Nota: LeRoy Froom, um líder adventista, escreveu que se a Igreja Adventista não tivesse a mensagem do Juízo Investigativo, “ninguém teria lugar justificável no mundo religioso, nenhuma missão e mensagem denominacional distinta, nenhuma desculpa para funcionar como uma igreja separada hoje.” (Movimento do Destino, p. 542)

Prefácio

O Juízo Investigativo (JI) é uma doutrina complexa, única apenas para a Igreja Adventista do Sétimo Dia. É complexa porque as Escrituras foram distorcidas e manipuladas para fazer essa doutrina parecer bíblica. A maioria dos membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia provavelmente não seria capaz de explicá-la sem material Adventista e de Ellen G. White (EGW) na frente deles para guiá-los.

A doutrina do Juízo Investigativo tem sido a doutrina mais controversa e debatida dentro da Igreja Adventista desde a sua criação. Ellen White colocou seu selo visionário de aprovação nela e a Igreja Adventista do Sétimo Dia não pode descartá-la sem admitir que Ellen G. White foi uma falsa profetisa.

Espero tornar a doutrina do Juízo Investigativo de Ellen G. White simples de entender, para que os cristãos sinceros possam ver que ela não tem fundamento bíblico e que foi invenção de fanáticos religiosos.

Parte 1

Como o juízo investigativo começou?

Milhares de pessoas de todas as denominações participaram do “Movimento do Advento”, também conhecido como “Movimento Milerita” e “O Grande Desapontamento”. Essas pessoas equivocadas acreditavam que Cristo retornaria à Terra e as salvaria e destruiria os ímpios, incluindo aqueles que rejeitaram o cronograma de William Miller, com o fogo do inferno chovendo do céu. A primeira data marcada para o “fim do mundo” foi no outono de 1843, depois na primavera de 1844 e finalmente em 22 de outubro de 1844.

Desnecessário dizer que todas essas datas se passaram sem o retorno do Salvador. Daí o termo “O Grande Desapontamento”. O fato de Cristo não retornar à Terra dividiu os mileritas em dois grupos. O maior grupo foi liderado por Miller, que renunciou à sua crença em qualquer coisa que acontecesse profeticamente em 1844 e também renunciou à DOUTRINA DA PORTA FECHADA. Os mileritas voltaram a realizar reuniões evangelísticas e ganhar almas para Cristo.

O grupo dissidente liderado por Ellen G. Harmon (mais tarde a esposa de James White), James White, o capitão Joseph Bates e outros mantiveram a DOUTRINA DA PORTA FECHADA, afirmando que a porta da salvação para o mundo foi fechada. Eles se chamavam “O Pequeno Rebanho”.

Houve uma divisão entre os Mileritas e o grupo dos White e Bates. O “Pequeno Rebanho” estava tentando provar aos Mileritas que eles não estavam enganados sobre a data de 1844 e a porta fechada, e que algo aconteceu. Ellen White culpou a Deus pelo fracasso por Cristo não ter retornado, pois ela afirmou que Deus colocou a Sua mão sobre as figuras do mapa profético e eles não puderam ver o erro. Ellen G. White afirmou que os números estavam corretos, mas o evento estava errado. Ela prosseguiu dizendo que, em vez de Cristo vir para purificar o Santuário na Terra, Ele se mudou do Lugar Santo para o Santíssimo em 1844, para iniciar um Juízo Investigativo para purificar o Santuário no Paraíso.

Foi pouco depois do desapontamento de 22 de outubro de 1844 que a teoria do Juízo Investigativo se desenvolveu. O Juízo Investigativo não é uma doutrina antiga da Bíblia, mas é de origem moderna.

Ellen White explica o juízo investigativo

Por favor, leia atentamente e entenda o que Ellen White nos diz em seu livro O Grande Conflito. No capítulo que trata do evento “que foi profetizado na profecia sobre o término dos 2300 dias de 1844”, ela escreve:

“Assistido por anjos celestiais, nosso grande Sumo Sacerdote entra no Santo dos Santos, e lá aparece na presença de Deus, para se engajar nos últimos atos de Sua ministração em favor do homem - para executar o trabalho de juízo investigativo, e para fazer uma expiação por todos os que têm direito a seus benefícios.

“... Assim, no grande dia da expiação final e do juízo investigativo, os únicos casos considerados são os do povo professo de Deus. O juízo dos ímpios é um trabalho distinto e separado, num período posterior.”

O Grande Conflito, edição de 1950, página 480

“À medida que os livros de registro são abertos no juízo, as vidas de todos os que creram em Jesus são revistos diante de Deus. Começando com aqueles que primeiro viveram na Terra, nosso Advogado apresenta os casos de cada geração sucessiva e termina com os vivos. Todo nome é mencionado, todos os casos são investigados de perto. Nomes são aceitos, nomes são rejeitados.”

O Grande Conflito, edição de 1950, página 483

“Na hora marcada para o juízo - o fim dos 2300 dias, em 1844 - começou o trabalho de investigação e apagamento dos pecados. Todos os que já tomaram sobre si o nome de Cristo devem passar pelo seu exame minucioso e os mortos são julgados ‘pelas coisas que foram escritas nos livros, segundo as suas obras.’”

O Grande Conflito, edição de 1950, página 486

“Embora todas as nações devam ser julgadas diante de Deus, Ele examinará os casos de cada indivíduo com um exame minucioso, como se não houvesse outro ser sobre a Terra. Cada um deve ser testado e encontrado sem mancha ou ruga ou qualquer coisa assim.”

O Grande Conflito, edição de 1950, página 490).

“O Juízo está acontecendo agora no santuário acima. Há quarenta anos esta obra está em progresso. Logo - ninguém sabe em quanto tempo - passará para os casos dos vivos.”

O Grande Conflito, edição de 1884, página 315).

Das afirmações anteriores, Ellen G. White faz quatro pontos e vamos examinar cada um deles e compará-los com as Escrituras.

Comparando o Juízo Investigativo de Ellen G. White com a Bíblia

Ponto 1: Determinação de quem está preparado para o reino

Ellen G. White:

“Este trabalho de exame de caráter, de determinar quem está preparado para o reino de Deus, é o do juízo investigativo.”

O Grande Conflito, p. 489, 1939; p. 428, 1950)

Jesus precisou do Juízo Investigativo de 1844 com o propósito de “determinar quem está preparado para o reino de Deus”? A Bíblia nos diz que Jesus já sabia quem está preparado para o Seu reino. Este é um atributo de Deus que é chamado de onisciência ou ter conhecimento prévio.

A Bíblia responde a essa pergunta e nos diz que Jesus sabia quem eram Suas ovelhas 1810 anos antes de 1844. Por outro lado, Ellen G. White nos diz que Jesus precisava do Juízo Investigativo para determinar quem elas são. Jesus esqueceu quem eram Suas ovelhas desde o primeiro século e depois teve que agendar um Juízo Investigativo em 1844 para refrescar Sua memória?

João 10:14 (NVI):

Eu sou o bom pastor; eu conheço minhas ovelhas e minhas ovelhas me conhecem.

João 10:14

Jesus diz no primeiro século: “Eu conheço as minhas ovelhas”. De acordo com Ellen G. White, Ele deveria ter dito: Eu não conhecerei minhas ovelhas até depois de 1844. Jesus disse aos discípulos que quando Ele sentasse em Seu trono, os discípulos seriam dignos de julgar as doze tribos. Jesus não precisou esperar até 1844 para ver se os discípulos passariam no teste do Juízo Investigativo para ver se se eles poderiam julgar as doze tribos.

Mateus 19:28 (NVI):

Jesus disse-lhes: ‘Eu vos digo a verdade, na renovação de todas as coisas, quando o Filho do Homem se sentar em seu trono glorioso, vocês que me seguiram também vão sentar em doze tronos, julgando as doze tribos.

Mateus 19:28

Paulo escrevendo para Timóteo, não disse que o Senhor não saberia até depois de 1844 quem era dEle. Paulo disse: “O Senhor conhece os que são seus”.

2 Timóteo 2:19 (NVI):

No entanto, a base sólida de Deus permanece firme, selada com esta inscrição: ‘O Senhor conhece os que são seus’ e ‘Todos os que confessam o nome do Senhor devem se afastar da iniquidade.

2 Timóteo 2:19

Paulo não disse que ele teria que passar no teste do Juízo Investigativo em 1844 primeiro, para ter certeza de que seus pecados foram perdoados e apagados antes que Deus lhe desse a “coroa da justiça”.

2 Timóteo 4:7-8 (NVI): 

Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé. Agora, há para mim a coroa da justiça, a qual o Senhor, justo juiz, me concederá naquele dia - e não somente a mim, mas também a todos os que ansiaram por sua aparição.

2 Timóteo 4:7-8

É claro que o Juízo Investigativo não é para iluminar a Jesus sobre quem é digno. Não é para mostrar aos anjos os que são dignos, pois foram eles que registram as ações da humanidade. Não ajudará os mortos a saber quem serão os salvos, pois eles não conhecerão os salvos até a ressurreição. Não há razão bíblica para o Juízo Investigativo.

Ponto 2: O trabalho final da expiação e quem está autorizado a seus benefícios

Ellen G. White:

“Em 1844, Cristo então entrou no Lugar Santíssimo do santuário celestial, para executar a obra final da expiação, preparatória para a Sua vinda”

O Grande Conflito, página 481

“(...) Fazer expiação por todos os que têm direito a seus benefícios”.

(Ibid., p. 456)

Ellen G. White afirma que Jesus entrou no Lugar Santíssimo em 1844 para “realizar o trabalho de encerramento da expiação” e para fazer expiação por todos “que se mostram como tendo direito a seus benefícios”. Não há um texto bíblico que nos diga que Jesus entrou no “Santo dos Santos” em 1844, ou que Sua expiação foi apenas para aqueles “que têm direito a seus benefícios”.

A Bíblia nos diz que Jesus entrou no Santíssimo após Sua ressurreição e sentou no Trono do Pai. A Palavra de Deus prova o erro de Ellen G. White e da Igreja Adventista do Sétimo Dia quando dizem que Jesus não estava no Lugar Santíssimo até 1844!

Efésios 1:20 (NVI):

...que Ele exerceu em Cristo quando ele ressuscitou dentre os mortos e sentou-se à sua direita nos reinos celestes.

Efésios 1:20

Colossenses 3:1 (NVI):

Desde que vocês foram ressuscitados com Cristo, coloquem seus corações nas coisas acima, onde Cristo está assentado à destra de Deus.

Colossenses 3:1

1 Pedro 3:21-22 (NVI):

... e esta água simboliza o batismo que agora salva você - não a remoção de sujeira do corpo, mas o penhor de uma boa consciência para com Deus. Ele te salva pela ressurreição de Jesus Cristo, que foi para o céu e está à direita de Deus - com anjos, autoridades e poderes em submissão a ele..

1 Pedro 3:21-22

Hebreus 1:3 (NVI):

O Filho é o esplendor da glória de Deus e a representação exata de seu ser, sustentando todas as coisas por sua poderosa palavra. Depois que ele providenciou a purificação dos pecados, sentou-se à direita da Majestade no céu.

Hebreus 1:3

Hebreus 9:12 (NVI):

Ele não entrou por meio do sangue de bodes e bezerros; mas ele entrou no Lugar Santíssimo de uma vez por todas por seu próprio sangue, tendo obtido a eterna redenção.

Hebreus 9:12

Hebreus 10:12 (NVI):

Mas, quando este sacerdote havia oferecido para todos os tempos um sacrifício pelos pecados, assentou-se à destra de Deus

Hebreus 10:12

Hebreus 10:19 (NVI):

Portanto, irmãos, tenhamos confiança para entrar no Santo dos Santos pelo sangue de Jesus.

Hebreus 10:19

Hebreus 12:2 (NVI):

Vamos fixar os nossos olhos em Jesus, o autor e consumador da nossa fé, que pela alegria diante dele suportou a cruz, desprezando a sua vergonha, e sentou-se à direita do trono de Deus.

Hebreus 12:2

Nas duas citações de Ellen G. White seguintes, ela diz que “a expiação está completa” e que foi uma “expiação perfeita” que ocorreu no Calvário.

Ellen G. White:

“Ele [Cristo] plantou a cruz entre o Céu e a terra, e quando o Pai viu o sacrifício de Seu Filho, Ele se curvou perante ele em reconhecimento à sua perfeição. ‘É o suficiente’, disse Ele. ‘A expiação está completa.’”

The Review and Herald, 24 de setembro de 1901

Ellen G. White:

“O tipo encontrou o antítipo na morte de Cristo, o Cordeiro que foi morto pelos pecados do mundo. Nosso grande Sumo Sacerdote fez o único sacrifício que é de qualquer valor em nossa salvação. Quando se ofereceu na cruz, uma expiação perfeita foi feita pelos pecados do povo. Estamos agora em pé no átrio exterior, esperando e procurando aquela bendita esperança, a aparição gloriosa de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.”

The Signs of the Times, 28 de junho de 1899

Como então Jesus pode estar fazendo “uma obra final de expiação” a partir de 1844, quando foi feita uma expiação perfeita e completa na cruz? É heresia crer que Jesus teve uma expiação incompleta na cruz e precisou terminar Sua expiação algum dia no futuro. Tenha em mente que há apenas “uma expiação” e ela foi completada na cruz.

Ellen G. White disse que a expiação do Juízo Investigativo de 1844 foi apenas para as pessoas “que tomaram o nome de Cristo”, “que têm direito aos seus benefícios”. A Bíblia diz algo diferente. A expiação de Cristo não é para pessoas que têm “direito aos seus benefícios”, mas para aqueles que não têm direito a ela, que são seus inimigos, o que inclui todos os pecadores.

Paulo, falando aos cristãos romanos, lhes diz que a expiação foi feita por eles enquanto eram pecadores, e não no futuro, começando em 1844, como Ellen G. White nos faria crer.

Romanos 5:6-11 (NVI):

Você vê, na hora certa, quando ainda éramos impotentes, Cristo morreu pelos ímpios. Muito raramente alguém morrerá por um homem justo, embora, para um homem bom, alguém possa ousar morrer. Mas Deus demonstra seu próprio amor por nós nisto: enquanto ainda éramos pecadores, Cristo morreu por nós. Já que agora fomos justificados pelo seu sangue, quanto mais seremos salvos da ira de Deus através dele! Pois se, quando éramos inimigos de Deus, fomos reconciliados com ele pela morte de seu Filho, quanto mais, tendo sido reconciliados, seremos salvos através de sua vida! Não somente isso é assim, mas também nos regozijamos em Deus através de nosso Senhor Jesus Cristo, através do qual agora recebemos a reconciliação.

Romanos 5:6-11

O apóstolo Paulo sempre fala da expiação como obra consumada em seus dias, quando ele disse: “agora recebemos reconciliação”, o que significa expiação. Ouça Paulo (escrevendo em 56-57 d.C.):

Romanos 5:11 (NVI):

Não somente é assim, mas também nos regozijamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora temos recebido a reconciliação.

Romanos 5:11

Paulo está dizendo que os cristãos de hoje têm motivos para se alegrar porque “agora” receberam a expiação do pecado. Ele não disse que os cristãos teriam que esperar até 1844 para receber uma “expiação final” para ver se eles foram reconciliados com Deus.

Está claro em Hebreus que Jesus, “depois que ele providenciou a purificação dos pecados” no Calvário, sentou-se à direita de Deus. A expiação estava completa.

Hebreus 1:3 (NVI):

O Filho é o esplendor da glória de Deus e a representação exata de seu ser, sustentando todas as coisas por sua poderosa palavra. Depois que ele providenciou a purificação dos pecados, sentou-se à direita da Majestade no céu

Hebreus 1:3

Ellen G. White Move o Trono do Pai!

Ellen G. White:

“Eu vi o Pai levantar do trono, e em uma carruagem flamejante entrar no Santo dos Santos dentro do véu, e se assentar ... Então uma carruagem de nuvens, com rodas como fogo flamejante, cercada por anjos, veio para onde Jesus estava. Ele entrou na carruagem e foi levado ao mais Santo, onde o Pai estava sentado. Lá eu vi Jesus, um grande Sumo Sacerdote, em pé diante do Pai.”

(Primeiros Escritos , p. 55)

Como isso é possível, o Pai no Lugar Santo com Jesus “em um trono” por 1800 anos até 1844? O Pai tinha dois tronos, um no Santo e outro no Santo dos Santos? Claro que não! O lugar de misericórdia no Santíssimo deve ter ficado vago por 1800 anos, de acordo com a visão de Ellen G. White. Ellen G. White então move Jesus em uma carruagem flamejante para o Santo dos Santos para se unir com o Pai.

Apocalipse 4 deixa claro que o Pai estava no trono no Santíssimo e que as criaturas louvavam a Deus dizendo “santo, santo, santo” no primeiro século, quando isso foi revelado a João em visão. As criaturas se moveram com o Pai para o Santo para louvar a Deus em outro tipo de trono?

Ponto 3: Investigando os nomes

Ellen G. White:

“Quando os livros de registro são abertos no juízo, as vidas de todos os que creram em Jesus são revistos diante de Deus. Começando com aqueles que primeiro viveram na Terra, nosso Advogado apresenta os casos de cada geração sucessiva e termina com os vivos. Todo nome é mencionado, cada caso investigado de perto. Nomes são aceitos, nomes são rejeitados”

(O Grande Conflito , edição de 1950, página 483).

De acordo com Ellen G. White, todos os nomes das pessoas que primeiro viveram na Terra que acreditaram em Jesus irão dar início ao Juízo Investigativo de 1844 para ver se eles são dignos, depois disso Deus começará a julgar os vivos.

Vamos dar uma olhada nos nomes registrados na Bíblia, “que primeiro viveram na terra” e ver se Deus já decidiu se eles foram “aceitos ou rejeitados”. Se eles foram aceitos por Deus, Deus vai julgá-los de novo no Juízo Investigativo de Ellen G. White?

Adão: Romanos 5:14 (NVI):

No entanto, a morte reinou desde o tempo de Adão até o tempo de Moisés, mesmo sobre aqueles que não pecaram por quebrar um mandamento, como fez Adão, que era um modelo daquele que virá.

Romanos 5:14

Adão foi um padrão de um por vir, Jesus. Como Deus poderia dizer isso sobre Adão antes de julgá-lo em 1844 para ver se Adão era digno? Vamos encarar os fatos, Deus sabia antes de 1844 sobre o caráter de Adão.

Abel: Hebreus 11:4 (NVI):

Pela fé Abel ofereceu a Deus um sacrifício melhor do que Caim. Pela fé ele foi elogiado como um homem justo, quando Deus falou bem de suas ofertas. E pela fé ele ainda fala, mesmo estando morto.

Hebreus 11:4

Deus chamou Abel de “um homem justo”. Agora Deus vai julgar Abel através do Juízo Investigativo de 1844 para verificar se ele não cometeu um erro ao chamá-lo de homem justo?

Enoque: Hebreus 11:4-5 (NVI):

Pela fé Enoque foi tirado desta vida, de modo que ele não experimentou a morte; ele não pôde ser encontrado, porque Deus o havia levado embora. Pois antes de ser levado, ele foi elogiado como alguém que agradou a Deus.

Hebreus 11:4-5

Enoque foi “elogiado como alguém que agradou a Deus”. Deus estava enganado? Será que Deus terá que fazer Enoque passar pelo Juízo Investigativo de Ellen G. White para ter certeza de que “seus pecados foram apagados”? Pobre Enoque, se ele falhar no teste de Juízo Investigativo, ele terá que deixar o céu e queimar no inferno no fim do mundo.

Noé: Hebreus 11:7 (NVI):

Pela fé Noé, quando avisado sobre coisas ainda não vistas, em santo temor construiu uma arca para salvar sua família. Pela sua fé ele condenou o mundo e tornou-se herdeiro da justiça que vem pela fé.

Hebreus 11:7

É incrível que Ellen G. White acredite que Noé teria que ser testado em 1844 para ver se ele pode entrar no céu, quando no primeiro século Deus disse que ele se tornou um “herdeiro da justiça”.

Elias: 2 Reis 2:11 (NVI):

Enquanto caminhavam e conversavam, subitamente uma carruagem de fogo e cavalos de fogo apareceram e separaram os dois, e Elias subiu ao céu em um redemoinho.

2 Reis 2:11

Poderíamos perguntar a Deus por que Ele levou Elias para o céu, porque segundo Ellen White todos aqueles que “primeiro viveram na terra e creram em Cristo” teriam seus nomes revistos em 1844. Isto significa que o nome de Elias teria que passar pelo Juízo Investigativo. Parece que Deus colocou o carro antes do cavalo, levando Elias para o céu antes de 1844.

Poderíamos acrescentar o restante dos santos em Hebreus 11 que foram considerados dignos antes de 1844: Abraão, Sara, Isaque, Jacó, José, Moisés, Raabe, Gideão, Baraque, Sansão, Jefté, Davi, Samuel e os profetas.

Deus preparou para eles uma cidade no primeiro século declarando-os dignos? Por que Deus terá que investigá-los no século XIX? Ellen G. White deve ter acreditado que Deus estava distraído! Ellen G. White não viu isso na visão, pois contradiz a Bíblia. Ela mentiu para nós dizendo que todos os nomes dos santos que primeiro viveram na Terra aparecerão no Juízo Investigativo, pois seus casos ainda não foram decididos.

Ponto 4. Tempo quase terminado em 1850! Quão breve será em breve?

Ellen G. White:

“Há quarenta anos esta obra está em andamento. Logo - ninguém sabe em quanto tempo - passará aos casos dos vivos”

O Grande Conflito, página 315, edição de 1884

Ellen G. White mudou suas palavras inspiradas de “quarenta anos” em 1884 para “muitos anos” na edição de 1911, 1939 e 1950.

“O juízo está acontecendo agora no santuário acima. Por muitos anos este trabalho está em andamento. Logo - ninguém sabe quanto tempo - ele passará para os casos dos vivos.”

O Grande Conflito, edição de 1950, página 490

Quando Ellen G. White diz “logo” o que significa “logo”? Assim, em 1884, o Juízo Investigativo estava em andamento há quarenta anos. Somos naturalmente levados a pensar como a palavra “logo” deve ser interpretada ou que relação existe entre quarenta anos e o pensamento de que “em breve” se passaria para os casos dos vivos.

Ao dizer “logo”, depois de ter declarado que o trabalho estava em andamento há 40 anos, seria logicamente concluído que “logo” seria um período de tempo muito mais curto do que 40 anos. Portanto, Cristo deveria estar aqui há muito tempo, porque quando chegar a hora de julgar os vivos e os mortos, Cristo terá retornado.

Agora (2010) se passaram 166 anos desde 1884, e Cristo não retornou. Portanto, “logo” deve significar um período superior a 120 anos, ou então o processo de investigação e juízo foi retardado tremendamente logo após 1884 e a Sra. White não foi avisada por Deus que isso iria acontecer.

Aqui está a verdade do assunto - a teoria do Juízo Investigativo é totalmente errônea, e nenhum juízo ocorrerá até que Cristo retorne e não antes. Em um capítulo anterior do mesmo livro, a seguinte declaração ocorre:

Ellen G. White:

“Este trabalho de exame de caráter, de determinar quem está preparado para o reino de Deus, é o do juízo investigativo, a obra final do santuário”

Ibid., Edição de 1939, p. 489

As declarações precedentes chamam a atenção para uma característica muito importante da doutrina do juízo investigativo. Os proponentes originais da teoria não tinham ideia de que o suposto juízo continuaria por tanto tempo. Quando a Sra. EG White escreveu este parágrafo, ela falou do trabalho que estava em andamento há quarenta anos. Mas agora aqueles, a quem caiu o fardo de continuar o ensino do Juízo Investigativo, confrontam-se com o fato de que não quarenta anos mas bem mais de um século se passou desde 22 de outubro de 1844. No ano de 2044, Cristo estaria há 200 anos julgando os Santos. Uau!

E ainda ninguém sabe se o juízo já passou para os casos dos vivos! Sendo este o caso, a denominação Adventista do Sétimo Dia tem pregado por quatro gerações, a homens vivos, uma mensagem de hora de juízo que se referia (até onde eles sabem) aos casos dos mortos somente, e ainda não ao caso de um homem que vive na Terra! Este é realmente um pensamento perturbador!

Além disso, na medida em que “os únicos casos considerados são os do povo professo de Deus”, segue-se que a mensagem da hora de juízo pregada durante todos esses anos não se referia diretamente aos homens não convertidos. Para eles, isso só poderia significar que, se eles “assumissem o nome de Cristo”, teriam eventualmente de enfrentar as questões de um juízo investigativo. Se eles pudessem “passar pelo seu exame minucioso”, e assim “demonstrassem ter direito aos seus benefícios”, Cristo então “faria uma expiação” por eles! Isto está, de fato, muito distante do “evangelho da graça de Deus”.

Não deveriam os cristãos pregar sobre questões vivas a homens vivos?

Por que a mudança de “40 anos” para “muitos anos”?

No ano de 1850, a Sra. Ellen G. White escreveu:

“Eu vi que a hora de Jesus estar no Lugar Santíssimo estava quase terminada, e esse tempo pode durar senão um pouco mais.” (Primeiros Escritos, p. 58). Na mesma página, ela escreve: “O tempo de selamento é muito curto e logo terminará.” Mais uma vez, na página 67 do mesmo livro, ela escreve: “Mas agora o tempo está quase terminado e o que temos aprendido em anos, eles terão que aprender daqui a alguns meses.”

Isso foi escrito em meados do ano de 1850. Os pioneiros, especialmente o capitão Bates, estavam ensinando que as sete vezes que o sangue era aspergido no propiciatório (Levíticos 16:14) representavam sete anos que seriam usados por Cristo para fazer expiação no Lugar Santíssimo. Este período terminaria em 22 de outubro de 1851, quando eles esperavam confiantemente que Cristo retornaria. Eles tinham quase seis anos chegado às suas conclusões, mas os laodiceanos que vieram depois disso teriam que aprender em “alguns meses” o que eles aprenderam em seis anos.

Na medida em que, de acordo com o ensinamento, Cristo tinha estado naquele tempo no Lugar Santíssimo por seis anos, e o tempo para Ele estar naquele lugar estava quase terminado, como é que Ele continuou ali por mais de um século? Um período não está “quase terminado” quando apenas seis anos se passaram de mais de cem. Se a Sra. White tivesse dito em 1850 que o tempo estava quase terminado, isso teria sido diferente; mas ela não disse isso. Era “a hora de Jesus estar no Lugar Santíssimo” que estava “quase terminada”.

Aqueles que tiveram que aprender em “alguns meses” estão mortos e os Adventistas ainda estão tentando aprender o que a Ellen G. White e os pioneiros aprenderam em seis anos. Eles são aprendizes lentos ou o quê?

Parte 2

Textos bíblicos usados para apoiar a teoria do Juízo Investigativo

Daniel 8:14 (KJV):

E disse-me: ‘Até dois mil e trezentos dias; então o santuário será purificado.

Daniel 8:14

 

Daniel 8:14 (NVI):

Ele me disse: ‘Levará 2.300 tardes e manhãs; então o santuário será reconsagrado.

Daniel 8:14

“O santuário sendo purificado” na KJV não é uma interpretação precisa. As traduções modernas são mais precisas, como a NVI usando “reconsagrado” e a NRSV usando o termo “restaurado”.

Daniel 8:14 (NRSV):

Respondeu-lhe ele: ‘Por duas mil e trezentos tardes e manhãs; então o santuário será restaurado ao seu estado legítimo.’

Daniel 8:14

O serviço do santuário de Daniel 8:14 não tem nada a ver com os serviços do “Dia da Expiação” ou qualquer evento futuro em 1844. Como o santuário estava contaminado? Vs. 9-12 nos dizem que foi o pequeno chifre que profanou o santuário. Isso nunca seria limpo pelos serviços do Dia da Expiação. Esta profanação ocorreu por Antíoco Epifânio no segundo século a.C., como registrado em 1 Macabeus 4:36, 41-45, 52,53. Esta limpeza por Judas e os judeus, foi concluída no nono mês, no dia 25. Não é no décimo dia do sétimo mês, que é o Dia da Expiação.

Limpezas do santuário que não foram feitas no Dia da Expiação.

2 Crônicas 29:4-5 (NVI):

Ele trouxe os sacerdotes e os levitas, reuniu-os na praça ao leste e disse: ‘Ouçam-me, levitas! Consagrai-vos agora e consagrem o templo do Senhor, o Deus de vossos pais. Removam toda impureza do santuário.

2 Crônicas 29:4-5

2 Crônicas 29:15-18 (NVI):

Tendo reunido e consagrado os seus parentes, os levitas foram purificar o templo do Senhor, conforme o rei havia ordenado em obediência à palavra do Senhor. Os sacerdotes entraram no santuário do Senhor para purificá-lo e trouxeram para o pátio do templo do Senhor todas as coisas impuras que lá havia, e os levitas as levaram para o vale de Cedrom. Começaram a consagração no dia primeiro do primeiro mês, e no oitavo dia chegaram ao pórtico do Senhor. Durante mais oito dias consagraram o templo do Senhor propriamente dito, terminando tudo no dia dezesseis. Depois foram falar com o rei Ezequias e lhe relataram: ‘Purificamos todo o templo do Senhor, o altar dos holocaustos e a mesa do pão consagrado, ambos com todos seus utensílios.’

2 Crônicas 29:15-18

Daniel 7:9-10 (NVI):

Quando eu olhei, tronos foram colocados no lugar, e o Ancião de Dias tomou seu lugar. Sua roupa era branca como a neve; o cabelo de sua cabeça era branco como lã. Seu trono flamejava com fogo e suas rodas estavam todas em chamas. Um rio de fogo estava fluindo, saindo de diante dele. Milhares e milhares de pessoas o atenderam; dez mil vezes dez mil estavam diante dele. O tribunal estava sentado e os livros foram abertos.

Daniel 7:9-10

Ellen G. White e a Igreja Adventista do Sétimo Dia interpretam o juízo de Daniel 7 como o Juízo Investigativo de 1844 dos santos. Se você olhar de perto este capítulo, descobrirá que é um juízo de Deus contra o poder da besta que estava perseguindo os santos. Os santos não são julgados por seus pecados, mas são vindicados por Deus. Leia Daniel 7:21-26. Não há nada nesta Escritura que descreva o Juízo Investigativo de Ellen White. Isto é uma perversão das Escrituras para tentar fazer ela encaixar em um ensinamento não-bíblico.

Apocalipse 14:7 (NVI):

Ele disse em voz alta: ‘Temei a Deus e dai-lhe glória, porque a hora do seu juízo chegou. Adorai aquele que fez os céus, a terra, o mar e as fontes das águas.

Apocalipse 14:7

Apocalipse 14:7 não nos diz que a hora do juízo de Deus chegou em 1844. Quando João estava escrevendo isto para as sete igrejas de seus dias “chegou a hora de seu juízo”. Este não foi um evento futuro, mas um evento da época. Este foi o juízo contra a besta que perseguia sua igreja, que era a Roma Imperial.

James White concorda que este texto não se aplica a um juízo que começou em 1844:

“O anjo do advento (Apocalipse 14:6-7), dizendo em voz alta: ‘Temei a Deus e dai glória a Ele, pois a hora de seu juízo é chegada’, não prova que o dia do juízo veio em 1840, ou em 1844, nem que virá antes do segundo advento.”

Advent Review, setembro de 1850

Parte 3

Como Ellen G. White mudou o Juízo Investigativo em 1898

Essa mudança incluiu não apenas aqueles que professavam ser cristãos, mas todos no mundo!

“Ao falar às congregações, há sempre diante de mim o juízo final, que deve ser realizado na presença do mundo, quando a lei do governo de Deus deve ser justificada, Seu nome glorificado, Sua sabedoria reconhecida e testificada como justa por crentes e incrédulos. Este não é o juízo de uma pessoa, nem de uma nação, mas de todo um mundo de seres inteligentes, de todas as ordens, de todos os personagens. O juízo ocorre primeiro sobre os mortos, depois sobre os vivos, então todo o universo será reunido para ouvir a sentença. Sinto-me como se estivesse na presença de todo o universo do céu, levando minha mensagem para o tempo e para a eternidade.”

Carta 109, 1898, p. 4. Para o irmão Moon, 29 de novembro de 1898. Manuscript Releases, volume oito, página 244, parágrafo 2

James White, em 1850, não acreditava em um Juízo Investigativo

“Alguns argumentaram que o dia do juízo era anterior ao segundo advento. Essa visão certamente não tem fundamento na palavra de Deus … Daniel, nas visões noturnas, viu que ‘o juízo foi dado aos santos do Altíssimo’, mas não aos santos mortais - não ‘até que o Ancião de dias viesse’, e o ‘chifre pequeno’ deixasse de prevalecer, o que não será até que ele seja destruído pelo brilho da vinda de Cristo. ‘Eu te ordeno diante de Deus e do Senhor Jesus Cristo, que julgará os vivos e os mortos (não antes) por seu aparecimento e seu reino’. —2 Tim. 4: 1. O anjo do advento (Apocalipse 14:6-7), dizendo em voz alta: ‘Temei a Deus e dai glória a Ele, pois a hora de seu juízo é chegada’, não prova que o dia do juízo veio em 1840, ou em 1844, nem que virá antes do segundo advento.”

Advent Review, setembro de 1850

“Não é necessário que a sentença final seja dada antes da primeira ressurreição, como alguns ensinaram; pois os nomes dos santos estão escritos no céu, e Jesus, e os anjos certamente saberão quem ressuscitar e reunir na Nova Jerusalém.”

James White, A Word to the Little Flock, 1847, p. 24

Se o Juízo Investigativo não tem fundamento na Palavra de Deus em 1850 e antes, então é sempre sem fundamento na Palavra de Deus. Tiago mudou sua visão bíblica para apoiar as visões não-bíblicas de sua esposa Ellen.

Parte 4

Ellen White “interpretou erroneamente” sua visão de porta fechada do 1844, admite Robert Olson do Centro White

Ellen White “interpretou erroneamente” sua visão da porta fechada de 1844, admite Robert Olson, do White Estate [Centro White, nos Estados Unidos], e reconheceu isso no livreto “Cento e uma perguntas sobre o santuário e Ellen White”, p. 58. Ele explica na página 65, “The Shut Door”:

“A Ellen foram mostrados três grupos de pessoas:

  1. Os santos vivos, 144.000 em número, que mantiveram sua fé na experiência de 22 de outubro,
  2. antigos mileritas que consideraram o movimento de 1844 como um erro e que afirmaram que ‘não foi Deus quem os conduziu até agora’, e
  3. ‘o mundo iníquo que Deus rejeitara.’

Ellen interpretou mal essa visão. Ela entendeu corretamente que o dia da salvação para os dois últimos grupos havia passado. Para eles, a porta estava fechada. (Veja Mensagens Selecionadas, livro 1, p. 62.) Mas ela concluiu incorretamente que ninguém poderia aceitar a Cristo depois de 22 de outubro, que somente o pequeno rebanho remanescente na família da fé seria salvo e que todos os outros se perderiam. De alguma forma, ela não conseguiu ver que a figura dos 144.000, embora interpretada, deve certamente incluir mais do que alguns poucos e pequenos grupos de adventistas.”

Robert Olson também está errado quando disse:

“Ela entendeu corretamente que o dia da salvação para os dois últimos grupos já havia passado. Para eles, a porta estava fechada.”

O dia da salvação foi realmente fechado para os dois últimos grupos? Deus nunca fechou a porta da salvação. Foi Ellen G. White que “FECHOU A PORTA” da salvação ao mundo.

Olson nos diz que Ellen G. White acreditava que para os grupos (b) e (c) a porta estava fechada. O grupo (b), os mileritas, começou a realizar reuniões evangelísticas e a ganhar almas para Cristo depois de 1844, enquanto os White afirmavam que a porta da salvação estava fechada a todos, menos ao seu pequeno grupo. Ellen G. White não abriu a porta da salvação até 1851.

Deus não rejeitou ninguém que não acreditasse na falsa mensagem de fixação de datas de Miller. A porta da salvação nunca se fechou desde o Calvário. Ellen G. White não teve nada correto em sua visão da porta fechada!

Conclusão

O Juízo Investigativo não esclarece Deus.

Hebreus 4:13 (NVI):

Nada em toda a criação está oculto da vista de Deus. Tudo está descoberto e exposto diante dos olhos daquele a quem devemos prestar contas.

Hebreus 4:13

O Juízo Investigativo não esclarece os anjos. Anjos sabem o que está escrito nos livros.

O Juízo Investigativo não esclarece os mortos ou os vivos de seu status com Deus.

O que o Juízo Investigativo faz é isto: Ele mantém os membros Adventistas em um estado de incerteza para saber se seus pecados foram ou não perdoados. O Juízo Investigativo os rouba da certeza de que seus pecados foram perdoados e apagados imediatamente. Ellen G. White diz a seus seguidores que seus pecados “arrependidos” não são cancelados e não serão apagados até o Juízo do Trono Branco em Apocalipse 20 Isto é heresia! Os pecados dos pecadores arrependidos são perdoados e apagados imediatamente por Cristo.

Ellen G. White:

“O sangue de Cristo, enquanto era para libertar o pecador arrependido da condenação da lei, não era para cancelar o pecado; ficaria registrado no santuário até a expiação final; assim, no tipo, o sangue da oferta pelo pecado removia o pecado do penitente, mas repousava no santuário até o Dia da Expiação. No grande dia do prêmio final, os mortos devem ser ‘julgados pelas coisas que foram escritas nos livros, de acordo com suas obras’. Apocalipse 20:12. Então, em virtude do sangue expiatório de Cristo, os pecados de todo o verdadeiro penitente serão apagados dos livros do céu. Assim, o santuário será libertado, ou purificado, do registro do pecado. No tipo, esta grande obra de expiação, ou apagamento dos pecados, foi representada pelos serviços do Dia da Expiação - a purificação do santuário terrestre, que era realizada pela remoção, em virtude do sangue da oferta pelo pecado, dos pecados pelos quais foi poluído.”

Patriarcas e Profetas, p. 357-358

A Igreja Adventista do Sétimo Dia usou a doutrina não-bíblica de Ellen G. White para explicar por que a Segunda Vinda de Cristo não ocorreu em 1843, 1844 e em 1845 e para apoiar a visão de sua profetisa.

Haverá um Juízo após a Segunda Vinda de Cristo, chamado O “Grande Trono Branco”, onde os livros são abertos e onde os ímpios são lançados no lago de fogo. Veja Apocalipse 20:11. Abrir os livros não é informar a Deus ou aos anjos dos salvos ou dos perdidos, mas um testemunho contra aqueles que estão perdidos.

As passagens das Escrituras usadas para justificar o ensinamento do Juízo Investigativo em consideração não são numerosas. Um exame cuidadoso das poucas que são invocadas revelará que essas passagens ou refutam inteiramente a teoria, ou então não fornecem suporte algum.

Atos dos Apóstolos 3:19 (NVI):

Arrependam-se, então, e voltem-se para Deus, para que seus pecados sejam apagados, para que os tempos refrescantes possam vir do Senhor.

Atos dos Apóstolos 3:19

Atos dos Apóstolos 2:38 (NVI):

Pedro respondeu: ‘Arrependam-se e sejam batizados, cada um de vocês, em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos seus pecados. E vocês receberão o dom do Espírito Santo.

Atos dos Apóstolos 2:38

Pedro não estava dizendo a seus ouvintes que o “apagar os pecados” era um evento futuro, mas um evento presente, quando momentos de renovação aconteceriam e eles receberiam o dom do Espírito Santo. Este não era um evento de 1844 para os mortos em um Juízo Investigativo.


Traduzido por Fabricio Luís Lovato a partir de “Investigative judgment made simple” <http://www.truthorfables.com/investigative_judgment_made_simple.htm>

Artigos Relacionados

Até Duas Mil e Trezentas Tardes e Manhãs; E O Santuário Será Purificado Até Duas Mil e Trezentas Tardes e Manhãs; E O Santuário Será Purificado
Todos os Dias eram sacrificados dois cordeiros no santuário. Um pela manhã e outro pela tarde. Por isso o anjo falou: Até duas mil e trezentas...
Deuteronômio 5:12-15 ensina que o Sábado era apenas para Israel? Deuteronômio 5:12-15 ensina que o Sábado era apenas para Israel?
Guarda o dia de sábado, para o santificar, como te ordenou o SENHOR teu Deus. Seis dias trabalharás, e farás todo o teu trabalho. Mas o sétimo...
“Experiências de Quase-Morte”: As Visitas ao Céu São Reais? “Experiências de Quase-Morte”: As Visitas ao Céu São Reais?
Um livro de um pastor contando a visita de seu filho ao céu subiu ao topo da lista de best-sellers e se tornou um grande filme. Cristãos foram rá...
Os Cristãos Podem Praticar Ioga? Os Cristãos Podem Praticar Ioga?
Muitos acreditam que o Ioga trata-se apenas de uma série de exercícios físicos, de postura e/ou respiratórios, a fim de se alcançar um estado de...

Envie suas perguntas