Foi a pior notícia que recebi como ateu: minha esposa agnóstica decidira se tornar cristã. Isso não fazia parte do acordo quando nos casamos! Eu pensei que ela ia se transformar em algum tipo de rolo sagrado de auto-justificação - e eu não queria nada com isso.

Mas nos meses seguintes, fiquei surpreso - e intrigado - pelas mudanças positivas em seu caráter e valores. Finalmente, decidi tomar meu treinamento jurídico e em jornalismo (eu era editor legal do Chicago Tribune) e investigar sistematicamente se havia alguma credibilidade no Cristianismo.

Talvez, imaginei, pudesse libertá-la dessa seita.

Eu rapidamente determinei que a ressurreição de Jesus era a chave. Por quê? Porque de várias formas, Jesus fez afirmações divinas sobre si mesmo. Ele disse a uma multidão em João 10:30: “Eu e o Pai somos um”.

O grego aqui é neutro, não masculino, então Ele não estava dizendo: “Eu e o Pai somos a mesma pessoa”. Ele estava dizendo que Ele e o Pai são da mesma natureza ou essência. A audiência entendeu o que Ele estava afirmando - eles pegaram pedras para matá-lo por blasfêmia porque: “Você, um mero homem, está afirmando ser Deus” (v. 33).

É verdade que qualquer um pode afirmar ser divino. Mas se Jesus apoiou sua reivindicação morrendo e depois ressuscitando dos mortos, então isso é uma boa evidência de que Ele estava dizendo a verdade.

O apóstolo Paulo reconheceu essa centralidade da ressurreição. “Se Cristo não ressuscitou”, disse ele em 1 Coríntios 15:17 “sua fé é fútil; você ainda está em seus pecados.”

Assim, durante um período de quase dois anos, explorei os dados históricos sobre se a Páscoa era mito ou realidade. Eu não aceitei simplesmente o valor do Novo Testamento; eu estava determinado a considerar apenas os fatos que eram bem suportados historicamente. Quando minha investigação se desdobrou, meu ateísmo começou a ceder.

Jesus foi realmente executado? Temos provas disso tanto dentro como fora do Novo Testamento. De fato, a evidência é tão forte que até mesmo o historiador ateísta Gerd Lüdemann disse que a morte de Jesus pela crucificação é “indiscutível”.

A ressurreição é uma lenda? Não é uma chance. Especialistas nos dizem que levava mais de duas gerações de tempo no mundo antigo para uma lenda se desenvolver e acabar com um sólido núcleo de verdade histórica. Ainda assim, temos um relato da ressurreição - em que Jesus apareceu para testemunhas oculares, incluindo um cético e um oponente cujas vidas foram mudadas em 180 graus - que os estudiosos dataram em poucos meses após a morte de Jesus.

Isso mesmo - meros meses. Este relatório, na forma de um antigo credo ou tradição da igreja, é relatado por Paulo em 1 Coríntios 15:3-7. O proeminente historiador James DG Dunn afirma: “Essa tradição, podemos estar inteiramente confiantes, foi formulada como tradição dentro de alguns meses da morte de Jesus.” Isso é ouro histórico!

O túmulo de Jesus estava vazio? O acadêmico William Lane Craig aponta que sua localização era conhecida tanto por cristãos quanto por não-cristãos. Ele disse que, se não estivesse vazio, seria impossível que um movimento baseado na ressurreição tivesse surgido na mesma cidade onde Jesus foi executado publicamente algumas semanas antes.

Além disso, até mesmo os opositores de Jesus admitiram implicitamente que o túmulo estava vago dizendo que Seu corpo havia sido roubado. Mas ninguém tinha motivo para levar o corpo, especialmente os discípulos. Eles não estariam dispostos a morrer mortes brutais de mártires se soubessem que tudo isso era mentira.

Além disso, se os escritores dos evangelhos estivessem inventando a história sobre o túmulo vazio, eles nunca teriam relatado que foram as mulheres que o descobriram, porque isso prejudicaria o seu caso entre o público que eles estavam tentando convencer.

Isso porque as mulheres não eram consideradas testemunhas confiáveis ​​nessa cultura. Certamente, se os escritores dos evangelhos estivessem inventando a história, eles teriam alegado que algum homem descobriu que o corpo havia desaparecido. Aparentemente, os escritores incluíram os detalhes sobre as mulheres porque eles estavam comprometidos em relatar o que realmente ocorreu.

Alguém viu Jesus vivo novamente? Temos pelo menos oito fontes antigas, tanto dentro como fora do Novo Testamento, que confirmam a convicção dos apóstolos de que encontraram o Cristo ressuscitado. Repetidamente, essas fontes permaneceram fortes quando tentei desacreditá-las.

Esses encontros poderiam ter sido alucinações? De jeito nenhum, especialistas me disseram. Alucinações ocorrem em cérebros individuais, como sonhos, mas Jesus apareceu para grupos de pessoas em três ocasiões diferentes - incluindo 500 de uma só vez!

Seria isso algum outro tipo de visão, talvez instigada pela dor dos apóstolos pela execução de seu líder? Isso não explicaria a dramática conversão de Saulo, que era um oponente dos cristãos, ou Tiago, o outrora meio-irmão cético de Jesus.

Nenhum dos dois estava preparado psicologicamente para uma visão, mas ambos viram Jesus ressuscitado e mais tarde morreram proclamando que Ele lhes havia aparecido. Além disso, se fossem visões, o corpo ainda estaria no túmulo!

A ressurreição foi simplesmente a reformulação da mitologia antiga, semelhante aos contos fantásticos de Osíris ou Mitra? Se você quiser ver os historiadores rindo em voz alta, traga esse tipo de bobagem da cultura pop.

Uma por uma, minhas objeções evaporaram. Eu li livros escritos por céticos, mas seus contra-argumentos desmoronaram sob o peso dos dados históricos. Não é de se admirar que os ateus frequentemente fiquem aquém dos debates acadêmicos sobre a ressurreição.

No fim, depois de ter investigado o assunto completamente, cheguei a uma conclusão inesperada: seria preciso mais fé para manter meu ateísmo do que ser um seguidor de Jesus.

É por isso que agora estou celebrando minha 32ª Páscoa como cristão. Não por causa do pensamento positivo, do medo da morte ou da necessidade de uma muleta psicológica - mas por causa dos fatos.

Para obter mais informações sobre a jornada de Lee Strobel, do ateísmo à fé em Jesus, e as evidências que o convenceram, consulte o livro best-seller do New York Times, Em Defesa de Cristo.

Traduzido a partir de “How Easter Killed My Faith in Atheism”  <https://blogs.wsj.com/speakeasy/2011/04/16/how-easter-killed-my-faith-in-atheism/>.

Artigos Relacionados

O Decreto de Nazaré: Uma Evidência Histórica para a Ressurreição de Jesus? O Decreto de Nazaré: Uma Evidência Histórica para a Ressurreição de Jesus?
No ano de 1878 descobriu-se na cidade de Nazaré, em Israel, uma placa de mármore branco, contendo um decreto do imperador romano Cláudio, o qual...
O Mito de Thor É Baseado em Jesus? O Mito de Thor É Baseado em Jesus?
Na batalha final da última guerra entre o bem e o mal, o Filho do Deus-Pai derrotará o mal na forma de uma serpente, mas, ao fazê-lo, abandonará a...
Mateus 5:17-18 Ensina que Jesus Aboliu a Lei? Mateus 5:17-18 Ensina que Jesus Aboliu a Lei?
Não pensem que vim abolir a Lei ou os Profetas; não vim abolir, mas cumprir. Digo-lhes a verdade: Enquanto existirem céus e terra, de forma...
Oseias 2:11 é uma profecia sobre a abolição do Sábado? Oseias 2:11 é uma profecia sobre a abolição do Sábado?
TEXTO: Acabarei com a sua alegria: suas festas anuais, suas luas novas, seus dias de sábado e todas as suas festas fixas. Oséias 2:11 ALEGAÇÃ...

Graça Maior - Lee Strobel Traduzido por Fabricio Luís Lovato, . Disponível em: https://gracamaior.com.br/estudos/apologeticos/1312-como-a-pascoa-matou-a-minha-fe-no-ateismo.html. Acesso em 22 Maio 2019.
Envie suas perguntas