The Red Tent” (A Tenda Vermelha) não é uma programação que você deveria passar para o seu grupo de estudos bíblicos. E não apenas por causa de cenas sexualmente sugestivas, mas porque a série literalmente reescreve a narrativa bíblica sobre Diná.

Lançada como livro por Anita Diamant em 1997, a história foi adaptada pelo canal de televisão Lifetime em uma minissérie de dois episódios, em 2014. Agora, dependendo do seu contato com a Bíblia, talvez você esteja se perguntando quem é mesmo Diná. Filha do patriarca Jacó e de Leia, sua história é contada em Gênesis 34 e envolve estupro e assassinato em massa (não se espante, a Bíblia não tem nada a esconder quando fala sobre a depravação moral do ser humano; é por isso mesmo que todos precisamos de um Salvador). Talvez seja interessante você dar uma olhada no capítulo agora, antes de prosseguir a leitura. Gostaria de apontar os principais aspectos em que acredito que a minissérie se distanciou do relato bíblico (OBS: o texto contém revelações sobre o enredo).

1. A “tenda vermelha” existiu?

A “tenda vermelha”, que dá nome à produção, é o local aonde as mulheres vão durante seus períodos menstruais, longe da vista dos homens, para celebrar, fofocar, se relacionar e participar de rituais religiosos de adoração a deusas associadas à cura e à fertilidade. Mas não existe qualquer evidência histórica ou arqueológica de que tal espaço tenha existido alguma vez entre o povo de Israel.

2. Leia e Raquel eram pagãs?

Apesar de esperarmos certo grau de “liberdade artística” em qualquer adaptação, a visão “judaico-feminista” de Diamant que transforma as mulheres de Jacó em pagãs adoradoras secretas da deusa é pura ficção que distorce a verdade histórica. As Escrituras claramente apresentam as matriarcas de Israel como adoradoras de Yahweh/Jeová (Gênesis 29:32 Gênesis 30:6 Gênesis 30:24 etc.).

(Alguém poderia perguntar então porque Raquel roubou os ídolos de seu pai Labão, em Gênesis 31:34. Conforme o arqueólogo Rodrigo Silva aponta em seu livro Escavando a Verdade, pág. 79-80, esses ídolos, chamados de ilani ou terafim, eram certificados de posse de propriedades. A intenção de Raquel ao roubar esses ídolos não era religiosa, e sim, tornar seu esposo o dono de tudo o que pertencia ao seu pai.)

3. Labão não gostou de receber a Jacó?

Na Bíblia, Labão fica feliz em ver e receber Jacó como membro de seu clã (Gênesis 29:13), mas na minissérie ele se irrita com isso.

Artigos Relacionados

A Verdade Sobre a Criação A Verdade Sobre a Criação
Estas são as origens dos céus e da terra, quando foram criados: no dia em que o Senhor Deus fez a...
Homossexualismo: Uma Análise Bíblica Homossexualismo: Uma Análise Bíblica
Esta é uma era de crescente aprovação e aceitação do homossexualismo. O homossexualismo é retratado...
Cronologia do Islã Cronologia do Islã
O Islã, infelizmente, é a religião que mais cresce no mundo. Vários fatores contribuem para para...
Quem São Os Batistas Do Sétimo Dia Quem São Os Batistas Do Sétimo Dia
Os Batistas do Sétimo Dia consideram a liberdade de consciência debaixo da direção do Espírito Santo...

4. Foi Jacó quem enganou a Labão?

Ao contrário do relato bíblico, onde Jacó é enganado por Labão para que se case com Leia ao invés de Raquel (Gênesis 29:21-30), na narrativa de Diamant, são Jacó e Leia quem enganam a Labão, para que ao final, Jacó consiga ficar com duas esposas (na verdade quatro, contando as concubinas Bila e Zilpa).

5. Rebeca era uma vidente?

Na minissérie, ao sair das terras de Labão, Jacó se encontra e reconcilia com seu irmão Esaú, bem como reencontra sua mãe Rebeca, a qual é o maior “oráculo” (uma espécie de vidente) da terra de Canaã. Apesar de Rebeca ter recebido uma revelação de Deus (Gênesis 25:23), não há nenhum indício de que ela possuísse algum dom profético, e menos ainda que recebesse presentes das pessoas para fazer previsões. Além disso, Jacó jamais se reencontra com sua mãe depois que foge para Harã por ter enganado a seu irmão.

6. Amor ao invés de estupro?

Não há qualquer estupro de Diná na história, ao contrário do texto bíblico (Gênesis 34:2). Para Diamant, Diná e Siquém têm um romance sincero, acompanhado de olhares apaixonados e declarações de amor verdadeiro. Diná é afastada desse relacionamento consensual contra sua vontade, por causa de ganância e orgulho de seu pai e irmãos.

7. Encontro entre José e Diná?

A história de José a partir de Gênesis 37 não fala mais nada sobre Diná, mas “The Red Tent” relata o encontro e a interação entre os dois irmãos no Egito, inclusive a tentativa de assassinato de José por Re-mose, filho de Diná.

A própria autora declarou que “a Tenda Vermelha não é uma tradução, mas uma obra de ficção. [...] Ao dar voz a Diná e fornecer textura e conteúdo às descrições bíblicas esboçadas, meus livros são um desvio radical do texto histórico.”

De fato. A ficção teria sido melhor se tivesse deixado a Bíblia de lado.