Existem alegações de que o historiador judeu Flávio Josefo (37-100 d.C.) disse que seu povo acreditava na reencarnação.

Isso não é verdade.

Havia duas visões gerais da vida após a morte entre os judeus em sua época. Um ponto de vista - que era uma posição minoritária mantida pelos saduceus - alegava que não havia vida após a morte. A outra visão - que era a posição majoritária e que era defendida por fariseus, cristãos e outros judeus - alegava que os mortos seriam ressuscitados no último dia.

Neste post, vamos olhar para os escritos do próprio Josefo.

1) O que Josefo poderia ter dito

As obras sobreviventes de Josefo foram escritas para uma audiência greco-romana, após a desastrosa guerra judaica dos anos 60, quando os judeus tinham uma péssima reputação em todo o mundo mediterrâneo.

Consequentemente, em seus escritos, Josefo faz o melhor que pode para reabilitar a reputação de seus correligionários, e às vezes ele modifica a verdade para fazê-lo.

Se Josefo tivesse dito que os judeus acreditavam em reencarnação, não teria sido porque isso era verdade - a evidência contra isso nesse período é simplesmente muito forte - mas porque ele queria que seus compatriotas parecessem menos estranhos ao seu público, muitos dos quais (sendo greco-romanos) acreditavam em reencarnação.

Mas seria mesmo improvável que ele fizesse isso, porque tudo o que um de seus leitores teria que fazer é perguntar a um judeu local se seu povo acreditava em reencarnação, e eles teriam recebido uma resposta zombeteira e irônica, possivelmente com o acusado escarnecendo de Josefo.

Josefo era esperto demais para fazer uma afirmação tão facilmente falsificável.

Teria sido particularmente improvável ele fazer tal alegação porque ele tinha críticos judeus, e se havia alguma reputação que ele se importava mais do que a de seu povo, era a sua própria. Josefo não ia fazer uma afirmação facilmente falsificável que pudesse prejudicar sua própria reputação!

Consequentemente, seria mais provável que ele explicasse crenças judaicas sobre a vida após a morte de uma forma que não os fizesse parecer muito estranhos, mas isso não era falsificá-las.

Em outras palavras, ele poderia ter uma crença judaica suave na ressurreição, mas ele não a teria falsificado completamente.

2) Josefo e as seitas judaicas

Em sua autobiografia (veja Vida 1-2 [1-12]), Josefo nos diz que ele cresceu em uma família sacerdotal e era muito estudioso.

Quando ele tinha 16 anos, decidiu explorar as diferentes seitas judaicas e determinar qual era a melhor. Ele, portanto, explorou os fariseus, os saduceus e os essênios, bem como permaneceu com um asceta chamado Banus no deserto. Então, aos 19 anos, ele decidiu ser fariseu.

Quando adolescente, Josefo não poderia ter feito uma exploração completa dos ensinamentos desses grupos, especialmente naquela quantidade de tempo. Ele até diz que ficou com Banus por três anos, o que teria consumido todo o período de investigação (embora, em cálculos antigos, “três anos” significasse apenas dois anos mais uma parte de um terço).

Embora ele não tenha feito um estudo rigoroso e detalhado desses grupos quando jovem, ele cresceu entre eles, e continuou a viver entre eles como um adulto, e é certo que estava familiarizado com seus principais ensinamentos e pontos de diferença entre si.

Isso teria incluído uma consciência da disputa entre os fariseus e os saduceus sobre se há uma ressurreição ou se não há vida após a morte. Como fariseu, ele certamente teria sabido que a seita com a qual ele se identificava acreditava na ressurreição, e isso torna extraordinariamente improvável que ele dissesse que seus compatriotas acreditavam na reencarnação.

Então, por que alguém pensaria que ele o fez?

3) Josefo na tradução de Whiston

Em 1736, um homem chamado William Whiston publicou uma tradução das obras de Josefo, e esta se tornou a edição inglesa padrão delas. Hoje ela está no domínio público e em toda a Internet.

Infelizmente, também é bastante falha, e daqui a pouco veremos um exemplo disso.

Em sua história da Guerra Judaica dos anos 60 d.C., Josefo explica as diferentes seitas judaicas em benefício de seus leitores. Ao fazê-lo, ele observa que os saduceus não acreditavam em vida após a morte, e - na tradução de Whiston - isso é o que ele diz sobre a crença dos fariseus sobre o assunto:

“Dizem que todas as almas são incorruptíveis; mas que as almas dos homens bons são apenas mudadas para outros corpos, mas as almas dos homens maus estão sujeitas ao castigo eterno.” (Guerras 2:8:14 [163]).

Observe a frase: “para outros corpos” (plural).

Para um leitor desatento, ou não familiarizado com o que os fariseus realmente ensinavam, isso poderia sugerir reencarnação - que após a morte a alma de um homem justo entraria em um corpo, apenas para morrer e entrar em outro, e assim por diante - vida após vida.

No entanto, este é um lugar onde a tradução de Whiston está errada.

Eu verifiquei o grego, e o que Josefo realmente diz é que a alma do homem bom entra eis heteron sōma - “em outro corpo” (singular).

O que Josefo está falando aqui é sobre o corpo reconstituído e ressuscitado que eles receberão no último dia - não sobre uma série de corpos recebidos em diferentes vidas durante a história.

É o mesmo modo básico de linguagem que Paulo usa quando - no meio de uma defesa apaixonada da doutrina da ressurreição - ele escreve:

“Mas alguém dirá: ‘Como os mortos são ressuscitados? E com que tipo de corpo eles vêm?’ Pessoa tola! O que você semeia não vem à vida a menos que morra. … Assim também é a ressurreição dos mortos. Ele é semeado em corrupção e ressuscitado em incorruptibilidade. É semeado em desonra e ressuscitado em glória. É semeado em fraqueza e ressuscitado em poder. Semeia-se um corpo natural, é levantado um corpo espiritual. Se existe um corpo natural, há também um corpo espiritual.” (1 Coríntios 15:35-36, 42-44, LEB).

Paulo deixa claro que há continuidade e diferença entre os corpos que temos nesta vida e os corpos ressuscitados que um dia receberemos.

Há continuidade porque é fundamentalmente o mesmo corpo: “É” (singular) “semeado” e “ressuscitado”.

Mas há também uma diferença, porque sua condição inicial é natural e corruptível e sua condição posterior é espiritual e incorruptível.

Refletindo essa continuidade e diferença, Paulo compara nossos corpos a sementes semeadas no solo e que depois se transformam em plantas maduras.

No entanto, a continuidade entre os dois não o impede de falar de suas duas condições como se fossem dois corpos - um natural e outro espiritual.

Na realidade, é um corpo que experimenta uma mudança dramática na condição.

Josefo está descrevendo a mesma coisa, só que ele não está deixando clara a continuidade entre o corpo que temos nesta vida e o corpo ressuscitado - presumivelmente para prevenir a crença dos fariseus na ressurreição de parecer “muito estranha” para seu público greco-romano público.

Ele assim descreve com precisão a descrença dos saduceus na vida após a morte e a crença dos fariseus na ressurreição no último dia, mas descreve-a de uma maneira que a impede de parecer estranha demais para seus leitores.

4) Josefo sobre o suicídio e a ressurreição

A passagem acima não é a única que as pessoas apontaram como evidência de Josefo dizendo que os judeus acreditam em reencarnação, no entanto, as outras não se saem melhor.

Mais tarde em Guerras Judaicas, Josefo narra um discurso que ele deu aos seus homens quando eles estavam prestes a ser capturados pelos romanos e queriam cometer suicídio. Ao aconselhá-los contra isso, ele relata dizendo:

“Vocês não sabes que aqueles que se afastam desta vida, de acordo com a lei da natureza [isto é, que morrem uma morte natural], e pagam aquela dívida que foi recebida de Deus, quando aquele que nos emprestou tem o prazer de exigir isso de volta, aproveitam a fama eterna?

Que suas casas e sua posteridade são certas, que suas almas são puras e obedientes, e obtêm um lugar santíssimo no céu, de onde, na revolução das eras, eles são novamente enviados a corpos puros; enquanto as almas daqueles cujas mãos têm agido loucamente contra si mesmos (isto é, cometendo suicídio), são recebidas pelo lugar mais escuro no Hades…” (Guerras 3:8:5 [374-375]).

Aqui há um plural no grego: agnois ... smasmas - “(a) corpos puros” (plural).

A razão é que Josefo está tentando persuadir um grupo de homens a não se matar, e assim ele está contrastando o destino daqueles que não cometem suicídio com o destino daqueles que o fazem. Esta é a razão pela qual ele usa o plural aqui.

Não é que um único homem justo entre em vários corpos ao longo da história. É que vários homens justos irão entrar em um único corpo no último dia.

O que torna isso certo é sua referência ao que acontece de antemão: as almas dos justos “obtêm um lugar santíssimo no céu” e depois no fim do mundo - “na revolução das eras” - são novamente devolvidas à forma corporal.

Esta é uma descrição da crença normal farisaica (e cristã) na alma que continua no estado intermediário até a ressurreição escatológica final.

5) Josefo sobre as recompensas de guardar a lei de Deus

Em uma forma semelhante, Josefo em outro lugar discute as recompensas que seu povo acreditava que ganhariam por guardar a lei de Deus dada por Moisés.

Surpreendentemente, esta passagem também tem sido usada para ensinar reencarnação, mas uma leitura cuidadosa indica que isso não acontece. Josefo escreve:

“A recompensa para quem vive exatamente de acordo com as leis não é prata nem ouro; não é uma grinalda de ramos de oliveira ou de pequena [salsa], nem qualquer sinal público de elogios; mas todo homem de bem tem sua própria consciência testemunhando a si mesmo, e em virtude do espírito profético de nosso legislador [Moisés], e da firme segurança que o próprio Deus oferece a tal pessoa, ele crê que Deus fez esta concessão àqueles que observam essas leis, mesmo que sejam prontamente obrigadas a morrer por elas, que voltem a existir e, em certa revolução das coisas, recebam uma vida melhor do que antes.” (Contra Apião 2:31 [217-218])

Há ainda menos aqui do que nas passagens anteriores para sugerir reencarnação.

Não há menção explícita de “corpos” - tanto no singular quanto no plural - e novamente temos a indicação do tempo nos dizendo quando a restauração da vida acontecerá.

O que Josefo diz no grego é que acontecerá ek peritrops - literalmente, “na virada/revolução”.

Esta é uma forma abreviada da frase grega que ele usou em seu discurso para seus homens, quando ele disse que eles receberiam seus corpos ek peritrop ais aiōnōn - “na virada/revolução das eras”.

O significado é o mesmo: a ressurreição acontecerá no último dia, na virada das eras.

Josefo está simplesmente descrevendo a crença na ressurreição escatológica, que era normal entre os judeus (com exceção dos saduceus, que negavam a vida após a morte).

6) Confirmação em Antiguidades

Josefo também discute as principais seitas judaicas em seu mais longo trabalho, Antiguidades dos Judeus, e lá encontramos mais uma confirmação. Josefo escreve:

“Eles [os fariseus] também acreditam que as almas têm um vigor imortal nelas, e que debaixo da terra haverá recompensas ou castigos, conforme elas viveram virtuosamente ou cruelmente nesta vida; e estas últimas devem ser detidas em uma prisão perpétua, mas as primeiras terão poder para reviver e viver novamente. … Mas a doutrina dos saduceus é esta: que as almas morrem com os corpos.” (18:1:3-4 [14, 16]).

Aqui, novamente, temos o contraste esperado entre a negação dos saduceus pela vida após a morte e a crença dos fariseus de que, após a morte, a alma experimentará recompensas ou castigos, com os justos recebendo nova vida na ressurreição dos mortos.

7) Conclusão

Pelo que vimos, não há base para a afirmação de que Josefo ensina que os judeus em geral, ou os fariseus em particular, acreditavam na reencarnação.

Ele descreve com precisão o contraste padrão entre a descrença dos saduceus na vida após a morte e a crença dos fariseus na ressurreição no último dia - uma visão amplamente aceita entre os judeus não-saduceus, incluindo o movimento cristão primitivo.

Josefo não enfatiza que os justos ressurgirão no mesmo corpo que tiveram nesta vida - presumivelmente porque isso prejudicaria a impressão que o público tinha dos judeus - mas fica claro, a partir do que ele diz, que o retorno à vida acontece uma vez, no último dia, ao invés de de novo e de novo ao longo da história.

É menos claro se ele acha que os ímpios serão ressuscitados. Embora ele não negue especificamente que eles serão ressuscitados, pode-se concluir do que ele escreve que eles não serão.

A alegação de que Josefo disse que os judeus acreditam em reencarnação, no entanto, é simplesmente falsa.

Traduzido e adaptado por Fabricio Luís Lovato a partir de  What Josephus Really Said About Reincarnation <http://www.ncregister.com/blog/jimmy-akin/what-josephus-really-said-about-reincarnation>

NOTA DO TRADUTOR: Allan Kardec e outros escritores espíritas afirmaram/afirmam que tanto os judeus do tempo de Jesus quanto a Igreja cristã primitiva acreditavam em reencarnação. Todas as evidências bíblicas e históricas refutam tais alegações. Veja também: Os Primeiros Cristãos Acreditavam em Reencarnação?

Artigos Relacionados

O Decreto de Nazaré: Uma Evidência Histórica para a Ressurreição de Jesus? O Decreto de Nazaré: Uma Evidência Histórica para a Ressurreição de Jesus?
No ano de 1878 descobriu-se na cidade de Nazaré, em Israel, uma placa de mármore branco, contendo um decreto do imperador romano Cláudio, o qual...
O Mito de Thor É Baseado em Jesus? O Mito de Thor É Baseado em Jesus?
Na batalha final da última guerra entre o bem e o mal, o Filho do Deus-Pai derrotará o mal na forma de uma serpente, mas, ao fazê-lo, abandonará a...
Mateus 5:17-18 Ensina que Jesus Aboliu a Lei? Mateus 5:17-18 Ensina que Jesus Aboliu a Lei?
Não pensem que vim abolir a Lei ou os Profetas; não vim abolir, mas cumprir. Digo-lhes a verdade: Enquanto existirem céus e terra, de forma...
Irregularidades Legais no Julgamento de Jesus Irregularidades Legais no Julgamento de Jesus
Antes de Sua morte, Jesus passou por seis julgamentos: três judaicos (perante o Sinédrio, Caifás e Anás) e três romanos (perante Pilatos, Herodes...