As 7 Igrejas do Apocalipse Representam 7 Eras da História da Igreja?

Um número de expositores ao longo da história sustentou que as sete igrejas [de Apocalipse 2] representam sete estágios sequenciais da história da igreja. Embora não favoreçamos essa visão, é instrutivo entender os argumentos a favor e contra, uma vez que ela será frequentemente encontrada pelos estudantes do livro do Apocalipse. A visão é conhecida como a visão histórico-profética:

“A interpretação histórico-profética ... afirma que enquanto todos os sete tipos de igrejas sempre existiram, um tipo domina uma era particular da história da igreja. Ao longo da história da igreja, todos os sete tipos de igrejas estarão presentes, mas um tipo tenderá a dominar um período particular da história da igreja.”

Arnold G. Fruchtenbaum responde à afirmação de que tal visão das cartas às igrejas viola a “Regra de Ouro da Interpretação” [Nota do Tradutor: “Quando o senso claro das Escrituras faz sentido, não busque outro sentido, portanto, tome cada palavra em seu sentido primário, ordinário, usual, literal, a menos que os fatos do contexto imediato, estudados à luz de passagens correlatas e axiomáticas e fundamentais. verdades indicam claramente o contrário”]:

“A questão é esta ... Essa visão não viola a Regra de Ouro da Interpretação e os princípios de uma hermenêutica literal? Se fosse demonstrado claramente que tudo o que foi dito em uma carta específica pode ser ou era verdade dessa igreja em particular ou desse tipo de igreja, então a resposta seria: ‘Sim’. Mas se forem feitas afirmações que de alguma forma não sejam verdadeiras para aquela igreja em particular, a resposta seria: ‘Não’. Esse autor prefere limitar a interpretação somente àquela igreja ou apenas àquele tipo de igreja, mas de vez em quando são feitas declarações que tornam isso impossível.”

“Certas declarações feitas a igrejas individuais não podem ser verdadeiras sobre a situação estritamente local e devem ter um significado muito mais amplo. ... Um exemplo é a promessa de manter a Igreja da Filadélfia longe da hora da provação, aquela hora que há de vir sobre toda a terra. Há muito tempo que essa promessa poderia ser mantida apenas para aquela igreja em particular, pois essa igreja local não existe mais; nem essa promessa pode ser limitada a esse tipo de igreja, porque outros tipos de igrejas desses dois capítulos também participarão da promessa. ... São declarações como essa [o uso do nome fenício Jezabel em Tiatira] que dão crédito à interpretação histórico-profética. ... Em Apocalipse 2:22 a mulher deve ser lançada na Grande Tribulação. Isso significa que, diferentemente da Igreja verdadeira, a Igreja Católica Romana [representada por Jezabel] entrará na Grande Tribulação. ... Este é outro exemplo de uma passagem que simplesmente não pode ser limitada à situação local.”

Artigos Relacionados

A Origem do Papado A Origem do Papado
O Catecismo da Igreja Católica declara: “O Pontífice Romano, em razão de seu cargo de Vigário de...
Confissões Católicas sobre o Sábado e o Domingo Confissões Católicas sobre o Sábado e o Domingo
1) James Cardinal Gibbons, The Faith of our Fathers, 88. ed., p. 89. "Mas você pode ler a Bíblia de...
Os Pais da Igreja e a Suficiência das Escrituras Os Pais da Igreja e a Suficiência das Escrituras
Um dos lemas fundamentais da Reforma Protestante foi o princípio “Sola Scriptura”, “Somente as...
Como os Judeus Interpretavam a Profecia do Servo Sofredor (Isaías 53)? Como os Judeus Interpretavam a Profecia do Servo Sofredor (Isaías 53)?
É comumente afirmado que Isaías 53 nunca foi considerado messiânico por rabinos e sábios judeus. Às...

Fruchtenbaum sugere a seguinte correlação histórica: Éfeso é a Igreja Apostólica (30-100 d.C.); Esmirna é a Igreja da perseguição romana (100-313 d.C.); Pérgamo é a Igreja da era de Constantino (313-600 d.C.); Tiatira é a Igreja da Idade das Trevas (600-1517 d.C.); Sardes é a Igreja da Reforma (1517-1648); Filadélfia é a Igreja do grande movimento missionário (1648-1900); Laodicéia é a Igreja da apostasia (1900- dias atuais).

É nossa opinião que a visão histórico-profética sofre de numerosos problemas.

  1. Há uma discordância significativa entre diferentes proponentes da visão sobre quais períodos da história são representados, tanto em suas características quanto nas datas. Nisso, o esquema histórico-profético sofre dos mesmos problemas que a interpretação historicista da revelação.
  2. A história da igreja é muito mais complexa do que pode ser refletida por sete períodos que compartilham características globais. 
  3. A correlação feita entre as cartas e a história da igreja é totalmente ocidentalizada e deixa de levar em conta importantes movimentos e atividades em outras partes do mundo.
  4. Se as igrejas realmente são representativas do curso da história da igreja, esse fato deve ter sido escondido da igreja primitiva ou teria destruído o conceito da iminência do retorno de Cristo.
  5. A interpretação histórico-profética parece ler mais no texto do que o pretendido.

Richard Chenevix Trench observa:

“A multiplicidade de dissertações, ensaios e livros que foram, e ainda estão sendo escritos, em apoio a esse esquema de interpretação, deve permanecer um monumento singular de ingenuidade desperdiçada e trabalho mal aplicado ... uma busca de futuro nas Escrituras que não pode ser encontrado lá. . . uma resolução para extrair dela aquilo que aquele que extrai deve primeiro ter colocado. Os homens nunca tornarão as Escrituras mais ricas. Eles as terão tornado muito mais pobre para si mesmos, se se nutrirem com as fantasias dos homens, no lugar das verdades de Deus.”

Traduzido e adaptado a partir de Bible Study Tools: 15.1.5. Representative of Seven Stages of Church History <https://www.biblestudytools.com/commentaries/revelation/related-topics/representative-of-seven-stages-of-church-history.html>.

Nota: “A ideia de que essas sete igrejas [Apocalipse 2 e 3] descrevem sete sucessivos períodos da História da Igreja nem precisa de refutação. Para não dizer nada sobre a quase humorística - se não deplorável - exegese que, por exemplo, torna a Igreja 'morta' de Sardes uma referência à era gloriosa da Reforma, deveria estar claro para qualquer estudante da Bíblia que não há em todo o escrito sacro qualquer átomo de evidência que corrobore esse método totalmente arbitrário de dividir a História da Igreja e atribuir as partes resultantes às respectivas cartas de Apocalipse 2 e 3. As cartas descrevem condições que não ocorrem em qualquer época em particular da História, mas que se repetem muitas vezes.” (HENDRIKSEN, William. Mais que Vencedores. 2. ed. São Paulo: Cultura Cristã, 2011. p. 78-79)

Artigos Relacionados

A Bíblia É Realmente Confiável? A Bíblia É Realmente Confiável?
Nenhum livro deu mais o que dizer, seja bom ou ruim, do que a Bíblia. Atualmente, vivemos um tempo...
Os Valdenses e a Guarda do Sábado Os Valdenses e a Guarda do Sábado
Os primeiros Valdenses foram membros de um movimento de reforma na Europa, especificamente nas...
A Igreja Primitiva e as Leis Alimentares do Antigo Testamento A Igreja Primitiva e as Leis Alimentares do Antigo Testamento
A Igreja cristã primitiva possuía em alta conta os Dez Mandamentos (Êxodo 20). Nas palavras de...
Onde está o túmulo de Jesus: na “Igreja do Santo Sepulcro” ou na “Tumba do Jardim”? Onde está o túmulo de Jesus: na “Igreja do Santo Sepulcro” ou na “Tumba do Jardim”?
Onde está localizado hoje o túmulo que foi deixado vazio após a ressurreição de Jesus? Existem duas...

Envie suas perguntas