Uma pesquisa recente da Newman University, em Birmingham, é muito reveladora. [1] 1 em cada 5 ateus do Reino Unido e 1 em cada 3 canadenses ateus são simpáticos ou até concordam fortemente com a afirmação: “Processos evolutivos não podem explicar a existência da consciência humana”. Eles não estão sozinhos. Em seu livro Mind and cosmos, o filósofo professor Thomas Nagel argumenta que o processo darwiniano não produziria a consciência. [2] (Sendo ateu, no entanto, ele ainda se apega à crença de que algum processo natural ainda não descoberto deu origem a ela!)

Os computadores e as máquinas inteligentes podem ser calculadoras muito rápidas, mas, em última análise, processam apenas informações e tomam decisões determinadas por um programa: seguem instruções às cegas. Em contraste, os seres humanos são conscientes, tendo uma mente consciente de si mesmos e de seu ambiente. Temos percepções, pensamentos, sentimentos e crenças e fazemos escolhas com base neles.

De acordo com o Dicionário Internacional de Psicologia do Professor Stuart Sutherland,

“A consciência é um fenômeno fascinante, mas elusivo: é impossível especificar o que é, o que faz ou por que evoluiu. Nada que valha a pena ler foi escrita sobre ela.” [3]

O cientista cognitivo Professor Jerry Fodor concordaria. Ele escreveu:

“Ninguém tem a menor idéia de como qualquer coisa material poderia ser consciente. Ninguém sequer sabe como seria ter a menor idéia de como qualquer coisa material poderia ser consciente.” [4]

É apropriado que Sutherland e Fodor expressem esses sentimentos, pois parece impossível que as reações químicas no cérebro, por mais complexas que sejam, dêem origem a algo mais complexo que um computador sofisticado. O filósofo Professor Colin McGinn pergunta: “Como a agregação de milhões de neurônios insensíveis individualmente pode gerar consciência subjetiva?” [5] A resposta é que não há absolutamente nenhuma razão para acreditar que ela poderia.

Apenas uma ilusão

Os ateus às vezes argumentam que a consciência é simplesmente uma ilusão. O cientista cognitivo professor Daniel Dennett é um deles. Ele escreveu: “Somos robôs, feitos de robôs, feitos de robôs”. Nossas células cerebrais, diz ele, são simplesmente robôs que respondem a sinais químicos. As proteínas motoras que elas criam são robôs. E assim por diante. [6] Mas, uma vez que nenhuma ciência jamais demonstrou que isso seja verdade, não é mais do que uma afirmação da cosmovisão materialista sem Deus de Dennett. De fato, ele se ergue com seu próprio projétil afirmando que “a consciência humana é apenas o último mistério sobrevivente”. [7] Como ele pode falar com autoridade sobre algo que ele reconhece que não entende?

A professora Susan Blackmore também sustenta que a consciência é uma ilusão, mas sua admissão de que “não podemos nem começar a explicar a consciência”, torna sua visão totalmente não-científica também. [8] Como ela pode saber a natureza ou a origem de algo que ela não consegue explicar?

Realidade torcida

O ateísmo exige de seus defensores que eles constantemente pensem e ajam de maneiras contrárias àquilo que parece ser claramente verdadeiro. De acordo com Francis Crick, o co-descobridor da estrutura do DNA, “os biólogos devem constantemente ter em mente que o que eles vêem não foi projetado, mas sim evoluiu” [9]. A natureza parece ser projetada; mas, diz ele, devemos encará-lo como se não fosse. Máquinas biológicas parecem ser irredutivelmente complexas; mas Richard Dawkins nos diz que devemos acreditar que elas não são. Nós parecemos ser seres conscientes; mas os ateus nos dizem que isso é apenas uma ilusão. Todos nós sentimos que somos responsáveis ​​por nossas ações; mas, nos dizem, isso não é verdade e, na realidade, nossas “escolhas morais” são simplesmente determinadas pela química cerebral.

Verdadeira realidade

Como de costume, os fatos conhecidos se encaixam no relato bíblico da criação muito melhor do que se encaixam na história da evolução. Mesmo os filósofos seculares reconhecem que a consciência parece transcender a ciência e as explicações naturalistas. [10] Eles não apenas não podem explicá-la, mas também não podem defini-la. Em contraste, a Bíblia fornece uma estrutura totalmente satisfatória sobre a qual construir uma compreensão da natureza humana.

Segundo a Bíblia, somos muito mais que um corpo, um mecanismo bioquímico. Quando fomos criados, recebemos uma alma imaterial e uma natureza espiritual (Gênesis 1:27; 2:7). Antes da Queda (Gênesis 3), nossas ações (as atividades do corpo) estavam inteiramente sob o controle desse aspecto imaterial de nosso ser. Agora, devido ao pecado, lutamos com os desejos da carne e podemos ser dominados por vícios e luxúria.

A boa notícia, no entanto, é que Cristo morreu para que pudéssemos ser libertados. Mesmo nesta vida, podemos recuperar, em certa medida, o controle que Adão e Eva originalmente possuíam (Romanos 6:6; Romanos 7:24-25). E, na próxima vida, possuiremos uma alma sem pecado como a de nosso Salvador, e um corpo sem pecado com o qual iremos glorificá-lo por toda a eternidade.

Referências

[1] Hall, A., Results of major new survey on evolution, Press release, Newman University, Birmingham, sciencereligionspectrum.org, 5 Setembro 2017.

[2] Nagel, T., Mind and Cosmos, Oxford University Press, Oxford, 2012.

[3] Chalmers, D.J., Conscious Mind, Oxford University Press, Oxford, p. 3, 1996.

[4] Fodor, J.A., The big idea: can there be a science of mind? The Times Literary Suplemento 4567:5–7, 1992.

[5] McGinn, C., Can we solve the mind-body problem? In O’Connor, T. and Robb, D., eds, Philosophy of Mind: Contemporary readings, Routledge, London, pp. 438–457, 2003.

[6] Buckley, A., Is consciousness just an illusion? bbc.co.uk/news/science-environment-39482345, 4 Abril 2017.

[7] Dennett, D., Consciousness Explained, Penguin Books, London, p. 21, 1991.

[8] Blackmore, S., The grand Illusion: Why consciousness exists only when you look for it, New Scientist 2348:26–29, 22 Junho 2002.

[9] Crick, F., What Mad Pursuit: A personal view of scientific discovery, Sloan Foundation Science, London, p. 138, 1988.

[10] Tate, D., Consciousness: a problem for naturalism, Journal of Creation 21(1):29–32, Abril 2007.


Traduzido a partir de "The origin of human consciousness" <https://creation.com/origin-of-human-consciousness>.

Artigos Relacionados

Sobre a criação do homem
Marcos Aurélio C. Machado mostra a afronta de Allan Kardec à Bíblia. Kardec chega a afirmar que o homem vestiu-se absurdamente das peles de macaco...
Sobre o erro n°15 - a negação da História
Como se explica o crescimento explosivo da população mundial? No mundo atual, não parece convincente o resultado da progressiva evolução dos...
Família, criação de Deus, terça-feira
Porém, desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea. . . . . . . ....Marcos 10:6-9:6 Porém, desde...
Sobre a origem dos santos e padroeiros
Para alguns, Ulbarico, bispo de Algsburgo, foi o primeiro santo canonizado em 933 d.C.; já para outros foi Leão III, em 804. A prática de divinizar...

Envie suas perguntas