Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel.

Isaías 7:14

Os críticos muitas vezes afirmam que este versículo nunca se destinou a ser uma profecia messiânica. Eles apontam que Isaías 7 descreve um encontro entre Isaías e o rei Acaz. O ‘sinal’ em Isaías 7:14 é oferecido ao rei para assegurar-lhe que Deus livrará Judá da sua coalizão de inimigos. O sinal de um Messias que nasceria muito tempo depois que o rei Acaz estava morto não parece cumprir o objetivo. Eles argumentam, portanto, que Isaías 7:14 só poderia estar falando sobre algo que aconteceu pouco depois que Isaías falou essas palavras e não tinha nada a ver com o Messias.

O problema com este argumento é que ele pressupõe que Isaías 7 foi escrito no vácuo. Assume que a história foi escrita sem conexão com o resto do livro de Isaías e para absolutamente nenhum propósito além de meramente registrar um evento. O Livro de Isaías, no entanto, não é um livro de memórias ou uma obra de história. Há muito pouca narrativa em Isaías. Quando ele conta uma história, está utilizando essa história para fazer um ponto maior. Quando o autor do Novo Testamento citou Isaías 7:14 em referência a Jesus, não estava apenas “rasgando” o verso e atirando-o na página. Estava fazendo um caso maior de que Jesus era o cumprimento de uma série de profecias sobre um Filho Messiânico prometido em Isaías 7-12.

Mateus aplicou diretamente o versículo a Jesus, dizendo:

Tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor, pelo profeta, que diz; Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco.

Mateus 1:22-23

O evangelho de Lucas, no entanto, estabelece o ponto de forma mais holística. Enquanto Lucas não cita diretamente nenhum versículo, Lucas 1:31-33 liga diretamente o nascimento virginal com as profecias, como Isaías 9:7 sobre sentar no trono de Davi e governar um reino para sempre. Há também linguagem semelhante à de Isaías 10. Lucas não está apenas citando um texto-prova, mas aplica a ideia do Filho Davídico prometido em Isaías 7-12 como um todo a Jesus, começando com o nascimento virginal. Da mesma forma, Mateus não cita apenas Isaías 7:14. Mateus 4:15-16 também aplica Isaías 9 a Jesus, e um caso pode ser feito de que Mateus 2:23 aplica Isaías 11 a Jesus também. Em outros lugares do Novo Testamento, Jesus é explicitamente identificado com a ‘raiz de Jessé’ de Isaías 11:10 (Romanos 15:12), bem como a ‘pedra do tropeço’ de Isaías 8:14-15 (Romanos 9:33 1 Pedro 2:8). Claramente, eles viram Isaías usando a história de seu encontro com o rei Acaz como parte de um ponto maior que Isaías estava fazendo para seus leitores naquela seção inteira de seu livro.

Mas isso é realmente o que Isaías pretendia? Os detalhes certamente apontam nesse caminho:

  1. Em Isaías 7:3, quando Deus envia Isaías para falar com o rei, Deus diz a Isaías que leve seu filho Sear-Jasube. A Bíblia diz especificamente que os filhos de Isaías são sinais do Senhor para Israel (Isaías 8:18) e, no próximo capítulo, somos informados de que Isaías nomeia outro de seus filhos como um sinal profético (Isaías 8:3-4). O fato ter sido dito a Isaías para trazer um filho específico pelo nome não é um acidente. É parte de sua mensagem. O nome da criança, Sear-Jasube, significa ‘um remanescente retornará’. A conversa de Isaías com o rei é sobre Deus protegendo Judá, mas abaixo havia algo mais: uma promessa de que um remanescente retornaria. Retorno de onde? Do exílio, é claro. Todo o Livro de Isaías está lidando com o exílio vindouro e a promessa de retorno e restauração. Não era essa, no entanto, a preocupação do rei Acaz. Ele estava preocupado com seus inimigos naquele momento, e Deus prometeu protegê-lo contra esses inimigos. No entanto, Deus também falava claramente de algo maior do que isso, e Ele trouxe Isaías e com ele a mensagem de que ‘um remanescente retornará’. Se você lê Isaías 7-12 conjuntamente, esta mensagem é central e frequentemente repetida. É também uma futura esperança messiânica.
  2. Isaías está falando ao rei Acaz no singular, mas quando chegamos em 7:13, a gramática muda e ele está falando com a ‘casa de Davi’ no plural. Embora seja difícil perceber no inglês, os pronomes mudam do singular ‘você’ para o plural ‘vocês’ [Nota do Tradutor: ambas as formas são You em inglês], e as formas verbais refletem um endereço plural. Isaías entregou sua profecia de forma a falar com um público mais amplo do que o rei apenas.
  3. Isaías 8:8 continua a referir-se a Emanuel como aquele a quem a terra pertence. Então, o filho prometido de Isaías 7:14 é trazido para o contexto maior, e não como um mero espectador. Isaías 9:6-7 descreve o Filho prometido que se sentará no trono de Davi e governará para sempre. Isaías 11 fala de um rebento do tronco de Jessé (o pai de Davi) que governará em justiça. A imagem é da casa de Davi como uma árvore que foi cortada até o toco, mas um novo rebento brota da árvore e produz nova vida. É uma imagem de restauração futura através de um novo rei davídico. Há um tema consistente de um futuro Messias a nascer. Corre por toda a passagem e começa com Isaías 7:14 e a primeira promessa de Emanuel.
  4. A inclusão desta história no livro de Isaías mostra que ela continha uma mensagem para leitores posteriores e não apenas para o rei Acaz. Provavelmente havia uma criança nascida nos dias de Acaz que lhe serviu de sinal nessa situação, mas não nos é dito nada mais sobre ela porque não era esse o ponto nesta história contada. Isaías contou esta história para apontar uma mensagem maior para seus leitores, a mensagem de julgamento e a promessa de restauração. Houve uma dupla realização desta profecia que foi concebida por Deus desde o início. Foi o que tornou esta história significativa até mesmo para os leitores originais de Isaías, que eles mesmos teriam lido este capítulo bem depois do Rei Acaz e da libertação de Jerusalém da ameaça imediata e temporária. As profecias de Isaías foram sobre o exílio vindouro e a posterior esperança de restauração sob o Messias. Isaías inclui a história porque continha essa mensagem, mesmo que o rei Acaz não a conhecesse.

A leitura estreita e superficial de Isaías 7 oferecida pelos céticos perde tudo isso e, portanto, perde a bela consistência que atravessa esses capítulos. Isaías está advertindo as pessoas que um julgamento violento está chegando, mas ele também promete uma esperança além desse julgamento. A esperança última de um reino eterno e um rei Messias que será ‘Deus conosco’ e que será chamado de ‘Deus poderoso’. Jesus é esse Messias divino.


Traduzido por Fabricio Luís Lovato a partir de <https://carm.org/is-isaiah-7-14-really-a-messianic-prophecy>

Artigos Relacionados

Isaías 40:22 e a Forma da Terra Isaías 40:22 e a Forma da Terra
A primeira parte de Isaías 40:22 diz: “É ele [isto é, Deus] quem se assenta acima do círculo da Terra”. Alguns argumentaram a partir disto que...
Quem é o ‘Príncipe da Paz’ de Isaías 9: Jesus ou Ezequias? Uma Resposta ao Judaísmo Quem é o ‘Príncipe da Paz’ de Isaías 9: Jesus ou Ezequias? Uma Resposta ao Judaísmo
O livro de Isaías contém uma profecia sobre uma impressionante criança em seu capítulo 9: Contudo, não haverá mais escuridão para os que...
O Decreto de Nazaré: Uma Evidência Histórica para a Ressurreição de Jesus? O Decreto de Nazaré: Uma Evidência Histórica para a Ressurreição de Jesus?
No ano de 1878 descobriu-se na cidade de Nazaré, em Israel, uma placa de mármore branco, contendo um decreto do imperador romano Cláudio, o qual...
Oseias 2:11 é uma profecia sobre a abolição do Sábado? Oseias 2:11 é uma profecia sobre a abolição do Sábado?
TEXTO: Acabarei com a sua alegria: suas festas anuais, suas luas novas, seus dias de sábado e todas as suas festas fixas. Oséias 2:11 ALEGAÇÃ...

Graça Maior - Luke Wayne, . Disponível em: https://gracamaior.com.br/estudos/apologeticos/1249-profecia-messianica-isaias-7-14.html. Acesso em 23 Maio 2019.
Envie suas perguntas