O mundo "se fixará pouco e não recordará por muito tempo" (para usar a frase de um famoso presidente) o que Ellen escreveu nas décadas de 1850 e 1860. Com a "amalgama de homens e bestas," a Torre de Babel construída antes do dilúvio, e as idéias incorretas, à luz dos atuais conhecimentos, sobre a formação do carvão e as causas dos terremotos, vulcões, e erupções, não seria nenhum exagero dizer que muitos de seus escritos não foram muito populares. Não há evidência de que a obra que continha tudo isto, Spiritual Gifts (tomos um e dois), convertesse-se num sucesso de livraria. 1

Em defesa dos Gifts, é apropriado assinalar que a organização Adventista ainda não tinha aperfeiçoado seu sistema de tipografias, colportores, livros de conferências, casas bíblicas, órgãos de propaganda eclesiástica, e um exército de obreiros pagados como os que se usam agora para catequizar à igreja e ao mundo. Porquanto só tinha como 3,000 Adventistas nesse tempo (muitos dos quais não sabiam ler), a Spiritual Gifts parece ter-lhe ido tão bem como poderia esperar-se.

Algumas outras incursões na atividade de imprimir tiveram ainda menos sucesso. Houve muita controvérsia a respeito da impressão de algumas das primeiras idéias de Ellen no pequeno folheto chamado "A Word to the Little Flock" [Uma Palavra à Manada Pequena] (publicado por Tiago White em 1847) em apoio de suas visões da "porta fechada," bem como acerca de contradições sobre questões relativas às visões. 2 Em impressões posteriores, tanto A Word como outra publicação periódica chamada Present Truth (publicado desde Julho de 1849 até Novembro de 1850) teriam de passar por várias etapas de revisão que acordariam dúvidas nos anos por vir. 3

É justo que nos apressemos a explicar que todo este reordenamento da história e da teologia era novo para Ellen. Já que Deus não lhe tinha dado muito material para trabalhar, isso poderia ajudar a explicar um pouco de a confusão. Em realidade, às vezes pareceria que até Deus se confundiu, porque ela teria de fazer-lhes saber aos demais que Deus lhe tinha mostrado que "Sua mão cobriu um erro em algumas das cifras" de 1843. 4 Da mesma maneira, a ela se lhe tinha mostrado que "o tempo durante o qual Jesus estaria no Lugar Santíssimo quase tinha terminado, e que não duraria senão um pouquinho mais". 5 Até os anjos se viram envolvidos no assunto inteiro na visão de Junho 27, 1850: "Meu anjo acompanhante disse: 'O tempo quase terminou...' então vi que as sete últimas pragas cedo teriam de ser derramadas". 6 Para que ninguém tivesse a impressão de que estas eram afirmações mais bem gerais, para serem tomadas às presas ou filosoficamente, adicionava-se que "o tempo quase terminou, e o que a nós nos tomou anos aprender, eles terão que o aprender nuns poucos meses". 7

Todo este transfundo de atirar e rechear levou aos Adventistas a uma interessante discussão da profecia e os com frequência extremos pronunciamentos de Ellen. Esta classe de pronunciamentos, que veio chamar-se "profecia condicional", está detalhada no Seventh-day Adventist Commentary. 8 Uma tradução livre de seu arrazoamento diz mais ou menos assim:

Deus, que pode ver o fim desde o princípio, pode que não veja todo o fim desde o princípio. Com sua visão míope, Deus tem que cobrir sua aposta se declara sua posição em qualquer momento, porque muito nesta área é uma aposta. Se os acontecimentos piorassem de repente, e não se conformassem ao registro ou a sua interpretação, são as circunstâncias as que se equivocaram, não Deus. Assim, com uma moeda como a profecia condicional, todos os oráculos de Deus podem estar seguros de que eles ganham se sai cara e que você perde se sai selo. Mas os arautos e Deus têm sempre a razão em qualquer caso.

Um dos melhores exemplos desse tipo de argumentação foi a afirmação a respeito de alguma informação confidencial que Ellen recebeu de um anjo em 1856:

Se me mostrou a gente que estava presente na conferência. Disse o anjo: "Alguns serão pasto dos vermes, alguns estarão sujeitos às sete últimas pragas, e alguns estarão vivos e permanecerão sobre a terra para serem trasladados à vinda de Jesus”. 9

Esta afirmação, mais do que a maioria das demais, proporcionou a base para muitas investigações. Um pode ver em seguida o enorme interesse que surgiria, e surgiu, a respeito de quem estava nessa reunião, que idade tinha nesse momento, quantos estavam vivos ainda, quem tinham experimentado o que lhe sucede a toda carne, e se alguns tinham sido postos numa categoria errônea e poderiam ser ressuscitados de alguma maneira especial para serem incluídos em outra categoria. Estas intermináveis discussões fizeram óbvio, por eliminação, que na década de 1980 alguém deveria estar na faixa de idade de 130 anos para cumprir a condição, ainda que alguns digam ainda que isso não é impossível para Deus - uma afirmação que uno não quereria criticar, porque Deus pesa no lado oposto.

Ainda com a ajuda do poeta John Milton e seu Paradise Lost, as coisas não saíram bem. Um cuidadoso exame em anos recentes revelou muito estreitos paralelos entre os escritos de Ellen White e o Livro de Jaser - um livro mencionado na Bíblia, mas que nunca foi parte dela. Francis D. Nichol (escritor do século XX, editor do Review, e firme defensor de Ellen), também admitiu que ela estivesse em dívida com o Segundo Livro de Esdras (apócrifo), outro livro antigo que não foi incluído no Cânon das Escrituras Sagradas, mas ao qual Ellen pôs nesse nível. Certas afirmações suas sobre acontecimentos dos últimos dias utilizam um pouco da terminologia e da linguagem pictórica de Esdras e adicionam cor, se não autoridade, a suas descrições. 10

Mas as coisas mudaram nas décadas de 1850 e 1860. Apesar da ajuda que recebia dos que a rodeavam (e dos anjos que continuavam entrando e saindo), agora ela adquiriu uma nova habilidade que teria de dar a pauta para o resto de sua vida. Apesar de sua educação de terceiro grau, sabia-se que lia, e os registros subseqüentes mostram que lia e lia e lia. Na década de 1970, soube-se que tinha sido instruída nesta arte por aproximadamente quinhentos livros e artigos em sua biblioteca e nas bibliotecas que se puseram a sua disposição. Investigações ainda mais adiantadas indicam do que se usou mais material do que aquele do que estavam inteirados ainda os membros da plana maior do White Estate – e eles tinham crido que sabiam tudo sobre essas coisas. Também para este tempo, ela tinha aprendido um estilo mais liberal de copiar, que veio ser conhecido, desde então até o presente, como tomar emprestado.

Sem importar este tipo de ajuda humana – um punhado ou mais de assistentes, editores de livros, secretárias e ajudantes – Ellen White sempre insistia em dizer que todo vinha de Deus. Já para o segundo volume de Spiritual Gifts (1860), disse:

"Eu dependo do Espírito do Senhor tanto para relatar ou escrever as visões, como para tê-las. É-me impossível recordar as coisas que se me mostraram, a não ser que o Senhor mas presente no momento em que a Ele lhe aprouver motivar-me a relatá-las ou escrevê-las”. 11

Esta assombrosa declaração ia muito além do que os escritores bíblicos jamais reclamaram para si mesmos; e, em realidade, ia muito além de qualquer coisa do que ela tivesse afirmado jamais. Este chamado às armas foi contagioso. Outros se fizeram eco do clamor e o têm estado usando desde então. George A. Irwin (presidente da Conferência Geral Adventista desde 1897 até 1901) seguiu o exemplo dela ao afirmar num tratado titulado "The Mark of the Beast" (1911) que:

É desde o ponto de vista da luz que veio por meio do Espírito de Profecia [os escritos da Sra. White] que a questão será considerada, crendo como cremos que o Espírito de Profecia é o único intérprete infalível dos princípios bíblicos, já que é Cristo, por meio de seu agente, quem proporciona o verdadeiro significado de suas próprias palavras. [a cursiva é nossa]. 12

Ninguém se opôs a esta asseveração nesse momento. Isso mostra até onde e quão rapidamente pode chegar uma jovem de um povo incipiente se tem as conexões corretas. Como Ellen mesma seguia dizendo-lhe a todo o mundo, suas conexões iam até o mais alto.

Foram necessárias umas poucas purgas para arrumar as coisas um pouco e pôr ordem entre os rapazes no quarto de atrás, os que poderiam ter algumas dúvidas a respeito do que tinham visto e ouvido, mas isso era um assunto de pouca monta. 13 Uma das armas favoritas no arsenal de um psíquico é invocar juízos sobre a cabeça do desertor, e Ellen se sentia em seu elemento nesta área de combate. Não muitos dos posteriores membros da igreja sabiam que, com frequência, seus "depoimentos" eram enviados à imprensa ou ao púlpito antes de ser entregues pessoalmente àqueles que estavam sendo repreendidos. Este hábito de fazer público o que com frequência estava baseado em rumores ou mexericos, deixando pouco ou nenhum lugar para que o acusado se defendesse, geralmente fazia de Ellen uma ganhadora. Respondendo ao convite que fez circular aos que tivessem perplexidades em relação com seus depoimentos, dizendo-lhes que lhe escrevessem a respeito de suas objeções e críticas, os médicos Charles E. Stewart e William S. Sadler lhe escreveram a Ellen e lhe expressaram suas objeções a sua prática de publicar suas repreensões, dizendo-lhe que era antibíblica e errônea. Mas, até onde se sabe, ela nunca recolheu o desafio para contestar-lhes, como tinha dito que o faria. 14

Outros cedo encontraram que era inútil lutar contra Deus, pelo menos em público. Uriah Smith o descobriu - e o disse assim, em sua tentativa de sobreviver como editor do Adventist Review. Para 1883, soube que o jogo tinha terminado. Ainda que tivesse expressado suas reservas acerca de obras de arte que Ellen estava produzindo, disse:

Parece-me que os depoimentos virtualmente vieram adquirir uma forma tal que é inútil tratar de defender as desmesuradas afirmações que agora se fazem a favor deles. Pelo menos , depois do injusto tratamento que recebi o ano passado, não sento nenhuma responsabilidade nesse sentido... Se todos os irmãos estivessem dispostos a pesquisar este assunto amplamente e com honestidade, creio que se poderia encontrar algum terreno comum consistente para todos. Mas alguns são tão dogmáticos e renitentes que suponho que qualquer esforço nesse sentido só conduziria a uma ruptura do corpo. 15

É interessante ler, tantos anos depois, que na Conferência Bíblica de 1919 os professores de religião da escola superior chegaram a uma conclusão parecida, mas vacilaram em fazer nada que pudesse resultar na ruptura de um corpo muito maior. 16

Novamente, para mostrar que, para finais da década de 1870 e finais da de 1880, tinha muito pouco terreno intermédio no caso de Ellen White, Smith escreveu o 16 de Abril:

A idéia de que questionar as visões no mais mínimo é converter-se em seguida em apóstata e rebelde sem esperança foi deliberadamente inculcada na mente da gente e sento ter que dizer que demasiadas pessoas não têm a força de caráter suficiente para sacudir-se esse conceito; por isso, no momento em que se faça qualquer coisa para estremecê-los a respeito de visões, perdem a fé em todo e vão para a destruição. 17

O 31 de Julho desse mesmo ano, Smith novamente deu evidência de que não podia competir com Ellen:

E minha razão é que a mesma Ellen G. White me fechou a boca. No Depoimento Especial à igreja de B. C. [Battle Creek], citado no número extra do Sabbath Advocate (suponho que você viu ambos os periódicos), ela anunciou em público que eu tinha rejeitado, não só esse depoimento, senão TODOS os depoimentos. Agora, se digo que não os rejeitei, demonstro que sim o fiz, já que contradigo este. Mas se digo que sim os rejeitei, isso não lhes fará nenhum bem, até onde posso ver, mas estarei dizendo o que eu supus que não era verdadeiro. Seu ataque contra mim parece do mais desnecessário e injusto... Sem razão, forçou-me a uma posição muito embaraçosa. 18

Outros teriam de sentir a ira dela em seus "depoimentos," e sua vitória era tão segura como a de qualquer doutor bruxo, antigo ou privado. Mas, antes de cair por última vez, Smith (como o tinham feito outros antes que ele e o fariam outros por longo tempo depois dele) tratou de salvar sua razão e seu orgulho dizendo: "Agora tenho que distinguir entre 'depoimento' e 'visão'". 19

Tinha estado claro para a maioria, ainda antes que Smith fosse detento, que Ellen estava ganhando. Muito antes que caísse por última vez o pano sobre o ato de Uriah Smith, soube-se que Ellen estava orquestrando a música e dirigindo a banda ao mesmo tempo. Outros se levantariam para pôr em dúvida o correto das anotações, mas ela estava a cargo, e continuaria estando-o. As afirmações se voltariam mais escandalosas à medida que passassem as décadas, e as vozes dos extremistas soariam mais estridentes para os que estavam dentro ou fora do redil, os que não aceitavam que ela e seus escritos tivessem a última palavra em pouco mais ou menos qualquer coisa e todas as coisas.

Os extremistas teriam de perder só uma batalha na guerra pelo controle da mente da gente. Isso teve lugar para enfrentar as crescentes críticas da década de 1940 e de 1950, quando proeminentes grupos evangélicos foram a Washington para examinar o Adventismo por si mesmos. Um grupo de dirigentes anônimos publicou um livro chamado Seventh-day Adventists Answer Questions on Doctrine [Os Adventistas do Sétimo Dia Respondem Perguntas Sobre Doutrina] (comumente conhecido como Questions on Doctrine) [Perguntas Sobre Doutrina]. O livro foi desenhado para convencer aos amigos visitantes que Ellen White não era a santa patrona da Igreja Adventista do Sétimo Dia; que seus escritos não estavam ao mesmo nível que os escritos do cânon; que sua inspiração não era a dos escritores do Cânon; e que a igreja não a considerava intérprete das Escrituras, senão todo o contrário. Todo isto se disse muito clara e fortemente em Questions on Doctrine. 20

À direita radical lhe tomou quase vinte e cinco anos de trabalhar, esperar, e infiltrar posições para regressar com força. Em 1980, a Conferência Geral, em sessão em Dallas, Texas, meteu à força uma tabela na plataforma espiritual da igreja, e lhe disse a todos os que sabiam ler que Ellen White era realmente a santa da igreja, e que Ford, Brinsmead, Paxton, e todos os australianos e norte-americanos, ou qualquer que viesse, teria que escolher vir à igreja, e de fato vir ao Cânon e A Deus mesmo, através dos escritos daquela jovem de povo novo, oriunda de Gorham, Maine - Ellen Gould (Harmon) White. 21

Tinha-se precisado longo tempo, mas ela tinha tido sucesso. Os extremistas que prevaleceram sobre os delegados para que adotassem a tabela teriam de usá-la quase em seguida como arma contra Ford, o mestre-erudito australiano que estava sendo submetido a juízo no que estava em jogo suas obras, sua reputação, e (alguns criam e esperavam) até sua vida.

Como Uriah Smith antes que ele, Ford teria de perder, principalmente porque desejava salvar algumas das obras de Ellen e diminuir a autoridade da maioria delas. Como Smith antes que ele, desejava separar, pelo menos em seu próprio pensamento, os depoimentos das visões . Mas seus juízes (e todos os subseqüentes artigos do Review) teriam de aclarar que era ou todo ou nada - que a Igreja Adventista do Sétimo Dia realmente crê, como o tinha indicado George Irwin em seu tratado de 1911, que Ellen tinha sido canonizada como a intérprete divina e infalível da doutrina e pensamento Adventistas. A sorte estava jogada. Ou, para dizê-lo de outra maneira, tinha-se cruzado o Rubicão. Ou as pontes tinham sido queimadas às suas costas.

Em todo caso, a Igreja Adventista do Sétimo Dia permanecia nua e só ante o mundo - como um culto - em sua crença de que a salvação é mal possível e que as Escrituras em realidade são impossíveis como guia para Cristo e o Evangelho, exceto através de Ellen. Um movimento que tinha começado com visões extremas em 1844, fechando a porta a todos os demais exceto seus próprios membros, novamente, como mais 140 anos tarde, tinha tomado o caminho do extremismo - desafiando todos os esforços para abrir aquela porta fechada; fechando-a com violência novamente (de ser possível, para sempre); declarando uma vez mais do que eles eram os salvos, os custodiadores das chaves, o epítome da perfeição humana. O povo de Deus e todos os demais teriam que começar a subir as escadas dos escritos de Ellen de joelhos, como a viagem de Lutero na Antigüidade, se é que tinham algum propósito de atingir o céu.

Pode ser que a história tenha chegado à conclusão de que Ellen tinha algum poder clarividente, e não só na maneira que outros tinham vindo aceitar. É possível que no começo da década de 1870 - quando o caminho ficou livre da maior parte da oposição verbal, e ela iniciou sua mais significativa tarefa de realinhar a história e seus eventos segundo seus conceitos, e de reescrever as Escrituras segundo suas visões - ela visse o resultado final, se tudo saía bem. E o registro mostra que sim saiu bem para alguns. Demasiado bem, talvez. A maioria dos que avançaram até esse ponto, agora parecem ficar-se sós, tal qual somente Ellen com seu troféu. Quiçá a ela lhe teria gostado isso, porquanto viveu solitária e com frequência escreveu sobre isso e lhes disse a seus seguidores que o antecipassem e se prepararam para isso.

Não estão disponíveis as atas de nenhuma reunião em que se completaram os planos formais para produzir o material escrito nas décadas de 1870 e de 1880. Quiçá não ocorreram tais reuniões, nem nenhuma pressa para o juízo, só uma lenta evolução. Para este tempo, os escritos de Ellen incluíam a muitos autores, que reforçaram seus relatos do passado e sua visão dos eventos que teriam de ter lugar no futuro. A idéia estava mais bem expressa na introdução aos quatro tomos que tentavam fazer o trabalho:

Prefácio à Edição Reimpressa

Ellen White, durante a maior parte de seu ministério, deu-lhe grande prioridade à tarefa de manter a história do grande conflito entre Cristo e Satanás ante os olhos da igreja e do mundo. Teve primeiro o primeiro breve relato, quase um resumo, publicado no diminuto Spiritual Gifts, tomo 1. Em suas 219 páginas, abarca a história desde "A Queda de Satanás" até "A Morte Segunda" - o fim de Satanás e do pecado. Sendo os observadores do sábado menos de três mil, a emissão desta obra foi uma valorosa incursão na publicação de livros. O tomo 2, de 1860, apresentava a experiência cristã e as visões de Ellen White.

Este foi seguido, em 1864, por Spiritual Gifts, tomos 3 e 4, completando a história do Antigo Testamento, à qual mal se fazia referência no tomo 1, exceto por três breves capítulos.

A série Spirit of Prophecy, de quatro tomos, publicada desde 1870 até 1884, proporcionou à crescente igreja uma apresentação muito mais detalhada da história do grande conflito num total de 1.696 páginas de texto de Ellen G. White. A seu devido tempo, este foi substituído pela série de cinco tomos Conflict of the Ages [Conflito dos Séculos], ainda mais expandida, e para sua autora, mais satisfatória. Estes proporcionam ao leitor 3,507 páginas de texto relatando a história do grande conflito. 22

As palavras claves neste prefácio são "foi substituído pela série Conflito dos Séculos, ainda mais expandida, e, para sua autora, mais satisfatória." Os Adventistas do século vinte geralmente não se inteiraram de que a Série Conflito fora uma expansão de nada. Ainda que se tivesse aceitado que Ellen tinha feito algum trabalho preliminar ao reescrever a história e a teologia, muito poucos tinham adivinhado que os quatro primeiros livros do Espírito de Profecia eram realmente um rascunho do trabalho. Obviamente, se os primeiros livros passaram a prova para sua autora e seus ajudantes, aqueles, os livros, se converteriam num fundamento mais firme e mais forte para qualquer revisão de pensamento do que a igreja tivesse do que ser condicionada para aceitar.

Se a declaração nesse prefácio se tivesse feito antes que tivessem passado entre oitenta e noventa anos depois do acontecimento, possivelmente teria ajudado a aclarar alguns dos problemas que estavam começando a aparecer no copiado de Ellen. Se todo o pessoal tivesse trabalhado com ela, e se todos os que notaram similitudes com materiais que tinham sido vistos em sua posse tivessem sido conscientes de que ela havia lançado mão de grandes porções de material alheio, o banquete que tinha sido servido em nome de Deus poderia não ter sido um piquenique assim. Mas Ellen não estava pondo toda a comida na mesa de uma só vez, caso contrário os convidados poderiam ter suspeitado.

A afirmação também teria de expandir a mentira branca, pois essas poucas páginas do "diminuto" Spiritual Gifts em maneira alguma poderiam ter sido chamadas páginas de tamanho completo. Quando se lhes compara com o produto terminado da Série Conflito, teriam de consistir só de como um terço à metade da amplificação posterior. O que isto significa, então, é que o último comentário sobre o Antigo Testamento, dado em sua Série Conflito final, que adicionava centos e centos de novas idéias e pensamentos não incluídos nas Escrituras começou com 75 a 90 páginas de idéias na produção de 1858. Mais tarde, estas iluminações teriam de cobrir mais de 25 milhões de palavras! Como esta expansão teve lugar é do que trata o resto deste relato.

Referências e Notas

  1. Os primeiros dois tomos de Spiritual Gifts se publicaram em 1858 e 1860, e os últimos dois em 1864. Uma reprodução em fac-símile dos quatro tomos (em dois livros) foi emitida e protegida pelo direito de autor em 1945.
  2. Tiago White, Edit., A Word to the "Little Flock" (Brunswick, Me: impressão privada, 1847). Em anos recentes, uma reprodução em fac-símile deste folheto de 24 páginas foi emitida pelo "staff" do Ellen G. White Estate. Além disto, tinha um apêndice que consistia em duas páginas de notas pelo "staff" do White Estate, mais quatro páginas de comentários e explicações por Ellen White em sua Ms. 4 de 1883.
  3. Tiago White, Edit., Present Truth, Julho de 1849 a Novembro de 1850.
  4. Ellen G. White, Early Writings (Washington: Review and Herald Publishing Association, 1882), p. 64.
  5. Ibid., p. 58.
  6. Ibid., p. 64.
  7. Ibid., p. 67.
  8. Francis D. Nichol, Edit., Seventh-day Adventist Commentary, 7 tomos. (Washington: RHPA, 1953-57), tomo 4, s.v.
  9. EGW Testimonies for the Church, 9 tomos. (Washington: RHPA, 1885-1909).
  10. The Book of Jasher; mencionado em Josué e Segunda de Samuel (New York: M. M. Noah & A. S. Gould, 1840; reimpresso: Mokelumne Hill, CA 95245: Health Research, 1966). Referências a Esdras na Word to the "Little Flock" aparecem nos pés de página do folheto, pp. 14-20 . Estas se reproduzem também em Francis D. Nichol, Ellen G. White and Her Critics (Washington: RHPA, 1951), apêndice, pp. 561-84.
  11. EGW, Spiritual Gifts, tomo 2, p. 293.
  12. George A. Irwin, "The Mark of the Beast", folheto (Washington: RHPA, 1911). Irwin foi presidente da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia 1899-1901.
  13. Ingemar Linden, The Last Trump (Frankfurt am Main: Peter Lang, 1978), p. 203. Linden citação informação dos diários de George W. Amadon.
  14. Charles E. Stewart, A Response to an Urgent Testimony from Mrs. Ellen G. White, folheto expandido de sua carta de 8 de Maio de 1907 (n. p. [impressão privada], pref. 1 Outubro de 1907. Com frequência chamado “o livro azul.”).
  15. De Uriah Smith para D. M. Canright, 11 de Março de 1883.
  16. [Conferência Bíblica], "The Bible Conference of 1919" Spectrum 10, número 1 (Maio de 1979): 23-57.
  17. De Smith para Canright, 6 de Abril de 1883.
  18. De Smith para Canright, 31 de Julho de 1883.
  19. De Smith para Canright, 7 de Agosto de 1883.
  20. [Os Adventistas do Sétimo Dia], Questions on Doctrine (Washington: RHPA, 1957), pp. 7-10, 89-91. No título da página, a preparação deste livro se atribui a "Um grupo representativo de dirigentes, instrutores bíblicos, e editores Adventistas do Sétimo Dia." Em alguns círculos, este grupo é conhecido como FRAN, uma espécie de acrônimo de Leroy E. Froom, Walter L. Read, e Roy Allan Anderson.
  21. Fundamental Beliefs of Seventh-day Adventists - Church Manual Revisions. [Crenças Fundamentais dos Adventistas do Sétimo Dia - Revisões do Manual de Igreja]. Advent Review, Maio 1, 1980, p. 23.
  22. EGW, The Spirit of Prophecy, 4 tomos. (Battle Creek: Review and Herald, 1870-77-78-84. Reprodução em fac-símile, (Washington, RHPA, 1969), tomo 1, pref. à reprodução em fac-símile de 1919.

 

Graça Maior - Walter T. Rea, . Disponível em: http://gracamaior.com.br/estudos/ibsd-x-adventistas-do-setimo-dia/234-a-mentira-branca.html. Acesso em 25 Maio 2017.