Crianças pequenas costumam jogar um jogo chamado “telefone sem fio”. As regras do jogo são muito simples. Várias pessoas entram em círculo ou em linha reta. A pessoa no início do círculo ou linha pensa em uma frase como “o cavalo vermelho caiu na água” [no original: the red horse fell into the water]. Essa pessoa sussurra a frase no ouvido da pessoa ao lado dela. Ela não pode repetir a frase uma vez que é sussurrada, e deve falar muito suavemente. A próxima pessoa na fila ouve atentamente e depois sussurra a frase que ouviu no ouvido da pessoa ao lado dela. Após a frase ter passado por todas as pessoas na fila ou no círculo, a última pessoa repete a sentença como acha que a ouviu. Quase todas as vezes, a sentença no final do jogo não é a mesma que foi sussurrada no começo. Por exemplo, a última pessoa pode ter ouvido algo como “a casa morta se transformou na lontra” [no original: the dead house turned into the otter] em vez da frase original “o cavalo vermelho caiu na água”. O jogo faz um bom trabalho ao mostrar que palavras e frases podem se confundir quando são passados ​​de uma pessoa para outra. No entanto, invariavelmente, a sentença final contém alguns traços do original. O mesmo acontece com histórias lendárias transmitidas de geração em geração. Muitas vezes, essas histórias são uma mistura emaranhada de fatos e ficção que se originaram de uma história baseada na verdade.

Antropólogos que estudam lendas e contos populares de diferentes localizações geográficas e culturas consistentemente relataram um grupo particular de lendas que é comum a quase todas as civilizações. Lendas surgiram em centenas de civilizações que falam de uma inundação enorme e catastrófica que destruiu a maior parte da humanidade, e sobreviveram apenas alguns indivíduos e animais. De fato, mais de 250 dessas lendas foram relatadas em países como China, Babilônia, México, Egito, Sudão, Síria, Pérsia, Índia, Noruega, Irlanda, País de Gales, Indonésia, Romênia, e a lista poderia continuar por muitas páginas ( Perloff, 1999, p. 167).

E embora o vasto número de tais lendas seja surpreendente, a semelhança entre grande parte do seu conteúdo é igualmente surpreendente. James Perloff escreve:

Em 95% das mais de duzentas lendas da inundação, a inundação foi mundial; em 88%, certa família foi favorecida; em 70%, a sobrevivência foi por meio de um barco; em 67%, os animais também foram salvos; em 66%, o dilúvio foi devido à maldade do homem; em 66%, os sobreviventes foram avisados; em 57%, eles acabaram em uma montanha; em 35%, pássaros foram enviados do barco; e em 9%, exatamente oito pessoas foram poupadas (1999, p. 168).

Uma lenda do dilúvio da China conta a história de um homem chamado Fuhi que, junto com sua esposa e três filhos e três filhas, foi salvo de uma grande inundação. Um antigo templo na China tem uma pintura que retrata o barco de Fuhi na água e uma pomba com um ramo de oliveira no bico (Gish, 1992, p. 74).

Possivelmente, o relato de inundação mais famoso (além do registro bíblico de Noé e do Dilúvio) vem do antigo império babilônico. A Epopéia de Gilgamesh , escrita em doze tabletes de argila que datam do século VII a.C., fala de um herói chamado Gilgamesh. Em sua busca pela vida eterna, Gilgamesh procura Utnapishtim, uma pessoa que recebeu a vida eterna porque salvou animais e humanos durante um grande dilúvio. Na décima primeira tabuinha deste épico, registra-se um relato de inundação que se assemelha ao relato de Gênesis em muitas áreas. Para ilustrar, em ambas as histórias a inundação é causada por causa da maldade, uma arca é construída para a preservação de um grupo seleto, um corvo e uma pomba são enviados para verificar a segurança do mundo pós-dilúvio e sacrifícios são oferecidos na saída segura das pessoas na arca (Roth, 1988, pp. 303-304).

Naturalmente, a próxima pergunta a ser feita é: “E daí?” Qual é o significado das várias lendas de inundação? A resposta a essa pergunta parece bastante óbvia:

  1. temos mais de 250 lendas que falam de uma grande inundação;
  2. muitas das lendas vêm de diferentes épocas e civilizações que não poderiam ter copiado nenhuma das lendas similares;
  3. as lendas foram registradas muito antes de os missionários chegarem para relatar a história do Gênesis de Noé; e
  4. quase todas as civilizações têm algum tipo de história de inundação.

A conclusão imediata a ser tirada desses fatos centra-se na ideia de que, em algum tempo no passado distante, houve uma inundação colossal que afetou para sempre a história de todos os seres humanos e civilizações. Moisés inspirado disse assim: “E a chuva esteve sobre a terra quarenta dias e quarenta noites” (Gênesis 7:12).

Referências

Gish, Duane (1992), Dinosaurs By Design (Colorado Springs, CO: Creation Life Publishers).

Perloff, James (1999), Tornado in a Junkyard: The Relentless Myth of Darwinism (Arlington, MA: Refuge Books).

Roth, Ariel (1988), Origins: Linking Science and Scripture (Hagerstown, MD: Review and Herald Publishing).

Traduzido por Fabicio Luís Lovato a partir de "Panning for Traces of the Flood" <http://apologeticspress.org/APContent.aspx?category=9&article=523&topic=139>

Leia também:

Existem Relatos Históricos Sobre a Torre de Babel?

Artigos Relacionados

Existem Relatos Históricos Sobre a Torre de Babel? Existem Relatos Históricos Sobre a Torre de Babel?
Histórias sobre uma inundação global e uma família sobrevivente ocorrem por todo o mundo. Embora não sejam tão comuns, existem histórias sobre...
Quando os ateus acreditam Quando os ateus acreditam
Em anos recentes, um dos principais produtos exportados pelo Reino Unido ao mundo tem sido uma carga de livros por autores ateus, tais como o biólogo...

Envie suas perguntas