Texto de Estudo

Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo.   Efésios 6:11

INTRODUÇÃO

            No século XXI, a família está sob ataque das forças do inferno, de maneira sistemática e insidiosa. Em todos os tempos, esse ataque tem sido real, porém nunca como nos dias presentes. Satanás tem conseguido mobilizar governos, sistemas judiciários, escolas e faculdades, para minar as bases da instituição familiar. Só em Cristo a família pode resistir às investidas satânicas.

Forças opressivas trabalham, insidiosamente, para destruírem as famílias, dia após dia, minando o poder que a instituição representa no amplo contexto deste país. A crise que atinge a família já se espalhou pelo mundo e, infelizmente, também no Brasil, a deterioração moral e a espiritual desenvolvem-se numa velocidade alarmante. A falta de discernimento leva pessoas a se renderem às forças diabólicas que, por fim, transformam a sociedade e arruínam as famílias.[1]

O primeiro ataque ao casamento e à família ocorreu no Éden. Daquele episódio, surgiu a inclinação inata do ser humano para pecar, trazendo consequências drásticas sobre aqueles dois lindos e perfeitos projetos de Deus.

 

OS ATAQUES DO INIMIGO

Os alicerces da família estão sendo abalados; há uma orquestração perversa contra essa instituição divina, com o propósito de desconstruir seus valores. Atualmente há, pelo menos, três forças poderosas que se voltam contra a família. Vejamos:

1.    Ataque às crianças. Em muitas escolas, tanto da rede pública como na privada, o ensino materialista é valorizado e repassado de modo contínuo. A educação que nossos filhos recebem é totalmente influenciada pelo materialismo e pelo ateísmo. Os currículos, que reúnem os conteúdos programáticos, a serem transmitidos nas salas de aula, são fundamentados na filosofia evolucionista. Tudo começa com a explicação sobre a origem da matéria, da vida, do homem e de tudo que existe no universo. Os pais não podem negligenciar a educação dos filhos e devem levá-los aos pés do Senhor. A Igreja também deve ajudar nessa nobre missão, oferecendo uma educação religiosa de qualidade.

2.    Ataque à disciplina no lar. Existem questionamentos relacionados à aplicação da disciplina aos filhos. Mas, segundo a Palavra de Deus, aplicada com sabedoria, a disciplina livra a criança de grande dano.“Não evite disciplinar a criança; se você a disciplinar com a vara, ela não morrerá. Discipline-a, você mesmo, com a vara, e assim a livrará da sepultura.” (Provérbios 23:13-14). Disciplina é toda ação instrutiva e discipuladora, pois a palavra disciplina tem a mesma raiz da discipular. De fato, uma pessoa bem disciplinada é bem educada e discipulada. Que os pais eduquem os filhos no temor e na admoestação do Senhor, e que os filhos honrem e obedeçam aos pais conforme ordena a Palavra de Deus. Também precisamos ser prudentes na aplicação da disciplina para mostrar aos filhos, acima de tudo, a forma correta de proceder em toda a sua existência.

3.    Falsos ensinos. Há diversas novas teologias que agridem diretamente a mensagem bíblica. De modo aberto, e às vezes sutil, "as portas do inferno" valem-se da Teologia para atacar a Igreja e, por consequência, as famílias. Satanás tem investido e disseminado muitos ensinos deturpados que se utilizam até de partes das Escrituras, empregadas sem a devida e correta interpretação, para confundir e afastar do Senhor as famílias, que têm sede de salvação, do caminho, da verdade, e da vida, que é o próprio Jesus Cristo (João 14:6). Inspirados por teologias liberais, algumas famílias não mais veem a Bíblia como a inspirada, inerrante e infalível Palavra de Deus. Todavia, a Bíblia é, e continuará sendo, a única regra de fé e prática do cristão. Nossas famílias precisam estar preparadas para enfrentarem as muitas teologias antibíblicas que têm se levantado no nosso tempo, pois não podemos dar chance ao adversário. Quer na igreja, quer em casa, vigiemos e oremos.

 

ATAQUES EXTERNOS CONTRA A FAMÍLIA

A família cristã é alvo de ataques de natureza externa, isto é, de forças que vem de fora, e que tentam desconstruí-la. O pastor Jaime Kemp destacou cinco forças filosóficas:

1)    Humanismo. É uma religião secular, originada e centralizada no ser humano, que visa estabelecer a predominância do próprio homem em todas as esferas da vida, eliminando Deus, considerando-o inexistente como pessoa e como autoridade soberana e suprema. Ele apresenta uma tabela que simplifica a corrente e por que é prejudicial à família.[2]

 

Posição bíblica

Posição do humanismo

Deus entronizado.

O homem entroniza a si mesmo.

Deus é autoridade absoluta.

O homem é a autoridade suprema.

Deus revela a solução para os problemas da humanidade por meio da sua Palavra.

O homem tenta resolver os problemas da humanidade por meio do próprio raciocínio.

Está arraigada à revelação divina.

Está arraigada ao raciocínio humano.

A liberdade interior vem pela obediência à Palavra de Deus.

A liberdade interior é produto da decisão humana.

Ohomem existe para glorificar a Deus.

O homem existe para glorificar a si mesmo.

Fé no sobrenatural.

Confiança no naturalismo.

A salvação é um dom de Deus.

A salvação é alcançada pela ciência humana.

A moralidade estabelece suas bases na Lei de Deus.

A moralidade estabelece a lógica humana.

A natureza humana é basicamente má.

A natureza humana é basicamente boa.

 

 

 

2)    Hedonismo. A busca incansável e insaciável pelo prazer. O hedonismo tem ferido a família e a sociedade, de forma quase imperceptível. A busca pelo prazer, ardilosamente difundida nessa filosofia, penetra cada vez mais na sociedade, afetando principalmente os jovens. Assim, promove-se a ideia de que devemos viver o momento, perseguir o prazer, sem muita preocupação com as consequências.[3]

3)    Relativismo. Tudo é relativo; nada é absoluto. O relativismo está tomando conta da sociedade moderna e da Igreja, invadindo negativamente o núcleo familiar, levando cada um e todos à permissividade, como se fosse uma onda gigantesca. As famílias cristãs estão confusas e perplexas, pois se deparam com autoridades que tomam decisões contraditórias a tudo aquilo que elas sempre aceitaram como verdade. A dissonância moral perturba e desnorteia. É comum vir à mente do cristão a mesma pergunta que Pilatos fez ao Senhor Jesus, em João 18:38: Que é a verdade?”. O Senhor nunca revogou o campo magnético, nem sua lei moral. O norte ainda é norte, e o sul ainda é sul. O homossexualismo ainda é uma perversão. Abortar ainda significa tirar a vida de um ser inocente. O casamento ainda é um compromisso sagrado entre um homem e uma mulher. Por mais que a mídia, a televisão, o cinema, os livros, as revistas e a internet se esforcem para comunicar uma moralidade distorcida, é um engano lamentável acreditar que a opinião da maioria determina o que é correto. A mídia utiliza argumentos sarcásticos, reportagens duvidosas e especialmente intimidação para convencer. E aqueles que tentam defender conceitos absolutos contra o egoísmo do relativismo moral são combatidos com extremo desprezo e cinismo. A Bíblia é o manual que Deus preparou para todo o ser humano que o aceita como Senhor de sua vida e para uma de suas instituições mais sagradas, a família. Na Palavra, Deus revela como deve ser a dinâmica familiar, seus atributos, como encaminhar dificuldades que podem surgir para o casal e como resolver os problemas relacionados aos filhos. A Bíblia, portanto, é a expressão divina da verdade absoluta.[4]

4)    Materialismo. É a preocupação ou a tendência de buscar o que justifica a matéria; não, o espírito. O materialista é alguém que corre obcecadamente atrás das coisas deste mundo, insistindo em ignorar a necessidade de satisfazer a alma, o espírito; e, por essa razão, negligencia esse ângulo da vida. A pessoa preocupa-se com o que pode ou não comprar e fica frustrada quando não consegue o que quer. A casa, o carro, as férias, os investimentos, tudo isso se mostra como objetivo supremo para muitos materialistas, visto que são os bens materiais que alimentam sua ilusória realização.[5] Infelizmente, inúmeras famílias são destruídas por conta do materialismo, pois as preocupações tomaram conta, e já não há mais lugar para Deus.

5)    Individualismo. Essa filosofia alastrou-se rapidamente na pós-modernidade e prioriza/foca o indivíduo e seus direitos. O individualismo é inimigo da família. O cenário do mundo pós-moderno produz um número crescente de separações. Se no relacionamento conjugal o cônjuge e seus direitos nem sempre são respeitados, a solução é simples: basta trocar o parceiro. Cada um se julga mais importante que o outro e não deixa de exigir seus direitos. Não há compromisso de lutar pelo casamento, pela família, de tentar manter um diálogo franco e sincero, de procurar alguém qualificado para ajudar a resolver os conflitos. O orgulho, a vaidade e o egoísmo tomam conta dos cônjuges, dificultando a restauração do casal.[6]

 

Ademais, podemos também enfatizar que outra grande ameaça à família é o secularismo, predominante na sociedade contemporânea. Trata-se de uma forma de pensar que se opõe a Deus e que pode ser bem definido como mundanismo (1 João 2:15). O secularismo é uma doutrina humanista que parte de sofismas; estes enganam as pessoas e distanciam-nas de Deus (Colossenses 2:8). Esses sofismas estão presentes em vários contextos institucionais, dentre eles destacamos: as leis e a educação. Em sua atuação mais engajada, propõe-se afrontar os princípios judaico-cristãos. Por causa disso, os ativistas buscam influenciar a sociedade para que esta aceite, com naturalidade, as mudanças secularistas por eles propostas. O uso da mídia é bastante influente nesse sentido; os meios de comunicação de massa repassam valores contrários àqueles exarados na Palavra de Deus. Novelas, noticiários e entrevistas televisivas defendem práticas contrárias aos princípios cristãos para o casamento e à família.[7]

À medida que a sociedade aceita essas práticas, os políticos atuam no Congresso com o objetivo de modificar as leis e aprovar as que nada têm de bíblicas. A educação também tem sido amplamente utilizada a fim de que, desde cedo, as crianças acatem modelos alternativos e antibíblicos de família. O próprio Estado favorece tais políticas, justificando que se trata de direito das minorias. Livros didáticos são patrocinados pelo Estado e contêm textos e imagens contrários ao modelo cristão de família: monogâmico, heterossexual e indissolúvel. Esses sofismas secularistas objetivam desconstruir o padrão bíblico familiar. A família cristã pode ser afetada por essa visão. As crianças são as que mais sofrem, pois não dispõem de maturidade, e muito menos de fundamentação bíblica para enfrentarem os sofismas.

 

ATAQUES INTERNOS CONTRA A FAMÍLIA

Mas a família cristã não sofre apenas ataques de fora; é também ameaçada por forças internas. A indisciplina é um grande problema. O liberalismo social, que nega Deus e sustenta o materialismo, tem empoderado exageradamente as crianças. A programação televisiva, que também está à disposição dos cristãos, mostra a desobediência como algo natural. Por causa disso, mesmo os filhos de cristãos, não querem obedecer aos pais, o que é um mandamento bíblico (Efésios 6:2). O desempoderamento dos pais, por sua vez, contribui para a formação de uma geração de rebeldes que não se submete às regras, nem as humanas, e muito menos as divinas.

Outro fator é o ritmo de trabalho dos pais, que pode favorecer uma condição ruim. Alguns trabalham demais e não têm mais tempo para os filhos. Quando voltam para casa, ligam a televisão ou o computador e não dão a devida atenção aos filhos. Ao invés de lerem a Bíblia e orarem, as famílias cristãs estão na mesma prática das não cristãs. O entretenimento ocupa papel primário nas decisões familiares, e a vida devocional praticamente não existe.

Uma família que é cristã deve viver como tal, não a partir de valores meramente humanos. Os cristãos não precisam se envergonhar de viverem como tais. A sociedade, respaldada em suas leis e propostas educacionais, não pode interferir no cotidiano do lar cristão. A atuação de pai, mãe e filhos, dentro do paradigma cristão, deve ser cultivado com respeito. Crianças, jovens e adultos precisam estar cientes de que vivem de modo diferente; não de acordo com o mundanismo, mas em conformidade à Palavra de Deus (Efésios 5:22-33).

 

ENFRENTANDO OS ATAQUES À FAMÍLIA

Diante dos ataques externos e internos que a família cristã sofre, faz-se necessário que esta se mostre preparada para enfrentar os ataques do inimigo. Para tanto, devemos estar revestidos de toda a armadura de Deus (Efésios 6:11), “fortalecidos no Senhor e na força do seu poder” (Efésios 6:10), para enfrentarmos as astutas ciladas de Satanás (Efésios 6:13-18). Uma família protegida contra os ataques do inimigo cinge os lombos com a verdade e, não, com a mentira que Satanás tenta propagar, usando inclusive a mídia televisiva. Ele é o pai da mentira e mentiu desde o princípio, fazendo com que Adão e Eva se distanciassem da vontade de Deus.

A família cristã não se veste com os trapos que o mundo oferece, mas com a justiça divina. A família cristã calça os pés com a preparação do Evangelho da paz (Efésios 6:15). Para apagar os dardos inflamados do Maligno, utiliza-se o escudo da fé (Efésios 6:16). É fé que vence o inimigo (1 Pedro 5:9) e o mundo, com seus sofismas anticristãos (1 João 5:4-18). A família cristã recorre ainda ao capacete da salvação e à espada do Espírito (Efésios 6:17). Enquanto o mundo caminha para a perdição, a esperança do lar cristão é a vida eterna, a salvação plena em Cristo Jesus (Romanos 5:5). A espada do Espírito é a Palavra de Deus, poderosa para confrontar os ataques de Satanás (Hebreus 4:12; Apocalipse 1:16; 2:12).

 

CONCLUSÃO

Alguns dos mais terríveis golpes contra a família são manipulados pelas autoridades públicas, ou seja, justamente por aqueles que deveriam zelar pelo fortalecimento da constituição da família tradicional (Romanos 13:4). Por outro lado, há uma onda de materialismo e de liberalismo social, ambos a serviço do Diabo, predominando nas políticas públicas. Todavia, a Igreja do Senhor Jesus Cristo, chamada de “coluna e firmeza da verdade" (1 Timóteo 3:15), precisa ser guardiã dos princípios éticos fundamentais. Assim, não pereceremos sob os ataques contra a família, mas glorificaremos a Deus. Nestes últimos dias, somente a família que obedece à Palavra de Deus conseguirá triunfar sobre as investidas de Satanás.

 

Artigos Relacionados

A Bíblia Incentiva o Estupro? A Bíblia Incentiva o Estupro?
Uma ideia predominante nos círculos céticos é que o Deus do Antigo Testamento é cruel e tolera práticas que são imorais. Cada exemplo que os cé...
Bíblia: O Mais Antigo Livro de Medicina Preventiva Bíblia: O Mais Antigo Livro de Medicina Preventiva
Em 28 de setembro de 1976, o seguinte telegrama foi recebido na sede da Organização Mundial da Saúde em Genebra: UMA SÉRIA EPIDEMIA DE NATUREZA...
O Juízo Investigativo de 1844 É uma Doutrina Bíblica? O Juízo Investigativo de 1844 É uma Doutrina Bíblica?
Nota: LeRoy Froom, um líder adventista, escreveu que se a Igreja Adventista não tivesse a mensagem do Juízo Investigativo, “ninguém teria lugar...
Deuteronômio 5:12-15 ensina que o Sábado era apenas para Israel? Deuteronômio 5:12-15 ensina que o Sábado era apenas para Israel?
Guarda o dia de sábado, para o santificar, como te ordenou o SENHOR teu Deus. Seis dias trabalharás, e farás todo o teu trabalho. Mas o sétimo...

Envie suas perguntas