atos em questão, aquelas pessoas não estão erradas, a causa de sua diferente posição". 36

Não é provável que todo o mundo possa seguir a Provonsha ao interior deste mundo de filosofia ética, e chegar à resposta oportuna que ele tem para o problema. Quiçá, também, Provonsha não tinha disponíveis, para seu modo de pensar, todos os fatos e ramificações necessários para completar um quadro de setenta anos de engano, porque seu documento não trata da ética dos que ajudaram a Ellen a continuar com a mentira branca durante toda sua vida.

5. Há outros matizes de significado que vêm à mente de numerosas pessoas que lutam individualmente com o problema ético à medida que se inteiram gradualmente a mais fatos. Talvez um aspecto que precisa uma séria consideração é um termo que em jurisprudência se chama "capacidade diminuída."

Ellen G. White sofria de problemas médicos:

A lesão que Ellen sofreu em sua meninice e os problemas físicos resultantes são bem conhecidos e estão bem documentados. Começando com esse acidente, e seguindo através da adolescência e a média idade, ela sofreu ataques físicos, "que com freqüência acompanhavam o que seus seguidores deram em chamar visões abertas. Diz-se que, às vezes, não era consciente de nada a seu redor, ainda que às vezes conservasse o controle de seus movimentos. A igreja com freqüência se ufana de que ela começou com uma mente débil e sem adestrar, e um corpo delgado e desfigurado - o mais débil dos débeis." Se informa que, pelo menos cinco vezes, foi atacada de "paralisia", e que muitas vezes ela sentia que estava a ponto de morrer; com freqüência, permanecia inconsciente por longos períodos. 37 Sob estas condições físicas, especialmente durante seus primeiros anos, sua mente com freqüência estava na mesma condição que seu corpo, às vezes nas areias movediças do desespero e às vezes no cume da glória.

Este estado mental e físico foi observado ao começo da experiência de Ellen. Ficou um notável depoimento em relação com sua condição e o fato de que ela a reconhecesse já em 1865 , depoimento que foi publicado mais tarde, em 1877. A causa da natureza sensitiva da informação, é melhor reproduzir vários parágrafos das páginas que tratam dela.

Quando, durante uma conferência em Pilot Grove em 1865 , ela relatou uma visita ao Instituto de Saúde do Dr. Jackson, disse que o doutor, depois de examiná-la, tinha declarado que sofria de histeria. Agora, para os que têm confiança na capacidade do Dr. Jackson como médico, esta declaração proporciona um indício da suposta inspiração divina de Ellen. De acordo com as autoridades médicas, a histeria é uma doença real, mas de tipo muito peculiar, pois afeta, não só o corpo, senão também a mente; produz fenômenos de uma natureza muito marcada, mas muito variada, e ao atuar a doença sobre diferentes pessoas e diferentes temperamentos, produz variados resultados.

Quando o Dr. William Russell, que nesse então trabalhava no Instituto de Saúde de Battle Creek, escreveu-nos expressando suas dúvidas com respeito à inspiração divina das visões, e pedindo-nos a evidência que tivéssemos sobre esse tema, com gosto acedemos a sua solicitação e lhe enviamos as obras publicadas, e também um breve resumo da obra que agora apresentamos ao público. Também, chamamos seu atendimento sobre a opinião médica do Dr. Jackson no caso da Sra. White, e solicitamos a opinião dele para publicá-la também no livro. A isto contestou, em 12 de Julho de 1869, que tinha decidido, fazia algum tempo, "que as visões da Sra. White eram o resultado de um organismo enfermo e um cérebro ou um sistema nervoso defeituoso." Aqui, então, temos o depoimento de dois médicos, em cuja capacidade como médicos confiam geralmente a Sra. W. e os Adventistas do Sétimo Dia, que estão de acordo em sua opinião quanto à predisposição dela a uma condição enferma do cérebro e o sistema nervoso.

Com estes depoimentos em mente, regressemos à primeira visão e vejamos se podemos, a partir das circunstâncias presentes, chegar a uma solução razoável e prática do fenômeno no caso. De acordo com suas obras publicadas, a Sra. White, à idade de nove anos, sofreu uma desgraça muito grave; uma pedrada lhe achatou o nariz, desfigurando-lhe o rosto permanentemente. Por suposto, não sabemos se este acidente foi ou não a causa de sua predisposição à histeria, mas uma coisa é verdadeira: Não a originou, senão que a agravou, como o descreve o Dr. Russell: "Um organismo enfermo ou um cérebro ou sistema nervoso defeituoso." Isto o demonstra o fato de que, durante três semanas depois do acidente, ela permaneceu completamente inconsciente, com o cérebro com tanta uréia que lhe causou a cessação de suas funções durante esse tempo.

Em Life Incidents, pág. 273, o Ancião White também diz de sua saúde na época de sua primeira visão: "Quando teve a primeira visão, estava enfraquecida e inválida, e seus amigos e médicos só esperavam que morresse de consumpção. Nesse tempo só pesava oitenta libras. Seu sistema nervoso estava em tal estado que não podia escrever, e dependia de alguém sentado perto dela numa mesa até para verter bebida da xícara ao pires."

Pouco depois de recuperar-se, parece ter voltado seu atendimento a temas religiosos, com os quais ficou profundamente impressionada, até que, à idade de doze anos, professou a conversão e ingressou à igreja Metodista. Sua experiência religiosa nessa temporã idade foi de um tipo peculiar; às vezes se exaltava até o êxtase, e novamente se deprimia até as profundidades da depressão. Esta desafortunada condição da mente não parece ter sido causada pelas circunstâncias externas que a rodeavam, que eram todas favoráveis a sua profissão religiosa, senão por sonhos e impressões agradáveis ou desagradáveis.

Mais ou menos por este tempo, pregava-se a doutrina Adventista em Portland, Maine, onde vivia a família de seu pai, e tanto sua família como ela mesma se interessaram nela, até o ponto de que em 1842 ela assistia constantemente às reuniões Adventistas, ainda que fosse Metodista. O resultado de que passasse o tempo sem que o Senhor regressasse em 1844 foi a divisão do povo Adventista em dois grupos. Enquanto um dos grupos se curvava à posição de que a vinda do Senhor estava próxima, mas admitia que os movimentos de 1843 e de 184 eram errôneos, o outro afirmava que o Senhor lhes tinha guiado até esse momento e que o passado se justificaria plenamente; finalmente, os desta última classe caíram no erro da porta fechada, afirmando que o Esposo tinha vindo, e que o tempo para a salvação dos pecadores, os cristãos nominais, e os Adventistas apóstatas tinha passado. Em Life Incidents, pp. 183-91, o Ancião White faz um interessante relato da história da porta fechada. A Sra. White, (nesse tempo Ellen G. Harmon), identificou-se com os desta última classe, que se reuniam em casa de seu pai, o que mostrava que ela estava constantemente sob a influência deste terrível erro, cujo poder ninguém, exceto os que o presenciaram ou participaram nele, pode apreciar devidamente. Sob estas circunstâncias, e com seu organismo enfermo, seu cérebro ou sistema nervoso defeituosos, e uma predisposição à histeria não é de surpreender-se que tivesse o que se chamou uma visão, e que, tal como seria de esperar-se, sua visão correspondesse, em termos gerais, aos pontos de vista religiosos que ela abrigava, como mostramos claramente nesta obra.

Sobre este ponto, o Ancião White apresenta outro depoimento em seu livro Life Incidents, página 272 (publicado em 1868), no qual diz: "Durante os passados vinte e três anos, ela teve provavelmente entre cem e duzentas visões. Estas ocorreram em quase cada tipo diferente de circunstâncias, e, no entanto, todas elas foram maravilhosamente similares; sendo a mudança mais evidente o que, em anos mais recentes, foram menos frequentes e mais abarcantes." Sob estas circunstâncias, todo isto é muito natural e razoável. Ao melhorar a saúde da Sra. White, as visões se voltaram menos frequentemente. Como a mente e seu funcionamento são o resultado do organismo humano, uma constituição física mais saudável produzirá um estado da mente melhor e mais saudável. E, como a saúde da Sra. White melhorou, seu cérebro e seu sistema nervoso adquiriram um estado mais natural, e seus estados de transe foram menos frequentes; e como ela avançou em questões de informação geral (tendo sido sua educação temporã descuidada quase por completo a conseqüência de sua debilitada saúde), suas visões se fizeram mais abarcantes – uma conseqüência muito natural – que é uma das melhores evidências de do que suas visões surgiam de sua própria mente.

Que os fenômenos das visões, a suspensão animada, e os poderes milagrosos da Sra. White são o resultado de uma organização física e mental em desordem o confirma o seguinte extrato do livro Practice of Medicine, p. 721, do Tomo 2, do Dr. George B. Wood, que me chamou o atendimento, e que corresponde a algumas das experiências da Sra. White em visão, particularmente ao fato de que se pusesse de pé com uma Bíblia na mão a levantasse por em cima de sua cabeça, e assinalasse e repetisse algumas passagens dela. Ao tratar desordens mentais, e explicar a causa e os fenômenos dos transes, o Dr. Wood diz:

"O êxtase é uma afecção na qual, junto com perda da consciência das circunstâncias existentes, e insensibilidade às impressões externas, há uma aparente exaltação das funções intelectuais ou emocionais, como se o indivíduo fosse elevado a uma natureza diferente, ou a uma esfera diferente da existência. O paciente parece envolvido em algum pensamento ou sentimento absorvente, com uma expressão no rosto como de elevada contemplação, ou de inefável deleite. O movimento voluntário fica geralmente suspendido, e o paciente ou jaz insensível a influências externas, ou como na catalepsia, conserva a posição que tinha quando sofreu o ataque. Às vezes, no entanto, os músculos obedecem à vontade, e o paciente fala ou atua de acordo com seus impulsos existentes. Nestes casos, a doença risca muito de perto com o sonambulismo. Pode ser que o pulso e a respiração sejam naturais, ou mais ou menos diminuídos; o rosto está geralmente pálido; e a superfície do corpo está fresca. Se a freqüência do pulso aumenta, é geralmente mais débil também. A duração do ataque é muito incerta; em alguns casos não passa de alguns minutos, em outros se estende a horas ou dias. Ao recobrar-se do ataque, o paciente geralmente recorda seus pensamentos e sentimentos mais ou menos com exatidão, e algumas vezes fala das maravilhosas visões que viu durante suas visitas às regiões dos benditos, de encantador esplendor e harmonia, de inexprimível gozo dos sentidos ou afetos."38

Estas assombrosas páginas revelam alguns fatos sérios que podem ser verificados:

a . Deu-se uma descrição precisa do estado físico e mental de Ellen White do modo em que ela o descrevia com freqüência.

b. A análise de seu estado foi efetuada por médicos capazes, que em alguns casos eram aceitos pelos White.

c. As observações foram feitas no princípio de sua vida por pessoas que conheciam seu estilo de vida e a observaram de primeira mão.

d. Ellen White efetivamente creu e ensinou a porta fechada, cuja história se manteve oculta por mais de cem anos, como se revelou (e agora foi confirmada pelo White Estate). Ellen até teve uma visão mostrando que a porta se fechou para os pecadores depois de 1844.

Mais interessante, talvez, é o fato de que outros, alguns dos quais eram também médicos, notaram a similitude de seu estado durante seus "visões" e diagnosticaram seu estado de maneira similar. William S. Sadler, amigo da família White, uma vez verdadeiro crente e também ancião da igreja, e mais tarde médico, escreveu em 1923:

Não é raro que pessoas em transe cataléptico se imaginem que viajam a outros mundos. Em realidade, os maravilhosos relatos de suas experiências, que descrevem por escrito depois de que terminaram estes ataques catalépticos, são tão singulares e maravilhosos que servem de base para fundar novas seitas, cultos, e religiões. Muitos movimentos religiosos estranhos e singulares se fundaram e organizado deste modo. É um interessante estudo em psicologia observar que estes médiuns em transe sempre vêem visões em harmonia com suas próprias crenças teológicas. Por exemplo, uma médium que cria na natural imortalidade da alma sempre era guiada, em suas viagens celestiais, por alguns amigos mortos que tinham partido. Um dia, ela mudou seus pontos de vista religiosos - se converteu à crença no "sono da alma" - e desde então, quando estava em transe, era levada de um mundo a outro, em suas numerosas viagens celestiais, por anjos, e nenhum amigo morto ou separado jamais voltou a aparecer em nenhuma de suas visões depois desta mudança em suas crenças.39

O registro das visões de Ellen de outros mundos pode verificar-se em Early Writings para ver se a informação relatada por Sadler se aplica a ela. Sadler continua com outras observações interessantes:

Quase todas estas vítimas de transes e catalepsia nervosa, tarde ou cedo se chegam a crer mensageiros de Deus e profetas do céu, e sem dúvida a maioria deles é sincera em sua crença. Não entendendo nem a fisiologia nem a psicologia de sua aflição, sinceramente chegam a considerar suas peculiares experiências mentais como algo sobrenatural, enquanto seus seguidores crêem cegamente qualquer coisa que ensinem a causa do suposto caráter divino destas assim chamadas revelações.40

Sadler continua corroborando o que os médicos das décadas de 1860 e 1870 tinham detectado:

Outro interessantíssimo fenômeno que observei em relação aos médiuns em transe que, como observamos anteriormente, é em sua maioria mulheres, é que estes fenômenos de transe ou catalépticos, que em alguns aspectos são muito similares a ataques de histeria maior - só do que levados ainda além – digo do que foi minha experiência que geralmente aparecem depois de do que entrou a adolescência, e em nenhum caso que observei, ou do qual tenha eu ouvido, sobreviveram estes fenômenos à aparição da menopausa. A natureza dos fenômenos associados com estas profetisas ou médiuns em transe é sempre modificada pela aparição da "mudança de vida."41

Novamente, é interessante observar o que o doutor diz que sucedia no caso de Ellen. Ela deixou de ter "visões abertas" arredor do tempo da vida em que ocorre a menopausa.42 É assim mesmo interessante observar que a cessação das visões coincidiu com a morte de Tiago White, seu esposo.

Um escritor posterior retomou o tema físico em sua dissertação doutoral escrita em 1932:

Não há nem a mais mínima evidência de do que ela, neste estado, em nenhum momento aprendesse nem uma só coisa que não fora já bem sabida por seus sócios. Enquanto este escritor não chegaria até a dizer que ela estava "mesmerizada" por seu esposo, ele [o escritor] está plenamente convencido de que o conteúdo de suas primeiras "visões" estava determinado quase por completo pelo problema em que ele [Tiago White] estava interessado e ao qual lhe dedicava seu tempo no momento da manifestação. ... Mais tarde, depois de sua morte, a engraçada aprovação dela era um objeto muito desejado entre certos tipos de dirigentes e caixeiros que usavam todo tipo de métodos e ardis para obter o apoio dela para seus projetos.

Quando White usou todos os métodos possíveis para a organização, sua esposa "viu" que era o plano de Deus; quando ele caiu sob suspeita na operação da impressora, a ela se lhe mostrou que isto não era agradável a Deus. Quando ele, por meio da pluma e de viva voz, chamou à "benevolência sistemática" [contribuições financeiras regulares à igreja], ela teve uma "visão" apoiando-a. No tempo em que ele estava ocupado escrevendo folhetos pró saúde, a ela se lhe mostrou sua "grande visão" sobre a reforma pró saúde. Esta lista poderia continuar, substituindo o nome de seu esposo pelos de seus dirigentes favoritos, até sua morte.43

Linden, em 1978, revisou as observações e teorias de psicólogos e psiquiatras de mediados da década de 1900 procurando indícios dos fatores causais dos fenômenos visionários. Foi necessário tomar em conta fatores tanto psicológicos como físicos.44 Quiçá as respostas finais e mais satisfatórias a respeito de Ellen White poderiam dar-se em favor da mentira branca se o White Estate quisesse permitir a publicação dos detalhes do histórico médico dela do princípio ao fim.

Outro escritor descobriu um tipo diferente de raciocínio para o problema de que Ellen copiava sem dar crédito, bem como sua crença em sua própria "originalidade visionária." M. Ronald Deutsch (The New Nuts Among the Berries) relata, no capítulo titulado "The Battles of Battle Creek", como Charles E. Stewart escreveu à Sra. White em resposta à afirmação pública dela de que "tinha recebido instruções do Senhor" para que convidasse aos que tinham "perplexidades ... em relação com os depoimentos" a "pôr por escrito" seus "objeções e críticas", que ela as contestaria. Os amigos de Stewart publicaram sua longa carta (que incluía cópias de correspondência adicional com outras pessoas) em forma de folheto em Outubro de 1907 – depois de que tinham passado cinco meses sem resposta de Ellen White. O prefácio do folheto dizia que Stewart tinha recebido um recibo de registro devidamente assinado, mas nenhuma resposta.

Deutsch cita a seguinte opinião de seu livro:

Crio que ela é vítima de auto-hipnotismo. Em realidade, ela se tem auto-hipnotizado para crer que estas visões são genuínas. Não creio que ela voluntariamente se propunha enganar - ela adquiriu o hábito visionário – mas, sim, culpo aos que vendem às pessoas um truque que é, nem mais nem menos, uma grosseira fraude.45

O ano de 1907 passou faz muito tempo. A questão dos problemas da saúde de Ellen e as preocupações dos médicos de seu tempo poderiam ter-se esquecido se estas perguntas não seguissem aparecendo de tanto em tanto. Tão recentemente como em 1981, apareceu um artigo no Toronto Star de 23 de Maio:

Uma pedra que golpeou a testa de uma fundadora da Igreja Adventista do Sétimo Dia, Ellen Gould White, quando tinha nove anos de idade, quase seguramente é a causa de suas visões, as quais são a base para a doutrina da igreja, dizem dois médicos.

O golpe causou uma forma de epilepsia, disseram numa entrevista os doutores Delbert Hodder e Gregory Holmes, de Connecticut. Estiveram em Toronto para descrever suas descobertas durante uma reunião da Academia Americana de Neurologia no Sheraton Centre recentemente....

Hodder, que é Adventista, diz que seu relatório e o de Holmes (que não é Adventista) poderia sanar a divisão que existe na igreja.

"Têm estado considerando-o de uma maneira teológica", disse, mas sua investigação mostra que "ela pode ser explicada cientificamente."46

A muitos poderia parecer-lhes que o argumento médico é a melhor maneira de explicar a questão ética suscitada por seu engano, ainda que não justificasse aos que, obviamente sem conhecer o estado dela (e, portanto suas debilidades), continuaram ajudando a expandir a mentira branca. Também, geraria algum grau de simpatia pelas ações de Ellen - com base em sua capacidade diminuída somente. De maneira similar, ajudaria a explicar as muitas inconsistências em suas "visões" com as quais a igreja teve que lidar, ou teve que escusar, ou tampar através dos anos.

Pode ser que a última linha das palavras do sábio árabe se apliquem a este ponto de vista sobre o problema ético: "O que sabe, e sabe que sabe, é um sábio. Segue-o."

Referências e Notas

  1. Veja-se a Guy Herbert Winslow, "Ellen Gould White and Seventh-day Adventism", dissertação (Worcester, MA: Clark University, 1932); e W. Homer Teesdale, "Ellen G. White: Pioneer, Prophet", Dissertação (University of Calif., 1933).
  2. Carta de Robert W.Olson para Daniel C. Granrud, 4 de Setembro de 1980.
  3. Robert W. Olson, "Ellen G. White and Her Sources" [Ellen G. White e Suas Fontes], fitas gravadas de um discurso ao Adventist Forum, com período de perguntas, na Igreja da Universidade de Loma Linda, Janeiro de 1979.
  4. Carta de Robert W. Olson para Daniel C. Granrud, 2 de Outubro de 1980.
  5. De Olson para os Fideicomissários do EGW Estate, 29 de Novembro de 1978, p. 5.
  6. Apêndice, quadros comparativos em general.
  7. Jonathan M. Butler, "The World of E. G. White and the End of the World" [O Mundo de E. G. White e o Fim do Mundo], Spectrum 10, nº. 2 (Agosto 1979): 2-13. Também, Donald R. McAdams expandiu este tema na reunião do Comitê Glendale Sobre As Fontes de EGW, que se levou a cabo o 28-29 de Janeiro de 1980.
  8. W. C. White, citado por Robert W. Olson e Ronald D. Graybill. Fitas gravadas de um seminário no Southern Missionary College no outono de 1980.
  9. De W. C. White para o Comitê da Conferência Geral, 3 de Outubro de 1921.
  10. John Harvey Kellogg, "An Authentic Interview.... o 7 de Outubro de ...
  11. A indicação em meu livro é que poucos, se é que os tinha, dos que estavam inteirados da confecção dos livros de Ellen White aceitavam a idéia da inspiração verbal.
  12. Veja-se a lista de "testemunhas" que segue a este capítulo.
  13. Linden, Winslow, Teesdale, e outros explicam que, com o correr dos anos, teve lugar uma evolução de valor quanto à "inspiração" e à "autoridade" dos escritos de Ellen White.
  14. Ninguém argúi seriamente que Ellen não sabia o que estava fazendo, ou o que se estava fazendo. Em realidade, o problema seria muito mais sério se ela não tivesse sabido. Este capítulo trata de como diferentes pessoas trataram de resolver o problema em diferentes ocasiões.
  15. Carta de Robert W. Olson para Daniel C. Granrud, 2 de Outubro de 1980
  16. Arthur L. White em seu "suplemento" de 1969 de uma reimpressão em fac-símile de EGW, The Spirit of Prophecy, tomo 4, p. 535.
  17. De Uriah Smith para Dudley M. Canright, 22 de Março de 1883.
  18. Ellen G. White Estate, "A Statement Regarding the Experiences of Fannie Bolton in Relation to Her Work for Mrs. Ellen G. White" [Uma Declaração Concernente às Experiências de Fannie Bolton em Relação com Seu Trabalho para a Sra. Ellen G. White], Arquivo de documento 445, p. 8. Esta publicação contém uma seção com o "Relatório do Ancião Starr" de sua conversa com Ellen White concernente a Fannie Bolton.
  19. De Fannie Bolton para os "Queridos irmãos na verdade." Rascunho sem editar no Arquivo de Documento 445 no EGW Estate.
  20. Merritt G. Kellogg, declaração escrita a mão, ca. 1908.
  21. John Harvey Kellogg, "An Authentic Interview", 7 de Outubro de 1907, pp. 23-39. As declarações de Kellogg registradas estenograficamente.
  22. George B. Starr, em EGW Estate, "A Statement Regarding ... Fannie Bolton." EGW Estate DF 445.
  23. JHK, "An Authentic Interview", pp. 33-36. As declarações de George Amadon registradas estenograficamente.
  24. [Bible Conference], "The Bible Conference of 1919", Spectrum 10, não. 1 (Maio de 1979): 34.
  25. Ídem, p. 52.
  26. De W[illiam] W[arren] Prescott para W. C. White, 6 de Abril de 1915.
  27. Carta de W[illard] A [llen] Colcord, 23 de Fevereiro de 1912. Vejam-se os capítulos nove e treze.
  28. De H. Camden Lacey para Leroy E. Froom, 11 de Agosto de 1945 . De H. Camden Lacey para Arthur W. Spalding, 5 de Junho de 1947.
  29. [Healdsburg, California] Pastors' Union, "Is Mrs. White a Plagiarist ?" Healdsburg Enterprise (20 de Março de 1889).
  30. Tiago White, "The Gifts of the Gospel Church" [Os Dons da Igreja do Evangelho], Review 1 (21 de Abril de 1851): 70. (Reimpresso em Review 4 [9 de Junho de 1853]; 13-14) Citado por Earl Amundson, "Authority and Conflict", lido numa Consulta Teológica em Glacier View (15-20 de Agosto de 1980).
  31. [Nota editorial], Review 12 (24 de Junho de 1858): 48.
  32. Ellen G. White, Spiritual Gifts, tomo 2, prefácio.
  33. Earl W. Amundson, "Authority and Conflict", p. 25.
  34. Jack W. Provonsha, "Was Ellen White a Fraud?", Loma Linda University, 1980, p. 1.
  35. Robert D. Brinsmead, Judged by the Gospel [Juízos pelo Evangelho], p. 172.
  36. De J. Jerry Wiley para Jack W. Provonsha, 22 de Maio de 1980.
  37. H[enry] E. Carver, Mrs. E. G. White's Claims to Divine Inspiration Examined [Um Exame das Afirmações da Sra. E. G. White de Que Era Inspirada] , 2dá. edit. (Marion, Iowa: Advent and Sabbath Advocate Press, 1877) pp. 75-80.
  38. Idem, pp. 75-80.
  39. W[illiam] S. Sadler, The Truth about Spiritualism [A Verdade Sobre o Espiritismo] (Chicago: A. C. McClurg & Co., 1923), pp. 157-58.
  40. Ídem.
  41. Ídem, p. 159.
  42. De acordo com a SDA Encyclopedia (veja-se "Visions", p. 1557), a última "visão aberta" de Ellen White ocorreu em Junho de 1884. Linden, em The Last Trump, diz que Tiago White sublinhava que "os músculos e as conjunturas dela se punham rígidos", e sua vista precisava algum tempo para acomodar-se outra vez à normalidade.
  43. Winslow, Guy Herbert, "Ellen Gould White and the Seventh-Day Adventism", dissertação (Worcester, MA: Clark University, 1932) p. 290.
  44. Linden, Ingemar, The Last Trump, pp. 159-163.
  45. M. Donald Deutsch, The New Nuts Among the Berries, Pau Alto, Ca.
  46. Manlyn Dunlop, "Were Adventist Founder's Visions Caused by Injury?"

 

Graça Maior - Walter T. Rea, . Disponível em: https://gracamaior.com.br/estudos/ibsd-x-adventistas-do-setimo-dia/234-a-mentira-branca.html. Acesso em 23 Junho 2017.