100 Respostas Bíblicas para o Espiritismo

Se Allan Kardec diz que o espiritismo “nada ensina contrário ao que ensinou o Cristo” (O Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. VI, item 2), e nega ressurreição, presente no Antigo e no Novo Testamento, ele não passa de um impostor, um embusteiro. Veja o que a Bíblia responde em João 5:25 João 6:40 João 11:1-44; João 20:1-31; 1 Coríntios 15

A ressurreição de Jesus

A Bíblia responde que Jesus ressuscitou. Os quatro Evangelhos e Paulo testemunham isto (Mateus 28:1-10; Marcos 16:1-8; Lucas 24:1.12; João 20:1-10; 1 Coríntios 154, 1 Coríntios 15:20-23). Estariam todos errados e Allan Kardec certo?

O corpo ressuscitado de Jesus

A Bíblia responde que Jesus apresentou-se aos discípulos após a ressurreição e disse:

Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede, pois um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho. E, dizendo isto, mostrou-lhes as mãos e os pés.

Lucas 24:39-40

A Bíblia responde que o inferno e o Céu são uma realidade inexorável (Apocalipse 7:9-17). Se Jesus é o autor deste ensino, é melhor não arriscar como fez o Rico. Senão, você terá uma surpresa.

A Bíblia responde que há o abismo que impede a reencarnação! 

E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá.

Lucas 16:26

Não existia nenhuma possibilidade de alívio para o rico que se encontrou na agonia da chama. Um grande abismo o separou de Lázaro, que estava no seio de Abraão. Nenhuma água viria para amenizar o sofrimento do rico e resfriar a língua dele. A finalidade desta conclusão é horrível demais para compreender e, por isso, evitamos pensar nesta possibilidade para nós ou até para outras pessoas. O abismo foi posto e os destinos destes dois homens, decididos. Um teria conforto eterno, e o outro, inferno.

A Bíblia responde que o Céu é um lugar onde todos os salvos morarão com Deus.

Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.

João 14:2

PORQUE sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus. E por isso também gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação, que é do céu;

2 Coríntios 5:1-2

Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor.

Filipenses 1:23

Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo,

Filipenses 3:20

Porque, os que isto dizem, claramente mostram que buscam uma pátria. E se, na verdade, se lembrassem daquela de onde haviam saído, teriam oportunidade de tornar. Mas agora desejam uma melhor, isto é, a celestial. Por isso também Deus não se envergonha deles, de se chamar seu Deus, porque já lhes preparou uma cidade.

Hebreus 11:14-16

A Bíblia responde que há somente dois lugares depois da morte:

E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno.

Daniel 12:2

Allan Kardec diz que "a casa do Pai", referido por Jesus em João 14:16 quando disse: Na casa de meu Pai há muitas moradas..., trata-se do Universo.

A Bíblia responde em Apocalipse 21 e Apocalipse 22 que a habitação de Deus está além deste Universo.

Finalmente, Nonnan Geisler diz que não há como alguém sair do inferno. A Bíblia responde que existe um grande abismo, de modo que ninguém pode sair (Lucas 16:26). O julgamento começa após a morte (João 8:21; Hebreus 9:27). Não é diferente do fato de algumas decisões na vida serem irreversíveis. O suicídio é caminho sem volta.

A Bíblia responde (João 3:19-21,36) que apesar de muitos crerem que o inferno não é razoável, segundo Jonathan Edwards, um bom argumento pode ser estabelecido a favor de sua racionalidade:

É muito irracional supor que não deveria haver castigo futuro, supor que Deus, que fez o homem como criatura racional, capaz de entender seu dever e ciente de que merece castigo quando não o cumpre, deveria deixar o homem sozinho, e deixá-lo viver como quer, e jamais castigá-lo por seus pecados, e não diferenciar o bem do mal [...] É muito irracional supor que aquele que fez o mundo deveria deixar as coisas em tal confusão, e não cuidar do governo das suas criaturas, e que ele nunca julgará suas criaturas racionais.

Edwards, v.2 p.884

Até os ateus como Sartre, diz Norman Geisler, sugerem que a porta do inferno é trancada por dentro. “Somos condenados à liberalidade de estar sem Deus. A presença divina do céu seria a tortura para quem a rejeitou.

A Bíblia responde que o grande tormento está em viver com as consequências de nossas más escolhas. É o choro e ranger de dentes que resulta da consciência de que fracassamos e merecemos as consequências. Assim como no inferno sabem que a dor que sofrem é auto-infligida”

E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz, e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas. Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus. Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece.

João 3:19-21,36

Subcategorias

O espiritismo está ligado à origem da humanidade. O movimento moderno, porém, propagou-se a partir de 30 de abril de 1856, na França, com Hippolyte Léon Denizard Rivail (1804-1869). Ele ficou  popularmente conhecido pelo pseudônimo de Allan Kardec, pois acreditava ser a encarnação  de um poeta celta com esse nome. Hippolyte Léon Denizard Rivail escreveu posteriormente O Evangelho segundo o Espiritismo, O Livro dos Médiuns, O Céu e o Inferno e Gênesis.

As americanas Magie e Katie Fox deram início definitivo ao espiritismo moderno em Hydesville (no estado de Nova Iorque) e 1848. Morreram alcoolizadas (Deuteronômio 18:20-22)

Hebreus 9:27 diz: "...aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo". Há vários erros, escandalosos, na teoria da reencamação. 

Allan Kardec diz que “As instruções dadas pelos espíritos são verdadeiramente as vozes do céu que vêm esclarecer os homens e convidá-los à prática do Evangelho"(Evangelho Segundo o Espiritismo, Introdução, item I). Para fundamentar esta crença, os espíritas usam diversos textos bíblicos. Analise-os a seguir.

Allan Kardec disse que não há concordância sobre reencarnação nem entre os espíritos. Diversos espíritas da Inglaterra e dos EUA receberam mensagens de espíritos contrários à reencarnação. Há o caso de Stainton Moses que se negava a crer na reencarnação por ter recebido, a 16 de novembro de 1874, uma mensagem de seu “espírito-guia” chamado Kabbila, na qual este afirmava ser falsa essa doutrina, pois há mais de quatro mil anos esse “espírito” havia deixado a Terra, e jamais reencarnara, nem existia possibilidade alguma disso acontecer. (Veja: COSTA, Jefferson Magno. Porque Deus Condena o Espiritismo, CPDA: 1987, p. 145/147).

O Dr. Marcos Martins diz no livro O que diz a Bíblia sobre reencarnação (São Paulo, SP., Ed. Press Abbab, 2004) que Allan Kardec reconheceu a possibilidade de espíritos embusteiros se esconderem atrás de nomes emprestados, a fim de fazerem aceitar suas utopias. Afirmou ainda que “a única garantia segura do ensino dos Espíritos está na concordância das revelações feitas espontaneamente, através de um grande número de médiuns, estranhos uns aos outros, e em diversos lugares”. Mas quem garante que essa concordância é a garantia da verdade? Os espíritos? Todavia, quem são esses espíritos? São realmente anjos de luz?

A Bíblia responde que são espíritos enganadores (1 Timóteo 4:1-2; Jó 7:8-10).

O espiritismo ensina que o céu e o inferno

são apenas alegorias (inferno e paraíso). Há, por toda parte, Espíritos felizes e infelizes. Contudo como já o dissemos, os espíritos da mesma ordem se reúnem por simpatia. Mas, quando perfeitos, podem reunir-se onde queiram. Levamos em nós mesmos o nosso inferno e o nosso paraíso. O céu é o espaço universal; são os planetas, as estrelas, e todos os mundos superiores, onde os Espíritos gozam de todas as suas faculdades..." .

Livro dos Espíritos, q 1012,1016,1017

Equivocadamente, Allan Kardec afirma que “o mundo espírita preexiste e sobrevive a tudo. Os Espíritos estão por toda parte; povoam o espaço infinito” (Livro dos Espíritos, q. 85 e 87).

Apesar de a Bíblia condenar duramente a mediunidade e toda e qualquer iniciativa de contactar os espíritos, como já foi demostrado aqui, Allan Kardec afirmou que Deus só se comunica com os homens por intermédio dos espíritos (O Evangelho Segundo Espiritismo, introdução, item VI). Mas, Allan Kardec cai no próprio engodo e acaba traindo o espiritismo ao delatar a verdadeira natureza do seu ensino, quando sugere: ponde, em lugar da palavra demônio, a palavra espírito e tereis a doutrina espírita (Evangelho Segundo Espiritismo, introdução, item VI). Aí está, o próprio decodificador do espiritismo revelando a sua identidade.

Segundo Allan Kardec há espíritos mentirosos, travessos, vingativos, hipócritas; costumam dar nomes e identidade falsos, mesmo sendo espíritos superiores. Sendo assim, como confiar neles? (João 8:44)

De acordo com Natanael Rinaldi o primeiro movimento organizado do espiritismo, no Rio, começou em 2 de agosto de 1873, com a fundação da Sociedade de Estudos Espiríticos Grupo Confucio, sob direção dos dr. Francisco de Siqueira Dias Sobrinho. O Grupo Confucio tinha como divisa sem caridade não há salvação', sem caridade não há verdadeiro espírita (Espiritismo Básico. Pedro Franco Barbosa. FEB. 2o Edição, p. 70).