O fundamento para a reinterpretação Adventista da história antiga e a doutrina foi lançado com Patriarchs and Prophets (1890), que se converteu assim na pedra angular da teologia e da geologia Adventistas. Depois, Desire of Ages (1898) teria de converter-se na pedra clave no arco da cristologia Adventista do Novo Testamento. Depois, o jogo mais importante de conchinhasde "agora o vês, agora não o vês" teve lugar com outro livro, The Acts of the Apostles (Atos dos Apóstolos) (1911), o subproduto de Sketches from the Life of Paul (Esboços da Vida de Paulo) (1883), e ainda antes, The Spirit of Prophecy (O Espírito de Profecia) (tomo três, 1878), teria de se erigir em monumento ao disparate Adventista da mentira branca.

Muitos Adventistas ouviram falar algo do conflito a respeito de Sketches from the Life of Paul. Tinha sido publicado em 1883 e apresentado à igreja e ao público como a maior fonte de informação inspirada sobre a vida de Paulo desde que Lucas escreveu o Livro dos Atos. O prefácio dava a pauta:

A escritora deste livro, tendo recebido ajuda especial do Espírito de Deus, está em capacidade de arrojar luz sobre os ensinos de Paulo e sua aplicação para nosso tempo, como nenhum outro autor está preparado para fazê-lo. Ela não se permitiu a si mesma discutir teorias nem especular. Não se introduziu nenhum material estranho. Em conseqüência, muito do que está conteúdo em outros livros, que é interessante para os curiosos e tem certo valor, mas que é, depois de todo, pouco mais do que teoria, não encontra cabida neste livro.1

Claramente, esta viagem rápida de Paulo, nos seus cerca de sessenta anos plenos, ira salvar os baixios da especulação humana, que tinham feito encalhar a outros escritores antes de Ellen. Em anos posteriores, se argumentaria que ela não escrevia o prefácio de seus livros e que, com freqüência, também não escrevia as introduções - o que pode ser, mas se é assim, destrói o argumento de que ela estava sempre em controle e sempre supervisionava o produto terminado. Ou Ellen apoiou essa afirmação, ou não a apoiou; mas, em todo caso, a declaração é útil para examinar o que sucedeu depois da publicação.

O livro experimentou dificuldades quase em seguida tanto dentro como fosse da igreja. Francis D. Nichol, que mais tarde foi o apólogo de Ellen, fez o melhor do que pode para calar quaisquer maus rumores e adiantar-se a qualquer nova crítica contra a profetisa.2 Para dar-lhe a Nichol o crédito que merece, quiçá estivesse tratando de salvar algo que era difícil de salvar. Teve problemas com esta tarefa quase desde o princípio. Alguns eruditos consideram a defesa inadequada e inexata.3 A dizer verdade, alguns sugeriram que o nome de Arthur White deveria ter sido incluído como colaborador. O livro de Nichol, Ellen G. White and Her Critics [Ellen G. White e Seus Críticos], escreveu-se para continuar a evasão da realidade com a lenda de Santa Ellen, reordenando os fatos para negar que Ellen fora sempre qualquer coisa, menos ética, em sua maneira de escrever. Um observador disse que

Nichol não fez públicos todos os documentos vitais que possuía. Conhecia a devastadora evidência da carta da Sra. White para Bates em 1847 [concernente à porta fechada], mas não disse nada a respeito de isso.4

Se esta informação é verdadeira, então, que objetividade poderia Nichol contribuir às idéias que expôs em relação com Sketches from the Life of Paul? Que tenha existido ou não uma ameaça de demanda judicial, o livro foi retirado da circulação, dando cada lado do debate diferentes razões para seu esgotamento. O livro não esteve disponível novamente até que se publicou uma reprodução em fac-símile noventa e um anos mais tarde.

O grande alvoroço a respeito do livreto pode contar-se de uma maneira simples. O método de escrever seguia o modelo que já se tinha estabelecido, e não há dúvida de que o material foi roubado de outras fontes. Teve queixas de que Sketches soava muito parecido a The Life and Epistles of St. Paul, escrito por W. J. Conybeare e J. S. Howson. Ainda que as similitudes fossem negadas nesse tempo, um exame posterior mostrou que a crítica tinha fundamento. Usou-se uma comparação de por centos para tratar de reduzir ao mínimo o fato da dependência.

Um estudo efetuado por H. Ou. Olson5 em princípios de 1940 foi a base para o material no livro de Nichol que defendia Ellen. Olson apresentou páginas e páginas de comparações, mas só informou de citações diretas ou palavras similares. A verdade é que Ellen tinha usado material do outro autor quase sem interrupção. Comparações mais recentes indicam do que a paráfrase do livro de Conybeare e Howson é evidente na estrutura as palavras, os parágrafos, e até as páginas do material – quase sem dar-lhe a Deus oportunidade, em muitos casos, de inserir uma palavra transversalmente.6 Até a cor local e o vocabulário de Ellen são limitados em alguns capítulos.

Apesar dos truques na preparação do livro, as conhecidas críticas, e o fato de que tinham transcorrido noventa anos, a reimpressão do facsímile se fez em 1974 sem mudanças nem confissões. No novo prefácio da edição em fac-símile, os fideicomissários diretores do White Estate ainda louvavam os méritos do livro como se não tivessem aprendido nenhuma lição nos passados cem anos:

Ao começo, um leitor observou que, em seus trinta e dois capítulos, tinha "muitos pontos que não se mencionam no Novo Testamento" - mais de 750 deles. George I. Butler, presidente da Conferência Geral, escreveu emotivamente no Review and Herald depois de ler o livro:

passagens nele que tocaram nossos corações no mais profundo, e fizeram brotar lágrimas de nossos olhos. Terminamos de ler suas páginas com uma muito grande admiração pelo caráter e a vida deste devoto apóstolo, e com um claro sentido do poder da religião de nosso Senhor e Salvador para ajudar e enobrecer a humanidade débil e caída. - Review and Herald, Julio 24, 18833.7

Para uma igreja que sempre lhe tinha dito ao público que nada deveria adicionar-se ao Cânon, mais ou menos uns poucos pensamentos, 750 novas adições seriam impressionantes até para um livro escrito por Ellen.

A admissão por parte de H. Ou. Olson de que ela tinha copiado material era compreensível. Mas, como um dos que estavam inteirados, ele tinha informação confidencial adicional que Nichol não usou em seu livro. Olson também tinha feito um estudo sobre outro autor que Ellen e seu grupo consideraram útil, porém, como de costume, não haviam antes reconhecido. Ao documento foi dado o pesado título de "Comparações Entre 'The Life and Works of Paul', escrito por Farrar, e 'Sketches from the Life of Paul,' escrito pela Sra. E. G. White, Para Estabelecer Se o Último Dependeu do Primeiro." O estudo era uma verdadeira promessa. As comparações se fizeram circular entre os membros da igreja no campo, com a particularidade de que lhes faltava a primeira página. Essa página dizia:

Não se leu cuidadosamente e não se fez nenhuma comparação entre "The Life and Works of Paul," escrito por Farrar, e "Sketches from the Life of Paul," escrito pela Sra. E. G. White, como no caso entre esta última e "Life and Epistles of the Apostle Paul," escrito por Conybeare e Howson; senão que se utilizou um dia num esforço para estabelecer se alguma parte do livro da Sra. White estava baseado no livro de Farrar. Em especial, comparei as seções de "Sketches from the Life of Paul," que não tinham citações de "Life and Epistles of the Apostle Paul."8

Apesar de todas as lições do passado, e como para seguir um modelo de não ver, Olson continuou restringindo-se, como outros que vieram depois. Ninguém parecia querer reconhecer a mercadoria roubada na casa de empenhos de Ellen, porque os futuros investigadores parecem ter-se feito eco de Olson quando diz na primeira página de seu documento:

No capítulo no tomo I da obra de Farrar que trata da obra em Corinto, encontrei duas passagens dos quais se tinham citado possivelmente três e cinco palavras, respectivamente, e na seção no tomo II, que trata de Nero, encontrei quatro passagens, com um total de cento cinco palavras que eram as mesmas que se encontravam na seção correspondente do livro da Sra. White. [A cursiva foi adicionada].

Uma ou outra vez, os que estavam incluídos no Plano do Clã da igreja se apressaram a emitir juízos para salvar a Ellen – fechando os olhos às paráfrases ou o uso livre nas adaptações de material alheio. Assim contribuíram a manter viva a mentira branca.

No entanto, houve alguns contemporâneos de Ellen que viam o que ocorria quando Ellen e seu grupo faziam arder o azeite de meia-noite bem entradas as horas da madrugada. 10 Arthur G. Daniells, (presidente da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia desde 1901 até 1922), quando se lhe pediu que explicasse aquelas luzes do norte que com freqüência alumiam o material alheio, apresentou alguma justificativa do problema durante a Conferência Bíblica de 1919, na qual se fizeram esforços para enfrentar-se aos escritos de Ellen. Como muitos dos membros do clã que ainda queriam trabalhar para o sistema, tomou o caminho mais fácil em sua explicação:

Si; e agora considerem esse livro "Life of Paul," – suponho que todos vocês o conhecem, bem como as afirmações que se fizeram contra ela, acusações de plágio, até pelos autores do livro, Conybeare e Howson, que provavelmente causariam problemas à denominação porque uma porção tão grande de seu livro foi posto em "The Life of Paul" sem dar nenhum crédito nem usar aspas. Algumas pessoas de lógica estrita poderiam exagerar sobre essa base, mas eu não sou assim. Encontrei-o, e li-o com o Irmão Palmer quando o encontrou, e obtivemos o de Conybeare e Howson, e também "History of Reformation," de Wylie, e lemos palavra por palavra, página depois de página, e não encontramos nem citações nem créditos, e realmente não soubemos a diferença até que começamos a compará-los. Supus que era o trabalho da própria Irmã White. A pobre irmã disse: Vá, eu não sabia nada de citações nem de créditos. Minha secretária deveria ter-se encarregado disso, e a casa publicadora deveria ter-se encarregado disso.”[A cursiva foi adicionada].11

Ellen deve ter aprendido bem sua lição de Eva, que culpou à serpente por sua queda. É difícil crer, ainda em 1883, em seu plano de reescrever a história e a teologia a partir de outros autores, que Ellen não soubesse a diferença moral e ética em áreas tão delicadas quando, de acordo com ela, Deus estava a seu lado todo o tempo enquanto ela fazia o que fazia. Se, como assegurava Ellen, Deus lhe estava dando contínua informação a respeito da roupa suja dos membros da igreja, seguramente deve ter-lhe dado informação confidencial a respeito da delicadeza de dar crédito quando usava material alheio.

A maior parte dos livros e materiais posteriores de Ellen chegou depois do que se lhe tinha informado do problema com Sketches from the Life of Paul e depois da já mencionada confissão de ignorância. É assombroso que nem ela, nem seus ajudantes, nem a igreja dessem jamais nem um ápice de crédito a ninguém, até a edição de 1888 de The Great Controversy (O Grande Conflito). Ainda então, fez-se de maneira tão improvisada, que teve que ser melhorada na edição de 1911.

A Daniells não lhe gostou o que viu. Mas, sendo bom político, tinha aprendido a não dizer nada bem. Em 1919 , expressou honestamente a seguinte convicção:

Ali vi a manifestação do humano nestes escritos. Por suposto, eu poderia ter dito isto, e o disse, que desejava que se tivesse tomado um rumo diferente ao compilar os livros. Se se tivesse tido o devido cuidado, se teria evitado que muita gente se descarrilasse. [A cursiva foi adicionada].12

Mas não se teve o devido cuidado. Em realidade, as afirmações de Ellen e de seus escritos se voltaram ainda mais abarcantes e extremas, e até a data há gente que está sendo "descarrilada."

Mas Daniells estava tendo problemas com algo mais do que com Sketches from the Life of Paul. Na mesma Conferência Bíblica de 1919, teria de dizer-lhes aos presentes (a maioria dos quais revelaram sofrer de tortura mental a respeito da infalibilidade e o plágio de Ellen) que tinha visto outros problemas em outros livros:

Em Austrália, vi preparar "The Desire of Ages," e reescrever capítulos, alguns deles uma e outra e outra e outra vez. Vi isso, e quando lhe falei à Irmã Davis a respeito de isso, digo-lhes que tive que me enfrentar com isto e começar a estabelecer coisas em relação com o espírito de profecia. Se nunca se tivessem tomado estas falsas posições, o assunto teria sido muito mais singelo do que é hoje. Todo o que foi objeto da acusação de plágio se teria simplificado, e crio que homens teriam sido salvados para a causa se desde o começo tivéssemos entendido isto como deveria ter sido. Sustentando esses falsos pontos de vista, temos dificuldades para endereçar as coisas. Não nos enfrentaremos a essas dificuldades recorrendo a uma falsa afirmação. [As cursivas foram adicionadas].13

Daniells não falava de "inspiração verbal," como alguns querem fazer-lhe crer à gente. Sabia, como outros o tinham sabido antes que ele, que alguns dos que estavam ao redor de Ellen haviam usado o privilégio editorial e licença para incorporar alguns de seus próprios pensamentos. Ellen não estava em controle todo o tempo. Daniells a tinha visto soltar as rédeas e ter menos controle com o correr do tempo. Ele conta sua preocupação:

Visitei-a uma vez para lhe falar a respeito de este assunto do "contínuo," e levei comigo aquele velho gráfico... e coloquei-o sobre seu regaço, e tomei "Early Writings" e li-o, e então lhe falei da controvérsia. Passei muito tempo com ela. Era um de seus dias em que se sentia alegre e descansada, assim que lhe expliquei com bastante detalhe. Disse-lhe: "Agora, aqui você diz que se lhe mostrou que o ponto de vista que os irmãos sustentavam a respeito do "contínuo" era correto. Agora, há duas partes aqui neste 'contínuo,' que você cita. Um é este período de tempo, os 2300 anos, e o outro é o que era o mesmo 'contínuo.' "

Revisei-o junto com ela, e cada vez que eu chegava a esse assunto, ela dizia: "Prossiga, eu sei o que se me mostrou, que esse período de dias era fixo, e que não teria nenhum tempo definido depois disso. Os irmãos estavam na verdade quando chegaram à data de 1844."

Então eu deixei isso, e continuei com este "contínuo." Ela disse: "Prossiga, irmão Daniells, eu não sei o que é esse 'contínuo,' se é paganismo ou o ministério de Cristo. Isso não é o que se me mostrou." E em seguida regressava a essa zona crepuscular.14

Há quem crêem que Daniells se meteu em águas profundas tratando de reduzir a velocidade da lenda de Ellen, e que foi despedido pelos verdadeiros crentes em 1922 em parte a causa dos rumores de sua falta de fé em Ellen e em seus escritos.15 Esta pode ser ou não uma correta interpretação do que passou. No entanto, um por um, os que melhor conheciam a Ellen e estavam mais perto dela no mundo real, com freqüência eram disciplinados quando não podiam seguir seus escritos no mundo irreal, onde sua ficção era considerada como fatos e sua fantasia como verdade. Ellen não exigia que todos vissem o que ela via, mas era necessário que cressem que ela tinha visto o que dizia que tinha visto.

Mas a parte imensamente importante do jogo de mãos era que ninguém deveria vir ver onde ela viu o que diz que viu. O verdadeiro truque consistia em convencer, a todos e a cada um deles, de que a maior parte da mercadoria do que ela vendia era nova e de primeira mão. Com a ajuda de Ellen, a igreja vendeu esta mentira branca a si mesma e vendeu-a a todos os demais que queriam comprá-la – e continuou vendendo-a até o dia de hoje. Como se está publicando material novo a uma velocidade alarmante, mostrando que a mercadoria era e é substancialmente de segunda e ainda de terceira mão, Ellen está em condições de converter-se, em grande parte, em compiladora de material alheio antes que em autora ou empresária de mercadoria divina.

À luz do material da Conferência Bíblica de 1919, que foi dado à luz pública só em anos recentes - não de boa fé pelo White Estate, senão por particulares – seria temerário argumentar, como fazem alguns, que ninguém sabia o que sucedia no closet dos escritos de Ellen; porque, se o tivessem sabido, se o teriam dito aos demais.

Em realidade, si teve gente que o disse. Mas os que o fizeram não foram recompensados por seus esforços: Stewart, Sadler, os Kellogg, Ballinger, Canright, Colcord, Smith, e Daniells, entre outros. Mais tarde, as assistentes de Ellen - Fannie Bolton, sua sobrinha Mary Clough, e até Marian Davis, seu leal empregada editorial, que trabalhou para ela por mais tempo - se revelariam preocupadas e nervosas por sua participação no copiado de Ellen. Ainda mais tarde, nos inteiraríamos de que as preocupações de Lacy, Prescott, e outros foram também ignoradas, e que suas perguntas ficaram para pôr perplexas e tentar às mentes inquisitivas de hoje dia.

Um por um, cada um deles foi persuadido por meio de uma "repreensão," um "depoimento," um conselho, e a confrontação, e seus depoimentos minimizados.16 Como Uriah Smith o tinha averiguado antes deles, não era aconselhável revolver muito a casa de empenhos de Ellen olhando as etiquetas de sua mercadoria para ver se era de primeira ou de segunda mão. Alguns dos que o fizeram foram silenciados, mudados de lugar, ou rejeitados como não aptos para Deus ou sua obra. Ellen e seus "verdadeiros crentes," os custódios das chaves, tendo inventado a idéia da porta fechada em 1844, estavam decididos a mantê-la fechada para todos, menos para os que jurassem que criam de que Ellen, e só Ellen, tinha visto o que tinha visto, e que ninguém, mas ninguém, tinha visto nunca dantes. Ela afirmaria que não tinha visto nem lido o livro Paradise Lost, de Milton.17

Sei que a luz que recebi vem de Deus, não me a ensinou homem algum. 18.
Não li nenhuma obra sobre a saúde senão depois de ter escrito Spiritual Gifts. 19.
Minhas visões foram escritas independentemente dos livros ou as opiniões de outros.20

Ellen nunca se resignou a reconhecer a influência humana em seus escritos. AOS que viam as coisas de maneira diferente jamais se lhes permitiu admitir o que viram ou souberam – a base de todo mudança para melhorar. Tinha que manter a lenda de que a relação entre Deus e Ellen era tão estreita que nada poderia jamais se interpor entre eles. E Ellen White ajudou a fomentar e a manter essa lenda. Os que expressavam em voz alta sua preocupação pelo que viam eram declarados "suaves" a respeito de Ellen e tratados em conseqüência. A lista dos que receberam notícias do desagrado de Deus por meio da pluma de Ellen é longa.21

Ainda hoje, mediante juramento, fazem-se esforços para evitar que os mestres e dirigentes das igrejas locais expressem reservas com respeito a Ellen e a seus escritos. A continuação, um exemplo desse tipo de juramento, enviado aos membros de igreja o 3 de Outubro de 1980:

A junta de pastores da igreja de Aurora recomendou que se lhe envie esta carta a cada um dos membros. Sirva-se ler com cuidado.

Queridos membros:

A igreja de Aurora é membro da irmandade de igrejas da Conferência dos Adventistas do Sétimo Dia de Colorado. Foi organizada para pregar o evangelho e sustentar os ensinos da igreja Adventista do Sétimo Dia. Nas Escrituras, se lhe adverte à igreja que deve "estar alerta" contra indivíduos ou ensinos que possam entrar e desbaratar a unidade ou apartar aos membros das crenças da igreja.

A igreja Adventista do Sétimo Dia não tem credo, mas sim tem uma declaração de crenças que foi adotada como a base de sua existência. A declaração de crenças foi reafirmada na recente Conferência Geral [1980]. Mais recentemente, os dirigentes e eruditos adotaram uma declaração de consenso que proporcionava um forte apoio à posição oficial da igreja sobre os ensinos relativos ao santuário e o ministério profético de Ellen G. White.

Para preservar a unidade e manter o ordem, a igreja de Aurora deve solicitar-lhes aos dirigentes e aos que ocupam postos no ministério do ensino que se assinem às crenças fundamentais dos Adventistas do Sétimo Dia. Se um maestro ou dirigente não pode fazer isto a consciência neste momento, pedimos-lhe que renuncie a seu posto voluntariamente. Pedimos-lhe isto num espírito de amor, crendo que esta seria a resposta cristã de parte da pessoa que se encontre em desacordo com os ensinos da igreja.

Reconhecemos que Deus deu certos dons a indivíduos. Estamos tratando de usar estes dons para a glória de Deus. Esperamos que cada um de nossos dirigentes e maestros reconheça sua lealdade à igreja e seus ensinos, e que continue cumprindo com suas obrigações.

17. O Dom de Profecia.

Um dos dons do Espírito Santo é o de profecia Este dom é uma marca que identifica à igreja remanescente, e se manifestou no ministério de Ellen G. White. Como a mensageira do Senhor, seus escritos são uma fonte contínua e autorizada da verdade, e proporcionam à igreja consolo, guia, instrução, e correção. Ademais, seus escritos dizem claramente que a Bíblia é o modelo pelo qual se tem de provar toda doutrina e toda experiência. [A cursiva foi adicionada].22

Quiçá mais do que qualquer outro documento, esta carta mostra quão necessário foi e continua sendo que a igreja use a força e a pressão para manter a posição de Ellen na igreja. Também expressa com clareza que o céu Adventista é um céu de Ellen G. White, e que os que vão ali terão que comprar seu boleto das santas concessões da igreja que se vendem na casa de empenho de Ellen.

E, no entanto, nem uma só vez, nem sequer em interesse da justiça ou da honestidade, deu-se-lhe crédito a ninguém por sua contribuição concernente aos escritos que a igreja ora promove como "o espírito de profecia." Algumas vezes se mencionou aos obreiros, mas sempre se negou a influência externa.23 A única declaração de alguma substância à qual a igreja subscreveu alguma vez é a que se pôs na introdução à edição revisada de The Great Controversy (O Grande Conflito) de 1888 e mais tarde na edição de 1911 John Harvey Kellog parecia ter a verdadeira resposta a essa atuação quando disse:

Continuaram vendendo-o, mas mudaram o prefácio na seguinte edição [1888] para proporcionar uma pequena saída através da qual poder escapar-se arrastando-se, e deram um pequeno indício, de uma maneira muito suave e mais bem oculta, que o autor tinha utilizado informação obtida de várias fontes, bem como da inspiração divina. Isso é o que eu recordação. E recordação que vi a correção, e não me gostou, e disse: "Isso é só arrastar-se, isso é simplesmente algo posto ali para que o leitor corrente não o descubra em absoluto senão que veja ali as afirmações maiores como de inspiração divina, para que sejam enganados com isso."24

À medida que a história se revelava ano depois de ano, e década depois de década, mais e mais dirigentes de igreja, amigos pessoais, ajudantes, e outros caíram na conta do jogo de esgrima que Ellen e seu grupo estavam jogando, mas quando deram um passo adiante para testemunhar do que tinham visto, ou para fazer perguntas a respeito de o que não entendiam, foram fuzilados.

Fannie Bolton, uma das assistentes editoriais de Ellen, foi um dos casos. Foi contratada por seu reconhecido talento. Mas várias vezes, cheia de remorsos pelo que via e o que se lhe pedia que fizesse, foi até pessoas importantes para contar-lhes sua história e tratar de obter algumas respostas para o que ela sentia que não era apropriado. Uma dessas pessoas foi Merritt G. Kellogg, que escreveu a respeito de essa experiência:

Disse Fanny: "Dr. Kellogg, tenho uma grande angústia mental. Vim pedir-lhe conselho, porque não sei que fazer. Disse-lhe ao Pastor Starr [Geo. B.] o que vou dizer-lhe a você, mas não me deu nenhum conselho satisfatório. Você sabe que eu estou escrevendo todo o tempo para a Irmã White. A maior parte do que escrevo se publica em Review and Herald como se tivesse saído da pluma de Ellen G. White, e se despacha como se tivesse sido escrito pela Irmã White por inspiração divina. Quero dizer-lhe que me sento muito agoniada a respeito de este assunto porque me parece que estou atuando de maneira enganosa. A gente está sendo enganada a respeito da inspiração do que escrevo. Parece-me muito mau que qualquer coisa que eu escreva saia com a assinatura da Irmã White como se fosse um artigo especialmente inspirado por Deus. O que eu escrevo deveria sair com minha própria assinatura, para que se lhe dê crédito a quem o merece." Lhe dei à Srta. Bolton o melhor conselho que pude, e pouco depois lhe pedi à Irmã White que me explicasse a situação. Disse-lhe exatamente o que Fanny me tinha dito. A Sra. White me perguntou se Fanny me tinha dito o que eu lhe tinha repetido a ela, e quando lhe disse que sim, disse-me: "O Pastor Starr diz que ela foi onde ele com o mesmo. Agora," disse a Irmã White com algum calor, "Fanny Bolton jamais voltará a escrever nem uma só linha para mim. Ela pode fazer-me dano como nenhuma outra pessoa pode fazê-lo." Alguns dias mais tarde, a Srta. Bolton foi devolvida aos Estados Unidos. Desde esse dia até hoje, meus olhos permaneceram abertos. M. G. Kellogg.25

Ao White Estate lhe gosta dizer que há provas disponíveis indicando que Fannie era emocionalmente instável. Por que não deveria sê-lo, considerando as influências e pressões que atuavam sobre ela? Algumas destas influências e pressões aparecem mais tarde em sua "confissão." Sob o sistema de relação trabalhista de Ellen, um não era despedido abertamente sem que Deus estivesse ativamente na junta trabalhista. O Pastor Starr conta como ocorriam essas separações:

Depois, retirei-me a minha habitação e orei fervorosamente em relação com o assunto, pedindo-lhe ao Senhor mais luz e direção quanto a como chegar à raiz da dificuldade. Ao sair de minha habitação, passei em testa da porta da Irmã White, e como estava entornada, ela me viu e me chamou a sua habitação, dizendo: "Tenho problemas, Irmão Starr, e me gostaria falar com Você"

Perguntei-lhe a natureza de seu problema, e ela contestou: "Meus escritos, Fanny Bolton" - só quatro palavras. Depois, perguntei-lhe qual era o problema com Fanny Bolton e seus escritos... Ela disse: "Quero contar-lhe uma visão que tive hoje como às duas da manhã. Estava tão desperta como o estou agora, e apareceram por em cima de mim uma carruagem de ouro e cavalos de prata, e Jesus, em sua real majestade, estava sentado na carruagem. Fiquei muito impressionada com a glória desta visão, e lhe pedi ao anjo que me acompanhava que não permitisse que a visão desaparecesse senão até que eu tivesse acordado a toda a família. Ele disse: 'Não chames à família. Eles não vêem o que você vê. Escuta uma mensagem.' Então me chegaram as palavras retumbando sobre as nuvens desde a carruagem e desde os lábios de Jesus: 'Fanny Bolton é tua adversária! Fanny Bolton é tua adversária! A mensagem se repetiu três vezes. Agora," disse a Irmã White, "eu tive esta mesma visão faz como sete anos, quando minha sobrinha, Mary Clough, trabalhava em meus escritos. [Ela disse]: 'Tia Ellen me dá os escritos em rascunho, e eu os pulo, mas não recebo nenhum reconhecimento por isso. Todo sai assinado Ellen G. White."26

Nenhum grevista moderno teria menos oportunidade estando Deus fazendo as negociações nessa junta trabalhista. (Evidentemente, estas eram negociações de tão alto nível que não se lhe podiam confiar nem sequer a nenhum dos anjos subordinados.) Em todo caso, naqueles dias era o mesmo que agora: Quando o árbitro diz que estás fora, estás fora!

Um dos interessantes apartes deste assunto parece ser o de Mary Clough, a sobrinha de Ellen. Com freqüência, tinha sido elogiada por seu trabalho quando esteve com Ellen, quem disse dela:

Mary é muito útil, e por ela tenho apreço...27 Trabalha bem com minhas cópias...28 Estimo a Mary mais e mais cada dia...29 Mary me segue muito de perto. Entusiasma-se tanto com alguns temas, que me traz o manuscrito para ler-me, depois de tê-lo copiado. Hoje me mostrou uma gorda pilha de manuscritos que tinha preparado. Contemplou-os com muito orgulho...30

Mas, como Fannie, Mary também tinha caído em desgraça e tinha sido despedida - novamente por Deus. Isto demonstra que (também naqueles dias) quando Você está quente, está quente, mas quando Você esfriou-se (é dizer, quando viu demasiado do que Ellen via e onde o via), Você está fora.

Apesar de todas as observações a respeito do copiado de Ellen que chegavam a Washington, D. C. pela linha quente, a posição oficial era, e é, que ainda se se descobrisse que Ellen tinha copiado todo de Conybeare e Howson, ela não tinha sido influenciada pelo que tinha reconstruído em suas próprias palavras com a ajuda de Deus. Ainda em 1959, numa série de artigos, o neto Arthur ainda estava renovando o compromisso a favor da avó:

Com o passo dos anos, a acusação mudou à de que a Sra. White tinha sido influenciada nas mensagens que transmitia. Alguns indicaram que as mensagens refletiam as opiniões e os pontos de vista de seus sócios. Não seria estranho, diziam, que alguns das mensagens da Sra. White refletissem as opiniões de outros, porquanto ela estava rodeada de dirigentes poderosos. Alguns dos que receberam mensagens de repreensão, perguntaram em seus corações ou abertamente: "Quem tem estado falando com a Irmã White?"31

É difícil crer que o neto Arthur não soubesse quem estava "falando com a Irmã White." Como custodio das chaves da abóbada ele deve ter sabido quais evidências estavam disponíveis para dar a resposta. Mas continuou dizendo por que não se atrevia:

Se as mensagens transmitidas por Ellen G. White tiveram sua origem nas mentes ou nas influências que a rodeavam; se às mensagens sobre organização se lhes pode seguir o rasto até as idéias de Tiago White ou George I. Butler; se os conselhos sobre a saúde se originaram nas mentes dos doutores Jackson, Trall, ou Kellogg; se as instruções sobre educação se basearam nas idéias de G. H. Bell ou de W. W. Prescott; se os altos estandartes defendidos nos escritos e os livros de Ellen G. White foram inspirados pelos homens poderosos de sua causa - ¡então os conselhos do Espírito de Profecia não significam para nós nada mais que algumas boas idéias e conselhos úteis!32

Muito verdadeiro. É interessante especular sobre por que Arthur escolheu os nomes que escolheu, pois durante algum tempo a maquinaria Adventista de rumores tinha estado cochichando os nomes dos que contribuíam aos escritos de Ellen, incluindo os que ele mencionou. H. Camden Lacey tinha escrito:

E por que não falamos mais, geralmente a respeito de Ele [o Espírito Santo] dessa maneira, como o faz nossa tradução autorizada, e o fizeram os Primeiros Escritos da Ellen G. White, até que caiu sob a influência de seu esposo e outros pioneiros?33

Novamente, deve recordar-se que os dirigentes da igreja sabiam que Lacey tinha informação confidencial concernente à composição de alguns dos livros; e em suas cartas a Leroy E. Froom, tinha-lhe escrito em 1945:

Mas ele [W. W. Prescott] insistiu em sua interpretação, e a Ellen G. Marian Davis pareceu engolir-se, e tenho aqui que, quando saiu "O ‘Desejado de Todas as Nações," apareceu aquele ensino idêntico nas páginas 24 e 25 que, segundo crio, ¡pode ser procurada em vão em qualquer das obras publicadas pela Ellen G. White antes desse tempo!34

Há quem poriam em dúvida a exatidão da memória de Lacey a respeito de estas questões, mas em fim de contas sua memória tem que se contrapor à memória do neto Arthur ou à de qualquer outro membro do White Estate. Eles não estavam ali quando o incidente teve lugar. Ainda que Arthur não tinha sido adestrado em psicologia moderna, nem tinha sido preparado a fundo como teólogo, sim sabia que se lhe tinha confiado a tarefa de proteger as concessões de sua avó, e não tinha nenhum desejo de perder aquela franquia celestial, nem ele mesmo nem sua igreja. Não estava só na proteção dessa imagem celestial. Na segunda parte de seus artigos, citação à avó Ellen como dizendo:

Tive o hábito de não ler nenhum artigo doutrinal no jornal, para que minha mente não fora influenciada pelas idéias ou os pontos de vista de ninguém, e para que o molde das teorias de nenhum homem tivesse nenhuma conexão com o que eu escrevo.35

Uma pessoa razoável de média inteligência e uma modesta educação pode ver que algo tem que ceder. Uma comparação independente de Sketches from the Life of Paul (Esboços da Vida de Paulo) com os autores que Ellen White usou proporcionaria suficiente evidência para que até seus mais firmes defensores chegassem à conclusão de do que, até em teologia, as coisas iguais a si mesmas também são iguais entre si.36 Mas Arthur não era matemático. Assim que, sem a restrição dessa disciplina, pôde escrever:

Estas afirmações da Sra. White mesma e dos que estavam perto dela são francas, positivas, e inequívocas, e deveriam eliminar para sempre qualquer pergunta quanto a se suas secretárias puderam ou não ter influído nos escritos de E. G. White. A Sra. White não foi influenciada pelos que estavam perto dela, nem seus escritos foram manipulados. Suas mensagens não se basearam nas idéias dos que estavam perto dela, nem em informação que outros possam ter-lhe proporcionado.37

Estas incríveis afirmações deveriam ter eliminado para sempre todas as perguntas - mas não as eliminaram. Teriam de vir mais, e numa seqüência mais rápida. A posição da Igreja Adventista mudou na década de 1970. Para salvar-se dos efeitos da crescente evidência de que Ellen sim copiou material alheio, de que sim ocultou esse fato, e de que outros si tinham influído sobre ela, agora a igreja disse, aliás – e que? O copiar material não era nada novo. Como Ellen depois deles, a maioria dos escritores bíblicos também copiou de outros e foram influídos por outros. A partir dessa linha de raciocínio, é claro que a igreja e o neto Arthur tinham decidido em seu pensamento que Ellen fazia muito tempo se tinha convertido na primeira entre seus iguais.

O auditório ao qual apelava Arthur na Review era um auditório cativo. Este auditório não se dava conta, quando lia a respeito de Sketches from the Life of Paul (Esboços da Vida de Paulo), que antes de Sketches, Ellen já tinha extraído material livremente de outros autores em sua versão anterior sobre a vida de Paulo (tomo três do Espírito de Profecia).38 No prefácio da reimpressão de 1974, o leitor cauteloso poderia ter-se tropeçado com uma pequena jóia de afirmação oculta ali, mas não muitos eram cautelosos na década de 1870, porquanto esse reconhecimento teria de vir noventa e um anos depois dos fatos.

Não se precisa um alto grau de erudição para detectar a fórmula de Ellen para usar material de outros autores no precursor de Sketches from the Life of Paul. No entanto, exige-se certo grau de algo mais para entender como - depois de se cercar, por assim dizer, de escritores como Conybeare e Howson, Farrar, March, McDuff, e quem sabe quantos mais – podia ela sustentar, impávida, que não tinha sido influenciada por eles, quando os enchimentos insertos se sobressaíam por todas as partes. Se ela foi influenciada ou não é agora de menor importância, sendo o principal que a igreja e todos seus membros certamente foram influenciados por aqueles de quem ela copiou (e foram desencaminhados quanto aos fatos). E a igreja em general continua sendo assim influenciada pelas idéias, orações, parágrafos, e até páginas do material que não é como foi representado.

Até H. Ou. Olson, que tinha a tarefa de desviar as críticas que vinham dos que sabiam como Ellen tinha reunido material de outros para seu livro Life of Paul (Vida de Paulo), admitiu:

Ainda que se possa encontrar consideráveis paralelos entre os dois livros, é evidente que seus objetivos não são os mesmos.39

Quem disse que se supunha que seus objetivos fossem os mesmos? De alguma maneira, os mordomos diretores do White Estate tinham "extraviado" aquela página frontal da investigação de Olson sobre parte do livro, e não reapareceu em público senão até que o Comitê de Glendale se reuniu em Janeiro de 1980 para estudar as comparações com as fontes – e um Olson de outra geração informou ao grupo que seu tio era o que tinha feito o estudo anterior. 40 Quaisquer que fossem os defeitos desse estudo foi o estudo que usou Nichol em sua defesa de Ellen, e o livro que tinha iniciado à igreja para abaixo no serpenteante caminho dos percentuais a respeito da página frontal faltante, da qual poucos tinham ouvido falar, muito menos lido, H. O. Olson tinha dito:

Não se fez nenhuma leitura cuidadosa nem nenhuma comparação de "The Life and Work of Paul", de Farrar, com Sketches from the Life of Paul," da Sra. E. G. White, como no caso deste último com "Life and Epistles of the Apostle Paul," de Conybeare e Howson; senão que se utilizou um dia num esforço para estabelecer se alguma parte do livro da Sra. White estava baseada no livro de Farrar.41

Quiçá se H. Ou. Olson não tivesse sido tão franco e aberto, seu trabalho teria tido uma circulação mais ampla. Ele admitiu as limitações de seu estudo. Como muitos o fariam desde seus tempos até a atualidade, ele procurava palavras e citações diretas – não paráfrases ou adaptações de pensamento. Esse trabalho, que poderia ter-se feito sem pressa numa tarde de domingo como diversão e jogando, foi considerado como defesa sólida no muro da mentira branca que pararia e rejeitaria desafios por outros quarenta anos.

A seqüela da história, no entanto, é mais notável do que seu princípio. Com o desaparecimento temporário de Sketches from the Life of Paul e a expansão da série O Espírito de Profecia na Série do Conflito, maior, foi necessário ressuscitar a Paulo de seu funeral em Sketches. Ellen mesma expressou este desejo em 1903 quando escreveu:

Crio que deveria publicar-se uma nova edição de Life of Paul. Far-lhe-ei algumas adições a este livro, no entanto, antes que se republique.42

Agora tinha mais de setenta anos e a natureza tinha começado a cobrir os carvões do fogo de sua vida. Em realidade, para quando The Acts of the Apostles (Atos dos Apóstolos) apareceu em 1911, ela tinha cerca de oitenta e quatro anos de idade.43

O que nasceu pode ter sido uma nova edição, mas o recheio era o mesmo. Para este tempo, no entanto, Ellen tinha sido ascendida a uma posição de supervisão, e atuava só como a superintendente de Deus. O Ellen G. White Estate faz uma interessante admissão em Life Sketches of Ellen G. White:

Em plena década de 1910, a Sra. White tinha considerado plenamente todos os problemas relacionados com a edição recomposta de "Great Controversy (O Grande Conflito)." Tendo completado essa tarefa, encontrou tempo para supervisionar a revisão de "Sketches from the Life of Paul," (Esboços da Vida de Paulo) e adicionar vários capítulos sobre a vida e os escritos dos apóstolos da igreja cristã primitiva. Este material se publicou em 1911, sob o título "The Acts of the Apostles" [Os Atos dos Apóstolos] [A cursiva foi adicionada]44

Em realidade, não tinha muito que supervisionar. Em alguns casos, se reordenou o material original, adicionaram-se alguns autores mais, e se moderou algo do copiado mais óbvio com mais textos bíblicos.

Mas se tinha adicionado uma nova dimensão. Chamou-se aos experientes para que fizessem um trabalho cosmético sobre as cifras antigas. De ali em adiante, seria difícil relacionar The Acts of the Apostles (Os Atos dos Apóstolos) com seu predecessor, Sketches from the Life of Paul (Esboços da Vida de Paulo), ou o predecessor deste último, o tomo três do Espírito de Profecia. Um estudo cuidadoso e uma acurada comparação dos três livros na ordem de sua produção mostram muita imaginação e evolução criativa - todo isso capaz de ser feito pelo homem, não por Deus. O tomo três do Espírito de Profecia revelava pouca teologia original. Sketches from the Life of Paul(Esboços da Vida de Paulo) adicionou material a mais autores, mas não tinha mais originalidade - e não tinha nenhum reconhecimento de uma crescente dependência de outros autores.45

A edição final de The Acts of the Apostles (Atos dos Apóstolos) era um entrelaçamento de materiais efetuado por um "consórcio" de conspiradores. Algo do material que tinha sido copiado anteriormente foi substituído com textos bíblicos. Diluíram-se e se limitaram os detalhes óbvios de paráfrase. Mas um novo mestre entrou à areia da inspiração. À vida de Paulo se lhe adicionou a vida de Pedro. Isto, além da família de Conybeare e Howson, Farrar, March, e McDuff, introduziu capítulos adicionais, que mostravam a ajuda de John Harris, que em 1836 tinha publicado uma série de cinco ensaios num livro titulado The Great Teacher (O Grande Mestre), que prometia muito e vendia-se bem.46

The Great Teacher (O Grande Mestre) era diferente de qualquer coisa que Ellen e seu grupo tivessem usado antes. A maioria dos escritores anteriores tinha seguido bastante de perto a narrativa das Escrituras Isto tinha ajudado ao White Estate a se defender das críticas de que Ellen tinha copiado. A defesa era que, ainda que se colassem algumas similitudes dos autores usados, essas similitudes eram apenas coincidências, porquanto tanto o material copiado como a pessoa que copiava estavam seguindo a narrativa bíblica, e quiçá estavam usando as mesmas referências marginais, e quiçá o mesmo dicionário bíblico, e quiçá, quiçá, quiçá.47

Mas este Harris não era nenhum quiçá! Aqui mostramos uma comparação da introdução de The Great Teacher (O Grande Mestre) com o tomo seis de Testimonies for the Church (Testemunhos Para a Igreja).

E. G. WhiteJohn Harris
Deviam estudar as lições de Cristo e o caráter de seus ensinos. Deviam ver que elas estavam livres do formalismo e a tradição, e apreciar a originalidade, a autoridade, a espiritualidade, a ternura, a benevolência, e o prático de seus ensinos.48 O livro contém cinco ensaios de considerável extensão, e trata dos seguintes temas de importância: - I. A Autoridade dos Ensinos de Nosso Senhor. II. A Originalidade dos Ensinos de Nosso Senhor... III. A Espiritualidade dos Ensinos de Nosso Senhor. IV. A Ternura e a Benevolência dos Ensinos de Nosso Senhor. V. A Prática dos Ensinos de Nosso Senhor.49

Harris e The Great Teacher (O Grande Mestre) tinham aparecido nas obras de Ellen anteriormente mas, como em outros casos, sem crédito nem reconhecimento. Tinha-se encontrado o material de seu livro muito útil ao reescrever The Desire of Ages em 1898. Muitíssimas vezes, Harris e seus ensaios deixam sua marca em The Acts e em The Desire, e em Ellen e sua igreja. Alguns dos doces ditos que repicavam a sino Adventista harmonizavam com Harris, não Ellen. Sem as afirmações de Harris, como a de queEle desenhou a igreja para que fosse seu próprio pecúlio; é a única fortaleza que ele sustenta num mundo em rebelião; e, portanto, ele tinha o propósito de que nela não se conhecesse nenhuma autoridade nem se reconhecesse nenhuma lei, exceto a sua.50

As introduções de The Acts e de The Desire teriam sido tão monótonas como as de seus respectivos predecessores, nos quais estas introduções faltavam por completo – o que mostrava o que Deus podia fazer com um pouquinho de ajuda.

Mas o uso de Harris e The Great Teacher não se limitou às introduções a estes dois livros de Ellen. Mais tarde, Fundamentals of Christian Education (Educação), Counsels to Teachers (Conselhos aos Professores), e Education (Educação) apresentariam a Ellen de princípio a fim – e pouca gente saberia que Harris era realmente a sensação do espetáculo.51 Se as declarações de Harris fossem extraídas de qualquer dos cinco livros e postas em outro lugar do mesmo livro, a continuidade dos pensamentos não se alteraria em nenhum caso. As declarações não têm relevância nem valor em seu contexto ou ambiente a não ser que o leitor lhes dê alguma sorte de valor. Em conseqüência de não seguirem nenhuma narrativa bíblica, nenhuma ordem estabelecida, podem usar-se como com freqüência tem-se praticado – em qualquer parte, em qualquer momento, por qualquer pessoa, para dizer qualquer coisa ou para estabelecer qualquer ponto.

Indicou-se que W. W. Prescott, o gênio educativo do Adventismo,52 tinha grande interesse em Ellen, bem como em seu material e seus escritos. O estilo de ler e de pensar de Prescott está muito mais de acordo com o de Harris do que com o de Ellen, pois, a diferença de qualquer outra pessoa, Harris aparece na extensa lista dela.53 Em anos posteriores, o White Estate fez uma interessante admissão quanto à participação de Prescott na produção de The Desire of Ages (O Desejado de Todas as Nações). Um trabalho trazido à luz pública por Robert Olson, e artigos posteriores de Arthur White na Review afirmava que Prescott, sim, teve algo que ver com a "correção" gramatical em The Desire of Ages.54 Essas afirmações, mais a carta de Lacey, relacionam bastante bem a Harris e A Prescott com a corrente de acontecimentos.

Uma nota adicional de interesse é que quando se compara a The Doctrine of Christ, o livro de texto de Prescott para a escola superior, com Harris e seu material (copiado dos primeiros poucos capítulos de The Desire of Ages), os três mostram uma notável similitude, com Harris ocupando um rápido primeiro lugar, Ellen claramente um segundo lugar, e o livro de Prescott num lento terceiro lugar, mas ainda na concorrência.55 Um final tão fechado explicaria por que o professor estava tão preocupado de que o material escamoteado de Harris e entregado aos "defensores" da igreja aparecesse mais tarde na casa de empenhos de Ellen e se vendesse como mercadoria de Deus.56

Para qualquer pessoa que estivesse a certa distância, era óbvio que todo o "emprestado" se fez com espelhos – mas não enfocados para refletir a Harris, ou a March, ou a Conybeare e Howson – nem sequer para refletir a Deus. A obra final foi pendurada no Salão da Fama Adventista para refletir a obra e a autoridade de Ellen como os dirigentes e teólogos as entregaram à Igreja Adventista. Os últimos cinco livros da Série Conflito teriam de ficar como a contribuição duradoura e autorizada de Ellen (e, portanto, de Deus), e do Adventismo à geologia, à teologia, à cristologia, e à escatologia. Os Adventistas crêem e ensinam, seja oficialmente ou extra-oficialmente, que a "inspiração" (ou o gênio) de Ellen e a habilidade para reassinalar os fatos da história e predizer os eventos do futuro, é de inquestionável autoridade. A Conferência Geral de 1980 da Igreja Adventista do Sétimo Dia, a expulsão de Desmond Ford em Colorado, a constante negação dos fatos nas investigações atuais sobre o programa de copiado de Ellen White durante sua vida, a insistência em dizer que qualquer falta que se possa encontrar em sua vida e em seus métodos pode igualar-se com as experiências dos escritores bíblicos - tudo indica que ela é a intérprete final e infalível de toda fé e prática Adventista.

No entanto, houve rachaduras no espelho Adventista. A forte posição da administração Adventista não vinculou no mundo em geral. Nem sequer foi aceita pela igreja em geral. A Ellenologia é um fenômeno norte-americano. Quase todos na totalidade do Adventismo estão fora dos Estados Unidos e não tiveram a totalidade de seus escritos, nem lhes preocupa usá-los, ou pelo menos os interpretam em forma algo diferente de como o faz o aderente norte-americano. Até os verdadeiros crentes que deixam as costas dos Estados Unidos tendem a adaptar-se a uma influência sem Ellen nos assuntos da igreja e seu estilo de vida pessoal, só para mudar a sua posição anterior novamente quando regressam à pátria de Ellen. Com freqüência, o sinal desta mudança é um anel de casamentos, proibido, por instruções de Ellen, para ministros e membros, igualmente, nos Estados Unidos. Ellen tinha convertido a ausência de um anel na marca do Adventismo nos Estados Unidos, quando escreveu:

"Alguns levaram um ônus com relação a levar um anel de casamento, pensando que as esposas de nossos ministros deveriam adaptar-se a este costume. Todo isto é desnecessário. Que as esposas dos ministros tenham o elo de ouro que une suas almas a Cristo Jesus, um caráter puro e santo, o verdadeiro amor e a mansidão e a piedade que são o fruto da árvore do cristão, e sua influência em todas as partes estará assegurada. O fato de que o fazer caso omisso do costume dê lugar a observações não é uma boa razão para adotá-la. Os norte-americanos podem dar a entender sua situação dizendo claramente que em nosso país o costume não se considera obrigatório. Não é necessário que levemos o sinal conosco, pois não estamos sendo infiéis a nosso voto matrimonial, e o levar o anel não seria evidência de que somos fiéis. Preocupa-me profundamente este processo de conformação que parece estar ocorrendo entre nós, de conformidade com o costume e com a moda. Não deveria gastar-se nem um centavo num anel de ouro para testemunhar que estamos casados."57

Por décadas, a discussão desta proibição gerou mais calor que luz nos corpos deliberantes da igreja, perdendo Deus a discussão, se, supostamente, foi Ele o autor, porque a maioria das igrejas afrouxaram a proibição para permitir que se use o anel. Caso contrário, muito do talento da igreja estaria fora dos limites da graça e o uso da igreja. Ainda é difícil para os pastores e evangelistas da igreja batizar a membros que tenham posto seu anel, e com freqüência se usa um pedaço de fita adesiva para ocultá-lo. Parece que até há maneiras de rodear a Ellen e ao seu Deus.

A confissão, o começo dos começos, é um ato antinatural - uma admissão de culpa, de ter feito o mau, e de propósito humano, em desacordo com a ética do homem ou as leis morais de Deus. Quando a confissão vem da mente, é útil para propósitos externos. Quando vem do coração ou da alma é útil para propósitos internos. Em qualquer dos dois casos, a confissão pode ter um efeito curto ou duradouro, dependendo das circunstâncias. No entanto, sempre se desperdiça quando ocorre demasiadamente tarde ou quando é forçado ou extraído muito tempo depois que o conhecimento dos fatos que causam a necessidade da confissão se tenha propagado. Tal parece ser o caso em relação com Arthur White e seu trabalho de Janeiro 18, 1981, titulado "The Prescott Letter to W. C. White" [A Carta de Prescott Para W. C. White].

Fiel à metodologia do "staff" do White Estate, Arthur trata em seu documento de minimizar, ou manchar sutilmente, a Prescott, principalmente a causa da carta deste último a W. C. White, suas conexões com Avó Ellen, e a reconhecida ajuda que ele lhe proporcionou aos escritos dela. A acusação de inclinações panteístas se lhe faz a Prescott o mesmo que se lhe fez a Waggoner e A Kellogg. Quiçá por falta de provas, Arthur não dá os detalhes de suas acusações, usando tão somente expressões tais como “um indício disto,” "ulteriores afirmações parecem dar a entender isto," "parecia confuso," "só com uma dedicação sem entusiasmo," e "os resultados só tiveram sucesso moderado."58

É em sua apologia - na qual o White Estate, com ele à cabeça, não fez nada para corrigir os mal-entendidos a respeito dos escritos de Ellen - onde Arthur White baixa a guarda e abre a porta o suficiente para deixar entrar um pouquinho de luz. Como se temesse que os que sabem, ou podem ouvir falar disso, pudessem ter verdadeiras boas idéias, diz:

Estes fatos são tais que uma mente arruinada ou inescrupulosa, ou um pesquisador altamente crítico, pode mal interpretá-los seriamente e usá-los incorretamente. O que segue se escreve com a esperança, e em oração, de que esta informação seja usada justa e judiciosamente.

E por que foi apresentada de má vontade? Porque estavam envolvidos homens bons de inquestionável integridade; homens de confiança, dedicados, em altas posições de direção nas igrejas homens que merecem ser recordados com honra e admiração, e, sobretudo, porque o que teve lugar se fez inadvertida e involuntariamente. Não estamos discutindo um álibi, senão mais um acidente no qual alguns saíram muito feridos. [A cursiva foi adicionada].59

Depois vem a confissão:

Mas não foi senão até faz três ou quatro anos, quando as atas das reuniões dos maestros de Bíblia e de história em 1919 foram reveladas e publicadas, que me inteirei da reunião de 1919.60

E novamente, mais adiante:

É verdadeiro que o intenso trabalho num estudo da relação entre porções de certos livros de Ellen G. White e os escritos de comentaristas e historiadores revelou um uso mais amplo de outros escritos por parte de Ellen White do que eram conscientes o White Estate ou os atuais dirigentes da igreja. Através dos anos, o "staff" foi demasiado pequeno e tem estado demasiado ocupado satisfazendo as demandas impostas sobre ele para dar-se tempo para sondar respostas a perguntas que agora se fazem.61

Onde tinha estado o pobre Arthur todos estes anos quando aquelas "inquisitivas" perguntas se faziam uma e outra vez?

Seu trabalho poderia indicar que, se em realidade era ignorante da investigação da Conferência Bíblica de 1919 (que alguns crêem que foi uma das mais reveladoras e importantes reuniões do Adventismo) e era ignorante do extenso trabalho de copiado de Ellen na preparação de seus livros, então quiçá ignorava muitos mais fatos concernentes a Avó Ellen.

Apesar destas inconsistências e problemas de ética, não pode negar-se que Ellen tinha chegado à cima, e em grande estilo, com seus escritos. No sistema Adventista, ela tinha redesenhado o passado, dado lustre ao presente, e adicionado cores exóticos ao futuro. Esse futuro, como se detalha na escatologia Adventista, encontra-se no livro de Ellen The Great Controversy (O Grande Conflito) – em si mesmo a maior controvérsia de todos seus escritos.

Referências e Notas

  1. Ellen G. White, Sketches from the Life of Paul (Washington: RHPA, 1883; reprodução em facsimile, 1974), prefácio, pp. 7-8.
  2. Fancis D. Nichol, Ellen G. White and Her Critics (Washington: RHPA, 1951), caps. 28 e 29.
  3. Comitê de Glendale, "Ellen G. White Sources," fitas (28-29 de Janeiro de 1980). Donald R. McAdams e outros foram conscientes de que o trabalho de Nichol é inadequado. Veja-se também o trabalho de Ronald Graybill apresentado na Reunião de Obreiros da Conferência do Norte de Califórnia , Março de 1981.
  4. Robert D. Brinsmead, Judged by the Gospel (Fallbrook, CA: Verdict Publications, 1980), p. 158.
  5. H. Ou. Olson, "Comparison of The Life and Epistles of the Apostle Paul, by Conybeare e Howson, and Sketches from the Life of Paul, por Ellen G. White." (Washington: EGW Está).
  6. Veja-se o Apêndice, Quadros Comparativos do Capítulo 7.
  7. EGW, Sketches from the Life of Paul, prefácio da edição em facsímil de 1974.
  8. H. Ou. OLson, "Comparison of The Life and Work of St. Paul, by Farrar, and Sketches from the Life of Paul, by Mrs. E. G. White, to Ascertain If the Latter Is Dependent On the Former" (Washington: EGW Está).
  9. Ibid.
  10. Durante sua vida, apareceram muitas declarações relativas ao momento, num período de vinte e quatro horas, trabalhava Ellen White em seus escritos. Em 1882, ela escreveu uma longa epístola (publicada mais tarde no tomo cinco dos Testimonies, pp. 62-84, e também, em parte, em Selected Messages, lib. 1, p. 27) na qual há estas afirmações: "Acordei-me de meu sonho... e escrevi, à meia-noite... levantei-me às três da manhã para lhe escrever." Estas afirmações e outras parecidas usadas comumente por ela não deixam dúvidas de que ela escrevia muito durante as noites.
  11. [Conferência Bíblica] "The Bible Conference of 1919," Spectrum 10, não. 1 (Maio de 1979): 23-57.
  12. Ibid., p. 52.
  13. Ibid., p. 51.
  14. Ibid., p. 35.
  15. Bert Haloviak, "In the Shadow of the 'Daily': Background and Aftermath of the 1919 Bible and History Teachers' Conference," trabalho apresentado na reunião dos Eruditos Bíblicos Adventistas do Sétimo Dia, New York City, 14 de Novembro de 1979.
  16. Ingemar Linden, The Last Trump, p. 203. O pé de página número 78 de Linden (com referência à controvérsia entre Uriah Smith e os White) diz: "Em 1870, [Tiago White] efetuou uma completa purga da igreja do escritório central. O propósito da reorganização era dar aos White um melhor controle sobre a igreja. Um dos veteranos, G. W. Amadon (1882-1913), proporcionou ao historiador muita informação útil em seus diários," Diário de Amadon 1870-73, Biblioteca da Universidade de Andrews, Heritage Collection.
  17. Veja-se o Capítulo Uno para os antecedentes.
  18. EGW a Bates, 13 de Julho de 1847, MS B-3-1847 (Washington: EGW Está). Arthur L. White citado por Robert Brinsmead em Judged by the Gospel, p. 160.
  19. EGW, "Questions and Answers," Review, 8 de Outubro de 1867, p. 260.
  20. Arthur L. White, "Who Told Sister White?" Review (21 de Maio de 1959), p. 7. EGW é citada de Ms. 7, 1867.
  21. Linden, Brinsmead, Winslow, aqui e lá. Faz-se referência a H.Camden Lacey nas fitas do Comitê de Glendale do 28-29 de Janeiro.
  22. [Um ministro Adventista do Sétimo Dia] em carta aos membros da igreja de Aurora, Colorado, 3 de Outubro de 1980
  23. Arthur L. White, "Who Told Sister White?" Review (14 de Maio de 1959).
  24. [John Harvey Kellogg], "An Authentic Interview," pp. 33-34.
  25. M[erritt] G. Kellogg, declaração [manuscrita] fotocopiada circa 1908.
  26. [George B. Starr], citado em "Statement Regarding the Experiences of Fannie Bolton [ca. 1894] in Relation to Her Work for Mrs. Ellen G. White," (Washington: EGW Está, DF 445), p. 8.
  27. "Ellen G. White´s Writings [letters] on the Life of Christ," Ms. 683, EGW a JW, 4 de Abril de 1876.
  28. Ibid., p. 2. (EGW a JW, 7 de abril de 1876).
  29. Ibid., p. 3. (EGW a Lucinda Hall, 8 de Abril de 1876).
  30. Ibid., p. 3. (EGW a JW, 16 de Abril de 1876).
  31. Arthur L. White, "Who Told Sister White?" Review (14 de Maio de 1959), p. 1. p. 6.
  32. Ibid.
  33. H. Camden Lacey a Arthur W. Spalding, 5 de Junho de 1947 , p. 3.
  34. H. Camden Lacey to Leroy E. Froom, 30 de Agosto de 1945, pp. 1-2.
  35. Arthur L. White, "Who Told Sister White?" Review (21 de Maio de 1959), pt. 2, pp. 7-8.
  36. Vejam-se os Quadros Comparativos para o Capítulo 7 no Apêndice.
  37. Arthur L. White, "Who Told Sister White?" Review (21 de Maio de 1959, pt. 2, pp. 8-9.
  38. Vejam-se no Apêndice os Quadros Comparativos sobre The Spirit of Prophecy, tomo 3, para o Capítulo 7.
  39. H. Ou. Olson, comparações do livro de EGW sobre Paulo com o de Farrar e com os livros de Conybeare e Howson sobre Paulo.
  40. O Comitê de Glendale sobre as fontes de EGW, 28-29 de Janeiro de 1980, fitas.
  41. Comparações, por H. Ou. Olson, entre o livro de EGW sobre Paulo e os livros de Farrar e de Conybeare e Howson sobre Paulo.
  42. E. G. W. Sketches from the Life of Paul, rproducción em facsímil da segunda edição, segunda página do prefácio, edição de 1974.
  43. Bible Conference "The Bible Conference of 1919," Spectrum 10, no. 1 (Maio de 1979), p. 35. Arthur Daniells relata o esforço para comunicar-se com EGW, comentando, "E em seguida se metia naquela zona crepuscular."
  44. EGW, Life Sketches of Ellen G. White, p. 434.
  45. Vejam-se os Quadros Comparativos para o Capítulo 7 no Apêndice.
  46. John Harris, The Great Teacher (Amherst: J. S. & C. Adams, 1836; Boston: Gould and Lincoln, 1870).
  47. Raymond F. Cottrell e Walter F. Specht, "The Literary Relationship Between The Desire of Ages, por Ellen G. White, e The Life of Christ, por William Hanna," 2 partes, fotocopiado (Biblioteca, Arquivos, e Coleções Especiais da Universidade de Loma Linda, 1 de Novembro de 1979), pt. 1, aqui e lá, Veja-se também meu capítulo seis, "Sources from Which She Drew, More or Less."
  48. EGW, Testimonies for the Church, tomo 6, p. 160.
  49. Harris, The Great Teacher, p. 18.
  50. Ibid., pp. 157-58.
  51. Vejam-se os Quadros Comparativos para o Capítulo 9 no Apêndice.
  52. SDA Encyclopedia, Série Comentário, tomo 10, s.v. W. W. Prescott. Prescott participou em grande parte da história Adventista desde 1880 até 1930 (incluindo a controvérsia com John Harvey Kellogg).
  53. EGW Está, "Books in the E. G. White Library in 1915," (Washington: EGW Está, n.d.), DF 884. Este inventário de dezessete páginas de livros "On Shelves in the E. G. White Study and in the Office and Vault" [Em Estantes no Estudo de E. G. White, e no Escritório e a Abóbada] inclui quase quatrocentos títulos, um bom número deles jogos de vários tomos. Mais recentemente, uma lista informativa foi preparada por Ronald D. Graybill e Warren H. Johns, "An Inventory of Ellen G. White´s Private Library, July 29, 1981, draft" [Um Inventário da Biblioteca Privada de Ellen G. White] (Washington: EGW Estate, 1981).
  54. Arthur L. White, "The E. G. White Historical Writings," uma série de sete artigos publicados no Adventist Review, desde o 12 de Julho de 1979 até o 23 de Agosto de 1979.
  55. W[illiam] W[arren] Prescott, The Doctrine of Christ (Washington: RHPA, 1919). Veja-se pp. 9-11.
  56. H. Camden Lacey a Leroy Froom, 30 de Agosto de 1945; H. Camden Lacey a Arthur W. Spalding, 5 de Junho de 1947.
  57. 57. EGW, Testimonies to Ministers and Gospel Workers (Mountain View: PPPA, 1923), pp. 180-81.
  58. Arthur L. White, "The Prescott Letter to W. C. White [6 de Abril de 1915], "fotocopiado (Washington: EGW Estate, 18 de Janeiro de 1981), pp. 4, 7.
  59. Ibid., p. 22.
  60. Ibid., p. 26.
  61. Ibid., p. 29.

 

Quadros Comparativos Escolhidos

Livros Escritos por:Fontes Que Ela Utilizou
White, Ellen G. Conybeare, W. J/. Howson, J. S.
The Acts of the Apostles
Mountain View, California, Pacific Press, 1911.
The Life and Epistles of the Apostle Paul
New York, Crowell, 1852.
The Spirit of Prophecy, vol 3.
Battle Creek, SDA Publishing Assn., 1878.
Harris, John
  The Great Teacher, 2nd. edit.
Amherst, J. S. e C. Adams, 1836.
  The Great Teacher, 17th. ed.
Boston Gould and Lincoln, 1870.
  March, Daniel
  From Dark to Dawn
Philadelphia, J. C. McCurdy & Co., 1878.
  Night Scenes in the Bible
Philadelphia, Zeigler, McCurdy (1868-1870).
  Walks and Homes of Jesus
Philadelphia, Presbyterian Pub. Committee, 1856.
Quadros Comparativos de Mostra
The Spirit of Prophecy, Vol. 3. Ellen G. White 1878. [295] Alugaram testemunhas falsas para testemunhar que o tinham ouvido falar palavras blasfemas contra o templo e contra a lei. The Life and Epistles of the Apostle Paul W. J. Conybeare/J. S. Howson 1852. [73] Subornaram a testemunhas falsas para acusá-lo de blasfemar contra Moisés e contra Deus.
[299] Requereu-se-lhe às testemunhas que tinham acusado a Estevão que arrojassem as primeiras pedras. Estas pessoas puseram suas roupas aos pés de Saulo...
O martírio de Estevão causou uma profunda impressão em todos os que o presenciaram...
[300] Seu zelo [o de Paulo] por levar adiante a perseguição aterrorizava aos cristãos em Jerusalém. As autoridades romanas não fizeram nenhum esforço especial para deter a cruel obra...
Ele não foi membro do concílio do Sanedrín senão até depois a morte de Estevão, quando foi eleito para ser membro desse corpo em consideração do papel em que tinha atuado nessa ocasião.
[77] E as testemunhas (que, de acordo com a Lei, requeria-se que arrojassem as primeiras pedras) despojaram-se de suas vestimentas exteriores e as puseram aos pés de Saulo... [75] E é evidente ... quão profunda impressão tinha causado em sua [a de Paulo memória a morte de Estevão... [80] Não parece que as autoridades romanas os restringissem em modo algum...
Há fortes razões para crer que, se não era membro do Sanedrín ao tempo da morte de Estevão, foi eleito membro do poderoso senado pouco depois - possivelmente como recompensa pelo zelo que tinha demonstrado contra os hereges.
[317] A educação rabínica e farisaica de Paulo agora teria de ser usada em boa conta pregando o evangelho e sustentando a causa para destruir a qual tinha uma vez feito todos os esforços. [95] Sua educação rabínica e farisaica agora era usada para sustentar a causa que tinha vindo destruir.
The Acts of the Apostles
E. G. White 1911.
The Great Teacher
John Harris 1836 (edit. de 1870)
[11] A igreja é a fortaleza de Deus, sua cidade de refúgio, que ele tem num mundo rebelde. Qualquer traição à igreja é traição contra Aquele que comprou à humanidade com o sangue de seu Filho Unigênito... Ele enviou a seus anjos para ministrar a sua igreja, e as portas do inferno não puderam prevalecer contra seu povo. [157] Ele decidiu que a igreja seja seu próprio pecúlio; é a única fortaleza que ele tem num mundo em rebeldia... de maneira que, abrir suas portas para dar entrada a qualquer dos rebeldes, por especioso que seja o pretexto, é traição à mais sagrada confiança, e traição à grande causa de Cristo.
[12] Por débil e defeituosa que seja, a igreja é o único objeto ao qual Deus confere seu supremo cuidado. É o palco de sua graça, no qual se deleita revelar seu poder para transformar os corações. [160] Mas a igreja de Cristo, por débil e defeituosa que seja, é o único objeto sobre a terra ao qual confere seu supremo cuidado... É o palco de sua graça, no qual faz experimentos de misericórdia sobre os corações humanos, e efetua transformações.
[12] Não podia usar os reinos do mundo como comparação. Na sociedade, não encontrou nada com o que compará-lo. Os reinos da terra governam pelo domínio do poder físico; mas toda arma carnal, todo instrumento de coação está desterrado do reino de Cristo. [152] Porque, enquanto alguma figura monstruosa, de ferocidade e poder brutos, considerava-se símbolo apropriado de cada monarquia precedente... enquanto eles prevaleciam pelo domínio do poder físico, toda arma carnal e todo instrumento de coação deveria ser desterrado de seu reino...
  Night Scenes in the Bible
Daniel March 1868-1870.
[146] Pedro foi confinado a uma cela lavrada na rocha cujas portas tinham gordos ferrolhos e barrotes; e os soldados de guarda foram fatos responsáveis pela vigilância dos prisioneiros... Mas os ferrolhos e os barrotes... só fariam mais completo o triunfo de Deus na libertação de Pedro. [459-60] Dezesseis soldados armados, todos os quais respondiam com suas vidas pela vigilância, e uma cela feita de rocha maciça, e duas correntes e três portas vigiadas e aparelhadas de ferrolhos... demonstram-nos que o poder empregado na defesa da religião de Jesus é maior que os exércitos dos reis.

 

Graça Maior - Walter T. Rea, . Disponível em: http://gracamaior.com.br/estudos/ibsd-x-adventistas-do-setimo-dia/234-a-mentira-branca.html. Acesso em 25 Maio 2017.